Copa do Rei

5 fatos curiosos sobre o Athletic Bilbao, finalista da Copa do Rei

Um dos mais tradicionais clubes da Espanha busca chegar mais perto do Barcelona como grande vencedor da competição

Fundado em 18 de julho de 1898, o Athletic Club é um dos clubes mais antigos e históricos da Europa. Com sede na cidade de Bilbao, no País Basco, na Espanha, Los Leones ostentam uma das torcidas mais fiéis do continente, com seu estádio, chamado San Mamés, atraindo entusiastas do futebol de todo o mundo nos dias de jogo. Nesta temporada, chegou a mais uma final de Copa do Rei.

Desde sua política única basca até a história por trás do nome de seu estádio, aqui estão cinco coisas que você pode não saber sobre o Athletic Club que o La Liga ContentHub separou:

O motivo curioso pelo qual o Athletic Club usa uniformes vermelhos e brancos

No final do século XIX, os bascos foram apresentados ao futebol por trabalhadores britânicos, bem como por locais que retornaram de seus estudos no Reino Unido. As camisas originais totalmente brancas do Athletic Club foram substituídas por camisas azuis e brancas quando Juan Moser, um descendente irlandês que vivia em Bilbao, presenteou os uniformes à equipe em 1902, antes de embarcarem em sua campanha vitoriosa na Copa de la Coronación, antigo nome da Copa do Rei.

Sete anos depois, o jogador e membro do conselho Juan Elorduy recebeu a tarefa do clube de trazer um conjunto de camisas azuis e brancas de sua viagem à Inglaterra. Incapaz de encontrar essas cores, Elorduy, na época em Southampton, avistou os uniformes vermelhos e brancos do time local. Considerando que eles correspondiam às cores da bandeira oficial de Bilbao, ele comprou várias camisas e as trouxe de volta à cidade basca de ferry. O conselho aprovou a mudança de cores e, a partir desse ponto, o Athletic Club tem usado a icônica camisa colorada.

A política dos jogadores bascos

Orgulhosos de sua identidade, o Athletic Club recebe elogios pela “política de jogadores bascos”. Em 1912, Los Leones estabeleceram uma regra de escalar em suas partidas apenas jogadores que nasceram ou foram criados no País Basco.

“A filosofia esportiva do clube é regida por um código que estabelece que o Athletic Club só pode escalar jogadores que passaram por sua própria academia ou pelas academias de outros clubes no País Basco, ou jogadores que nasceram nos seguintes territórios que constituem o País Basco: Biscaia, Gipuzkoa, Álava, Navarra, Labourd, Soule e Baixa Navarra”, explica o site oficial do clube.

Essa filosofia é bastante única no futebol europeu, com o Athletic Club sendo elogiado por conseguir competir no mais alto nível usando apenas jogadores que abraçam os valores do clube, incluindo jovens promovidos da famosa academia de Lezama.

Um dos clubes espanhóis mais bem-sucedidos

Dada sua política de jogadores bascos, você pode presumir que o Athletic Club teria dificuldades para competir por grandes troféus, certo? No entanto, Los Leones são o terceiro clube mais bem-sucedido da Espanha em termos de títulos domésticos conquistados. Na verdade, apenas o Barcelona (31) ganhou mais títulos da Copa do Rei do que o Athletic Club (23), que também comemorou oito triunfos em La Liga (1929/30, 1930/31, 1933/34, 1935/36, 1942/43, 1955/56, 1982/83 e 1983/84). Os bascos conseguiram alcançar isso sem nunca terem sido rebaixados para a segunda divisão do futebol espanhol. Juntamente com Real Madrid e Barça, forma o trio de equipes que nunca foram rebaixadas para a segunda divisão.

A história por trás do nome San Mamés

O nome do estádio do Athletic Club é San Mamés e há uma rica história enraizada neste nome. Sua verdadeira origem remonta ao martírio de Mamés (Mammes) no Império Bizantino. Nascido por volta de 259 em Cesareia, Capadócia, Mammes tornou-se conhecido por sua fé cristã devota e atos de caridade, apesar de enfrentar perseguição e tortura. Diz a lenda que ele conseguiu pacificar vários leões após ser jogado para eles pelos romanos. Ele morreu em 275 e a devoção a ele se espalhou globalmente, com um santuário para Mammes estabelecido em Bilbao até 1447. Este santuário eventualmente evoluiu para o asilo de San Mamés, ao lado do qual o icônico estádio de San Mamés foi inaugurado em 1913. Na verdade, tanto o estádio da equipe (San Mamés) quanto seu apelido (Los Leones) foram introduzidos para homenagear o mártir. Conhecido como “A Catedral”, um novo estádio foi reconstruído no mesmo local e reaberto em 2013, e o local com capacidade para 53.000 pessoas ganhou múltiplos prêmios.

Adversários prestam homenagem a Pichichi

Nascido em Bilbao em 23 de maio de 1892, Rafael Moreno Aranzadi, conhecido como Pichichi, liderou sua equipe para quatro troféus da Copa do Rei, além de cinco campeonatos regionais. Tendo marcado impressionantes 83 gols em 89 jogos, ele era considerado um dos artilheiros mais prolíficos do futebol espanhol na época. Após sua morte, o clube decidiu homenageá-lo construindo uma estátua de Pichichi, que foi concluída em dezembro de 1926. Um mês depois, os jogadores do MTK Budapest, da Hungria, colocaram um buquê de flores ao lado da estátua antes do início de sua partida amistosa contra o Athletic Club. A partir desse momento, o gesto se tornou uma tradição e os capitães das equipes que jogam em San Mamés pela primeira vez prestam homenagem à lenda do Athletic Club colocando flores ao lado da estátua. Para homenageá-lo, o jornal esportivo espanhol MARCA também concede o Troféu Pichichi ao artilheiro principal da La Liga a cada temporada desde 1952/53.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo