La Liga

Alonso lembra duelos com Messi: “Só começamos a controlá-lo quando eu o estava marcando”

Uma das grandes rivalidades de tempos recentes no futebol europeu foram os conflitos entre o Barcelona de Guardiola e o Real Madrid de José Mourinho. Enfrentaram-se pelo Campeonato Espanhol, obviamente, e até na Champions League. Xabi Alonso, em entrevista ao site Ecos del Balón, republicada pelo Marca, lembrou desses duelos e de como era encarar Messi naquela época. Contou como os merengues conseguiram lidar melhor com o argentino.

LEIA MAIS: Vem aí o professor Xabi Alonso: ex-jogador anuncia que será treinador

“Messi causou muitos danos a mim. Eu, Mourinho e Sergio Ramos conversávamos muito sobre ele. Só começamos a controlar Messi quando eu o estava marcando. Sacrificamos posições para que eu o marcasse, mas, uma vez que controlamos Messi, as partidas foram equilibradas”, disse.

Alonso citou a goleada por 5 a 0, no fim de novembro de 2010, como o ponto de inflexão. A partir dessa partida, o Real Madrid mudou sua maneira de competir contra o grande rival. E, apesar de os catalães ainda terem levado a melhor, os jogos foram de fato mais parelhos.

“O famoso 5 a 0 mudou muita coisa. Naquela época, não estávamos prontos para competir. Um ano depois, estávamos. O Barcelona foi dominante, mas, no fim de 2011, sabíamos que poderíamos atacar qualquer um em quatro movimentos”, explicou.

Alonso foi campeão europeu sob o comando de Carlo Ancelotti e, em seguida, foi trabalhar com Pep Guardiola no Bayern de Munique, clube pelo qual encerrou a carreira, aos 36 anos. “Nós jogávamos no campo do adversário durante 90 minutos. Eu não cobria tanta distância e me mantinha na minha posição. Isso foi incrível para mim, aprendi muito”, encerrou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo