Eliminatórias da Copa

Diniz não vai abrir mão de seu estilo — mesmo que isso signifique nova derrota para Seleção

Treinador único no modo de agir, pensar e escalar equipes no Brasil, Fernando Diniz não se preocupa com resultados nem mesmo na Seleção, mas sim em ter sua voz mais ouvida

Os resultados nunca moveram Fernando Diniz. Desde o Votoraty até a Seleção Brasileira, o treinador coloca muitas outras coisas à frente do placar de um jogo de 90 minutos. Em entrevista recente após o título da Libertadores pelo Fluminense, o técnico já detalhara o tema que agora prova ao manter seu estilo mesmo com a pressão nas Eliminatórias.

Contra a Argentina, Diniz escala a Seleção com quatro atacantes — como aliás fez também pelo Flu na campanha do título da Libertadores.

— A minha maneira de pensar o futebol não é departamentalizando o jogo: a defesa fica atrás, o meio de campo fica no meio, e o ataque fica na frente. É um jeito muito mais orgânico, mais junto, todos os jogadores têm que jogar de maneira coesa para a coisa funcionar de maneira mais efetiva — resumiu Diniz, em sua coletiva na segunda (20).

Seleção de Fernando Diniz precisa quebrar tabu contra a Argentina para voltar a vencer e afastar pressão nas Eliminatórias da Copa do Mundo - Foto: Joilson Marconne/CBF
Seleção de Fernando Diniz precisa quebrar tabu contra a Argentina para voltar a vencer e afastar pressão nas Eliminatórias da Copa do Mundo – Foto: Joilson Marconne/CBF

O Brasil de Fernando Diniz vai a campo enfrentar a Argentina, às 21h30 (de Brasília) no Maracanã com: Alisson, Emerson Royal, Marquinhos, Gabriel Magalhães e Carlos Augusto; André e Bruno Guimarães; Raphinha, Rodrygo, Gabriel Jesus e Gabriel Martinelli.

Brasil
21/11/23 - 21:30

Finalizado

0

-

1

Argentina

Brasil - Argentina

South America – Copa do Mundo Qualifying - Maracana

6° Turno

Nem Messi muda ideias de Fernando Diniz na Seleção

O que permeia sua trajetória, como ele mesmo narra, “não é uma bola que entra ou não”. Fiel à filosofia que passou a levar seu nome, o treinador da Seleção não mudará contra a campeã da Copa do Mundo no Maracanã. Nem por Lionel Messi.

– O Messi mexe. O futebol não é isso, os encaixes e a coesão é que vão favorecer ou não no decorrer do jogo. Não tem como não se preocupar com um jogador desse tamanho. E a gente tem que jogar. Não fugir das características e ao mesmo tempo tentar conter toda a capacidade de criação que ele possui.

Messi, o maior jogador de sua geração, tem o respeito de Fernando Diniz, mas não o temor - Foto: Icon sport
Messi, o maior jogador de sua geração, tem o respeito de Fernando Diniz, mas não o temor – Foto: Icon sport

Pressão e cargo interino na Seleção não preocupam Diniz

Outra frase comum em coletivas de Fernando Diniz é: “não me apego ao cargo”. Quando aceitou o convite da CBF para ser técnico da Seleção Brasileira, manteve seu emprego no Fluminense, abraçou os dois projetos e acabou campeão da Libertadores.

— Tinha um monte de gente esperando acontecer alguma coisa. Quando eu recebi o convite, eu sabia a responsabilidade que era, mas também a grande honra que era. Uma coisa que não gosto é que quem tinha uma opinião tem que manter a opinião. Tem que ter colhão para manter. Se você ganha a pessoa muda opinião, uma vida tão sem graça, uma vida que não quero para os meus jogadores.

Fernando Diniz com Endrick na Granja Comary: preocupação do treinador vai bem além de resultados - Foto: Icon sport
Fernando Diniz com Endrick na Granja Comary: preocupação do treinador vai bem além de resultados – Foto: Icon sport

Agora, embora não queira provar nada como treinador do Brasil, Diniz tampouco está preocupado. Nem mesmo um provável último jogo à frente da Seleção, que tem acerto com o italiano Carlo Ancelotti, de acordo com a CBF, o incomoda.

— Estou muito bem. Eu não fico pensando que é o último jogo. Para mim, é o grande jogo, os dias que tenho para treinar é o que tenho para fazer o melhor possível. Minha conexão com o presidente é muito boa, sinceridade desde o primeiro momento. Tenho que fazer o melhor que posso. Desafio está posto, oportunidade muito grande. Todo mundo sonha estar na Seleção. Para mim é um grande desafio, me sinto bastante feliz e honrado.

O Dinizismo, para Fernando Diniz, vai muito além do resultado

Embora viva um sonho, Fernando Diniz prefere deixar tabelas e placares de lado. Para ele, o importante é que os jogadores vivam um futebol melhor, e que as pessoas sejam mais respeitadas.

Fernando Diniz abraça John Kennedy após o título da Libertadores do Fluminense: treinador tem relação especial com heroi da final - Foto: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C
Fernando Diniz abraça John Kennedy após o título da Libertadores do Fluminense: treinador tem relação especial com heroi da final – Foto: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C

O técnico rotineiramente chama o esporte de “máquina de moer gente”, e seu maior desejo não é uma taça. É que suas ideias possam ganhar mais voz e o futebol, como um todo, melhore.

– O que eles chamam de Dinizismo, enquanto eu estiver trabalhando vou continuar seguindo minhas convicções. Minha maior convicção é fazer tudo pelos jogadores.

Após quebrar um tabu negativo e ser o primeiro comandante a perder dois jogos seguidos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, Diniz se mantém fiel às suas ideias. Por isso, uma nova derrota – que ampliaria a marca ruim – não modifica o que o técnico pensa sobre o futebol.

– Não é ganhar a Libertadores que vai fazer de mim melhor ou pior. Trabalho muito e amo o que faço. Procuro ser um excelente marido, um excelente pai de família e um excelente amigo. Esses são meus maiores títulos, e o futebol precisa mais disso. Se não tivesse vencido, eu ia continuar trabalhando para ganhar numa próxima vez. Os campeonatos acabam e a vida continua. Campeão é quem melhora constantemente e consegue suplantar as críticas fáceis. Quem sabe o que se passa está dentro, quem está fora vê miragem. A gente fica nesse lenga lenga de rotular pessoas fracassadas, esse conceito. É quase o mesmo de quem tem dinheiro é bem sucedido e quem não tem não vale – opinou, logo após conquistar a Libertadores da América pelo Fluminense.

Foto de Caio Blois

Caio BloisSetorista

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo