A Espanha não está entre os países europeus que possuem climas mais severos no inverno. Ainda assim, jogos sob nevasca não são completamente raros na história do futebol local. A rodada deste final de semana, sob o frio congelante da Tempestade Filomena, deve garantir algumas partidas disputadas sobre o gelo em La Liga. E entre as histórias do passado, talvez o duelo mais importante realizado na Espanha em tais condições intensas valeu pela antiga Copa dos Campeões. Athletic Bilbao e Manchester United se encararam num campo esbranquiçado pela neve. Apesar da temperatura baixíssima, quem compareceu às arquibancadas do velho San Mamés certamente não se decepcionou, com a vitória dos Leones por 5 a 3.

Naquele momento, o Athletic Bilbao contava com uma de suas maiores gerações, responsável por desbancar times fortíssimos de Real Madrid e Barcelona para conquistar La Liga em 1955/56 – além de completar o doblete naquela temporada com a Copa do Rei. O craque do time era Piru Gaínza, atacante mítico do esquadrão bilbaíno nos anos 1940 e que caminhava ao final de sua carreira. O zagueiro Jesús Garay, o goleiro Carmelo Cedrún e o atacante Eneko Arieta eram outras figuras notáveis daqueles tempos. Já o técnico Ferdinand Daucik, cunhado de László Kubala, fez história no clube e treinou alguns dos times mais importantes do país.

O Manchester United não ficava muito atrás em peso histórico. Os Red Devils sobraram no Campeonato Inglês de 1955/56, sem dar chances a times importantes da época, como Wolverhampton e Blackpool. Matt Busby vivia o ápice de seus Busby Babes, que faturariam também o bicampeonato nacional. Bill Foulkes e Dennis Viollet eram dois destaques naquele time, no qual Bobby Charlton começava a despontar. Além disso, vários dos jogadores falecidos no Desastre de Munique estiveram presentes no confronto com o Athletic Bilbao, incluindo Duncan Edwards, considerado o craque do United naquele momento.

Para chegar às quartas de final da Champions, o Athletic Bilbao começou a campanha eliminando o Porto. O grande feito, de qualquer maneira, aconteceu nas oitavas contra o fortíssimo Honvéd. Aqueles foram os últimos jogos oficiais do clube com Ferenc Puskás, Sándor Kocsis e Zoltán Czibor, craques que logo depois se refugiariam na Espanha. Por conta da Revolução Húngara, os magiares precisaram mandar o jogo de volta da Champions em Bruxelas. Assim, após a vitória por 3 a 2 em San Mamés, o empate por 3 a 3 em Heysel classificou os bascos. Já o Manchester United começou despachando o Anderlecht, com direito a uma goleada por 10 a 0 em Maine Road, incluindo quatro gols de Viollet. Depois, com mais aperto, os Red Devils superaram o Borussia Dortmund nas oitavas de final.

Sob grandes expectativas, Athletic Bilbao e Manchester United se enfrentaram no primeiro jogo em San Mamés. A neve castigou o campo naquele 16 de janeiro, em pleno inverno, mas não provocou o adiamento da partida. Os atletas precisaram se virar em meio ao chão escorregadio e às dificuldades para conduzir a bola. Mesmo assim, os gols não faltaram no País Basco. Depois de abrirem ótima vantagem no primeiro tempo, os Leones venceram por 5 a 3.

Logo aos dois minutos, Ignacio Uribe finalizou na saída do goleiro Ray Wood para inaugurar o marcador. O próprio Uribe ampliou aos 28, numa confusão dentro da área inglesa. Já o terceiro seria de Félix Marcaida, concluindo de cabeça uma cobrança de escanteio. Na volta ao segundo tempo, o Manchester United reagiu com dois gols em dez minutos. Tommy Taylor marcou o primeiro e Viollet ampliou. O Athletic acordou para fazer o quarto com Armando Merodio e, depois, José Artexte concluiu uma boa troca de passes para fazer o quinto. Por fim, Liam Whelan chamou a marcação para dançar e anotou um golaço, descontando novamente aos 40. Fim de contagem numa tarde bastante animada em San Mamés.

Depois do jogo, Matt Busby declarou que o estado do gramado limitou as possibilidades do United: “Foi um bom encontro, de excelente futebol por parte do Athletic. O Manchester United não pôde exibir tudo o que sabe devido ao estado do campo”. Já o capitão Gaínza elogiou a qualidade do time adversário, sem se empolgar tanto com a vitória de seu time: “Os jogadores ingleses são muito bons, me entusiasmaram. Será muito difícil a classificação, já que eles são extraordinários e serão perigosíssimos em Manchester, tentando ganhar a todo custo a passagem para as semifinais. De toda forma, faremos o possível”.

Apesar da vantagem construída na Espanha, o Athletic Bilbao acabaria eliminado na visita à Inglaterra. O Manchester United reverteu a desvantagem com a vitória por 3 a 0 em Maine Road. Viollet abriu o placar aos 42 minutos. Tommy Taylor ampliou aos 25 do segundo tempo, em tento que ia forçando uma partida de desempate. Já o terceiro, da classificação, seria anotado por Reginald Berry a cinco minutos do fim. Um detalhe é que o goleiro Carmelo Cedrún precisou atuar machucado em parte do tempo, após tomar uma pancada no joelho, já que a Champions não permitia substituições. Na semifinal, o United voltaria à Espanha para enfrentar o Real Madrid, mas não seria capaz de superar o esquadrão de Alfredo Di Stéfano, rumo ao bicampeonato continental naquela temporada. E mesmo sem definir o destino de um dos finalistas, aquela batalha na neve em San Mamés ficou para a história.