Copa do Mundo

Walker confia que consegue parar Mbappé: “É mais fácil falar do que fazer, mas não subestimo a mim mesmo”

Lateral direito da Inglaterra, Walker já enfrentou Mbappé algumas vezes na Champions League e agora terá a missão de fazer isso na Copa do Mundo

Qualquer lateral direito que tenha que enfrentar Kylian Mbappé fica preocupado. Não é diferente com Kyle Walker, que é o titular da posição na seleção inglesa que enfrentará a França no sábado, dia 10, pelas quartas de final da Copa do Mundo. Walker, do Manchester City, é um jogador experiente, muito forte fisicamente e foi apontado por Matty Cash, lateral da Polônia, como alguém capaz de parar o francês.

“Eu entendo o que preciso fazer e é pará-lo”, afirmou Walker. “É mais fácil falar do que fazer, mas não subestimo a mim mesmo. Joguei contra grandes jogadores no Manchester City e na Inglaterra, trato isso como outros jogos, tomo um cuidado extra e dou a ele o respeito que ele merece, mas não respeito demais, porque ele está jogando contra a Inglaterra e podemos causar problemas a eles. O jogo não é Inglaterra contra Mbappé. O jogo é Inglaterra contra França”.

Não será um confronto novo para Kyle Walker. O jogador já enfrentou Mbappé quatro vezes na Champions League pelo Manchester City. “Obviamente isso sempre ajuda, porque eu joguei contra ele algumas vezes com o Manchester City”, disse.

“Ele é um jogador fantástico e em grande fase, mas não vou estender o tapete vermelho para ele e dizer para ele avançar e fazer o gol. É matar ou morrer. Se perdermos, voltamos para casa. Ele não irá ficar no meu caminho e espero ganhar uma Copa do Mundo para o meu país”.

“Não será uma tarefa fácil, mas, como jogador profissional, você quer jogar contra os melhores e acho que ele é um dos melhores, se não o melhor do mundo no momento”, continuou o lateral inglês.

“Não estamos jogando tênis, não é um esporte individual. É preciso um time para vencer um jogo de futebol. Eles têm que se preocupar conosco. Não somos apenas nós que nos preocupamos com eles. Temos grandes jogadores e grandes jogadores podem vir do banco para mudar o jogo”, afirmou o lateral.

“Crédito total para jogadores como Marcus Rashford e Jack Grealish, que vieram do banco e fizeram gols. Bukayo [Saka] tem estado muito bem. Harry [Kane] fez o seu gol agora. Temos conseguido gols de todos os pontos do campo. Posso dizer que o treinamento é duro marcando alguns desses caras. Você pode jogar contra os melhores no mundo, mas temos alguns deles no nosso vestiário”, disse um confiante Walker.

Para o jogador do Manchester City, não importa quem seja o favorito para o confronto. “Favorito ou não, é um jogo de futebol. Temos que tirar nossos chapéus para eles. Eles são campeões do mundo. Mas posso garantir a vocês que cada um de nós não irá estender um tapete vermelho para eles entrarem e jogarem, pensando que é um teatro para eles mostrarem seu grande talento. Também temos grande talento”, disse.

Apesar de todos os pontos levantados por Walker sobre o jogo ser coletivo ser verdadeiro, a conversa voltava para Mbappé, que tem sido um dos grandes destaques da Copa. Há uma certa preocupação pelo fato de Walker ter começado a Copa machucado e ser recuperado, ainda talvez não no melhor da sua forma. Ainda assim, ele foi bem e, aos 32 anos, espera usar a sua experiência para marcar Mbappé.

“Você tem que usar um pouco a cabeça. Você não pode ser uma lancha sem um piloto. Você precisa usar o cérebro quando necessário e não posso ficar tão perto dele quanto ficaria com outros jogadores. Lembro de jogar contra Theo Walcott uma vez e eu estava ficando muito perto de ele, então de repente ele avança nas suas costas e essa é uma lição aprendida”, continuou.

“Você precisa garantir que os erros que você comete não sejam erros que custem caro. Quem quer que jogue na lateral direita, ele levará a melhor sobre você uma, duas, três vezes no jogo. Ele é um grande jogador. Você precisa fazer com que essas situações aconteçam o mínimo possível e que não custem caro”, avaliou.

Inglaterra x França se enfrentam no sábado, dia 10, às 16h, horário de Brasília.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo