Copa do Rei

Polícia espanhola detém agressor de Jordán no Betis x Sevilla; homem de 29 anos tem antecedentes criminais

A polícia espanhola prendeu o homem responsabilizado por atirar a barra de PVC que atingiu Joan Jordán durante o último Betis x Sevilla, pela Copa do Rei. O torcedor bético foi detido por desordem pública e pelas lesões causadas no jogador sevillista. Jordán foi atingido na cabeça pelo objeto que veio das arquibancadas do Estádio Benito Villamarín e passou a noite de sábado em observação, por causa de um traumatismo crânio-encefálico. O meio-campista se recupera sem sequelas.

Conforme a polícia espanhola, o homem detido tem 29 anos e, depois de prestar esclarecimentos, ganhou liberdade condicional. O autor da agressão responderá não apenas pela lesão e pela desordem, mas também por uma infração na Lei do Esporte local. O agressor possui antecedentes criminais, inclusive. Já respondeu por maus tratos, lesão corporal e roubo com uso de força.

Por conta da agressão, o jogo acabou suspenso no sábado. No entanto, em vez de aplicar uma punição cabível, a federação espanhola resolveu retomar o clássico no domingo com portões fechados. A queixa do Sevilla era óbvia, pela maneira como o clube foi prejudicado e ainda precisou voltar a campo sem Joan Jordán. O Betis conquistou a vitória por 2 a 1 e garantiu a classificação na Copa do Rei. Os sevillistas ainda reclamaram das provocações feitas pelos jogadores beticos em relação ao incidente.

Jordán, por sua vez, realizou uma série de exames no hospital em Sevilha e seguiu o protocolo médico devido ao impacto no crânio. Os resultados apontaram um traumatismo, mas o atleta acabou liberado para se recuperar em casa. Permaneceu em observação, para determinar se existia algum sintoma alarmante. Nesta terça, o técnico Julen Lopetegui afirmou que o meio-campista estará à disposição para o jogo contra o Valencia nesta quarta, pelo Campeonato Espanhol.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo