O Atlético de Madrid trocou de atacantes nesta janela de janeiro. Depois de acertar a rescisão de contrato de Diego Costa, que não vinha jogando com frequência, o clube acertou a contratação de Moussa Dembélé, do Lyon. O francês, de 24 anos, chega por empréstimo ao custo de €1,5 milhão até o fim da temporada, com uma opção de compra de €33,5 milhões ao final da temporada, além de outros €5 milhões em adicionais de desempenho.

LEIA TAMBÉM: Mesmo sem deslanchar no United, Fosu-Mensah pode reacender sua carreira no Leverkusen

A chegada do jogador é uma boa notícia para o time e Diego Simeone. Primeiro, porque Diego Costa vinha acrescentando pouco à equipe. Na atual temporada, 2020/21, o hispano-brasileiro entrou em campo sete vezes, com dois gols marcados. Foram 204 minutos em campo, com uma média de cerca de 29 minutos por partida. Pouco para alguém que tem um salário de superestrela do time. Assim, quando ele quis rescindir, sabendo que o titular do time é a outra estrela, Luis Suárez, contratado nesta temporada. Abriu espaço no elenco (e na folha salarial) para que o Atlético apostasse em outro jogador da sua posição.

Moussa Dembélé não é um grande craque mundial, mas é um jogador de carreira bem consistente até aqui. Mostrou boa capacidade de marcar gols, além de ser um jogador que consegue participar bem da construção das jogadas. Além disso, mostrou algo que o técnico dos Colchoneros aprecia: coração. É um jogador que se dedica muito e atrapalha a vida dos defensores, seja pela sua presença física, seja por marcar saída de bola.

Moussa Dembélé é um dos muitos jogadores nascidos e crescidos nos subúrbios de Paris, filho de pais imigrantes do Mali. Formado na base do Paris Saint-Germain, assinou contrato com o Fulham quando tinha 16 anos e deixou o país para jogar na Inglaterra, em 2012. Demorou a ser utilizado com frequência no time profissional, o que só aconteceu em 2014.

Sua grande temporada pelos Cottagers foi em 2015/16, quando fez 17 gols em 46 jogos, além de sete assistências. No total, foram 64 jogos pelo clube de Londres, com 19 gols marcados. Depois da boa temporada, acertou com o Celtic em 2016, ao final do seu contrato com os ingleses. Saía da segunda divisão inglesa para o Campeonato Escocês.

Com a pesada camisa dos Bhoys, o centroavante decolou. Na sua primeira temporada em verde e branco, marcou 32 gols em 49 jogos, além de nova assistências. Como era de se esperar pelo Celtic, conquistou títulos. Foram três títulos escoceses, duas Copas da Escócia e três Copas da Liga. Deixou a equipe com 94 jogos, 51 gols e 18 assistências no total.

Em 2018, foi contratado para pela primeira vez, enfim, jogador profissionalmente no seu país. O Lyon pagou €22 milhões aos escoceses para levá-lo ao país natal. Na sua primeira temporada pelos Lioneses, foram 20 gols em 46 jogos. Na temporada passada, 2019/20, foram outros 46 jogos e 24 gols. Dois deles no jogo contra o Manchester City, pela Champions League, que classificou o time à semifinal da competição, algo que não acontecia desde a temporada 2009/10, quando caíram para o Bayern de Munique – o que, aliás, aconteceu novamente.

Na atual temporada pelo Lyon, que faz ótima campanha e lidera a Ligue 1, o atacante marcou apenas um gol e está lesionado, com uma fratura no braço. Está previsto que volte em fevereiro e ele passou nos exames médicos feitos pelo Atlético na Universidade de Navarra antes de assinar o contrato. Deixa o Lyon depois de 108 jogos, 45 gols e 13 assistências. Chega para ser uma opção no Atlético, mas que pode se converter em uma boa dupla com Luis Suárez em jogos que seja preciso mais força física no ataque.

Com Dembélé, Simeone tem um jogador que tem explosão, força física e capacidade de abrir espaços dominando a bola e fazendo o pivô. Não é um jogador de 30 gols por temporada, como os melhores centroavantes do mundo, mas é um jogador capaz de produzir muito, ainda mais em um time que trabalha tanto com e sem a bola como é o Atlético. Substitui muito bem o que fazia Diego Costa e pode ser bastante útil ao líder de La Liga. Como é mais do que sabido, ter um elenco competente e com jogadores que possam substituir bem os titulares é algo fundamental. Dembélé pode substituir bem Luis Suárez, quando for necessário, e dá um pouco mais de profundidade ao elenco que Diego Costa já não oferecia.

Para repor a saída de Moussa Dembélé, o Lyon acertou a contratação de Islam Slimani, de 32 anos, que estava no Leicester. Ele chega sem custos ao clube francês, liberado pelos Foxes depois de assumirem o prejuízo em um jogador que não conseguiu render o que se esperava dele. O jogador argelino tem características similares a Dembélé, mas é mais velho. Chega à França depois de decepcionar no Leicester e ter empréstimos a Newcastle, Fenerbahçe e Monaco.