La Liga

‘Não é momento de falar do futuro de Xavi’: Deco disfarça, mas Barcelona está por um fio de demitir treinador

Diretor esportivo do Barcelona, Deco até bancou Xavi depois da goleada sofrida para o Real Madrid, mas discurso é bem diferente comparado ao de meses trás

As críticas e questionamentos sobre o trabalho de Xavi Hernández no comando do Barcelona, que não cessaram mesmo com a sequência de quatro vitórias consecutivas, estão mais fortes do que nunca com a goleada sofrida por 4 a 1 para o grande rival Real Madrid na decisão da Supercopa da Espanha, neste domingo (14). Inevitavelmente, especulações sobre o futuro do treinador passaram a circular pela mídia internacional e redes sociais, mas a diretoria do clube blaugrana segue bancando o ídolo no comando — mesmo que sem a mesma convicção que em outros tempos.

Atual diretor esportivo do Barça, o ex-jogador Deco acabou encarregado de assegurar a permanência de Xavi após a acachapante derrota e não deixou escapar a irritação com as perguntas sobre o futuro do técnico, que está à frente do time catalão desde novembro de 2021.

— Não tem sentido a pergunta. É uma final. Não é hora de falar sobre o futuro de Xavi. Ele tem a confiança do presidente e da direção esportiva. É uma derrota dura que precisa ser discutida, mas não muda nada — declarou o dirigente à Movistar.

O atual discurso de Deco é bem diferente em comparação ao de meses atrás. Em novembro, o diretor esportivo exaltou Xavi, chamando-o de “melhor treinador para o Barcelona”. Na época, o ex-jogador da seleção portuguesa já precisou sair em defesa do treinados depois de uma sequência de duas derrotas (sendo uma de virada para o Real Madrid) em três jogos.

— Não tenho qualquer dúvida de que o Xavi é o melhor treinador para o Barcelona. É o melhor treinador para este projeto, que começou há uns anos. Ele aceitou o desafio de vir num momento importante e é o treinador perfeito para reconstruir tudo o que estamos a tentar reconstruir — afirmou Deco em entrevista ao jornal Sport publicada no meio de novembro.

O Barcelona iniciou a temporada 2023/24 com 13 partidas de invencibilidade, com 10 vitórias e três empates. Desde o revés de virada para o Real Madrid pela 11ª rodada de La Liga, no entanto, foram mais quatro derrotas, dois empates e oito triunfos, sendo sete deles por somente um gol de diferença. Foi a partir de então que começaram as críticas ao trabalho de Xavi.

Xavi reconhece atuação ‘inadmissível', mas se defende

Na entrevista coletiva após receber a medalha de prata da Supercopa da Espanha, Xavi Hernández reconheceu o péssimo desempenho do Barcelona diante do Real Madrid. Destacando negativamente o início de sua equipe, que com dez minutos de partida já perdia por 2 a 0, o treinador confirmou que teve a mesma visão do clássico que os espectadores.

— A forma como entramos no jogo prejudicou-nos muito. Começamos da pior forma possível numa final e também contra o Real Madrid. É inadmissível. Temos estado mal no geral. Não pressionamos bem, não recuperamos bem, não paramos as corridas e não cometemos faltas táticas nas transições, quando eles vivem disso. Os gols saíram de passes nos espaços ganhando as costas e nós sabíamos — declarou o técnico.

Apesar da atuação ruim em um confronto tão importante, Xavi ainda confia no projeto do Barcelona. O antigo meio-campista afirmou estar preparado para o bombardeio de críticas e ressaltou que o clube catalão ainda está vivo em três competições. Atualmente em quarto lugar em La Liga com oito pontos a menos que o líder momentâneo Girona, o time blaugrana também está classificado para as oitavas de final da Champions League, onde enfrentará o Napoli, e enfrentará o modesto Unionistas, da terceira divisão espanhola, na quinta-feira (18) pelas oitavas de final da Copa do Rei.

— Estou preparado para aguentar as críticas. Já houve algumas, mas acredito no projeto e em mim mesmo. E acredito que somos capazes de reverter a situação. Ainda restam três títulos em jogo, que temos que competir — disse Xavi.

Em pouco mais de dois anos à frente do Barça, Xavi Hernández conquistou uma La Liga e uma Supercopa da Espanha. Os dois títulos da temporada passada foram utilizados pelo técnico como justificativa para acreditar em seu trabalho,

— Comigo como treinador, a equipe conquistou títulos há não muito tempo. Hoje não estamos à altura, mas há argumentos. No ano passado, todos nós tivemos que dizer que uma nova era estava começando. Agora, temos que ser autocríticos. Precisamos reiniciar e lutar pelos três títulos restantes — pontuou.

Sob o comando de Xavi, o Barcelona conquistou La Liga e a Supercopa da Espanha na temporada 2022/23 (Foto: Divulgação/FCBarcelona)

Por fim, Xavi ainda comentou que o Barcelona não irá atrás de contratações nesta janela de transferências de janeiro mesmo com a goleada por 4 a 1 para o Real Madrid. O comandante lembrou mais uma vez que o clube não tem condições financeiras para inscrever um reforço de peso.

— Hoje não podemos, já falei outro dia. O clube não pode incorporar ninguém, a situação é essa — concluiu.

Jogadores adotam diferentes discursos

Não foi só o diretor esportivo e o técnico do Barcelona que falaram depois da vexatória derrota no El Clásico e do vice na Supercopa da Espanha. Os jogadores blaugranas também se manifestaram após o duro revés, mas adotando diferentes tons em seus discursos.

A declaração mais condizente com o sentimento do torcedor do Barça neste momento certamente foi o de Robert Lewandowski. No Instagram, o autor do solitário gol da equipe catalã na goleada sofrida foi sucinto ao pedir desculpas.

— Não é um resultado aceitável. As mais sinceras desculpas a todos os culés — disse o centroavante polonês.

Capitão do Barcelona no domingo, Sergi Roberto já foi um pouco mais otimista e, assim como Xavi, lembrou que a temporada não acabou, com outras competições em disputa.

— Espero que esta derrota não nos prejudique. Estamos irritados, mas na quinta-feira há outra competição. Temos que aprender com os erros e com essas derrotas, mas ainda restam outras competições. Vamos sair desta. Confio nesta equipe e temos que continuar — afirmou o lateral-direito.

Por fim, Frenkie de Jong foi quem menos pareceu entender o que significa uma goleada para o maior rival em uma final. Apesar de reconhecer a superioridade do Real Madrid, meio-campista holandês negou que o Barcelona esteja em um momento ruim já que a equipe vinha de quatro vitórias consecutivas.

— Não chegamos num mau momento, porque acabamos de vencer quatro jogos consecutivos. Acho que não é um mau momento, mas hoje eles foram melhores, superiores e mereceram vencer. Temos que recuperar, conseguir subir e, acima de tudo, melhorar muito — pontuou De Jong para Movistar.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo