Brasil

Zinho: “Patrícia Amorim é muito ética e sempre me ajudou”

Zinho é um dos caras mais bacanas com que convivi no futebol. Quando estava no Palmeiras, a gente conversava bastante e ele sempre demonstrou, além de jogar futebol, entender muito o jogo. Explicava posicionamentos táticos e sempre era um bom entrevistado. Em campo, era fácil perceber que ele realmente entendia o jogo. Sabia ser driblador, sabia compor o meio, sabia lançar. Que eu me lembre apenas Muller fez tantas coisas tão bem. A diferença é que Muller fazia cada coisa em seu tempo. No São Paulo era driblador, no Palmeiras virou armador… Zinho, não. Em um único jogo, exercia várias funções. Foi muito injustiçado na Copa de 94 por exercer o que Parreira pediu dele. Os críticos queriam um Garrincha na ponta-esquerda? Nem no Palmeiras Zinho era isso. Hoje, é diretor de futebol do Flamengo e luta para dar jeito em um dos clubes que defendeu como jogador.

O que é mais difícil, substituir Zico em campo ou como dirigente?

É difícil responder isso porque não vivi nenhuma das duas situações. Como jogador de futebol, tive a honra de atuar junto com Zico, não o substitui. E como dirigente, eu entrei no lugar de Luiz Augusto Velloso e não no lugar do Zico. O Velloso saiu no ano passado, o cargo ficou sem ninguém e depois eu entrei. O Zico é meu ídolo, minha referência como craque e como pessoa, mas infelizmente sua passagem não deu certo no Flamengo. Eu não convivi com ele nesta função e não posso falar nada.

A candidatura de Patrícia Amorim para a Câmara dos Vereadores atrapalhou o seu trabalho?

De maneira alguma. Ela soube separar as coisas e não me pediu, em nenhum momento, que ajudasse ou fizesse alguma coisa que ajudasse a campanha dela. Ela é muito ética e não pediu para usar minha imagem. Nunca foi à concentração falar sobre campanha, nunca falou com os jogadores sobre eleição. Garanto que nunca me atrapalhou e sempre me ajudou no trabalho que faço no Flamengo

Mas a base vai ser com jogadores caros ou gente nova como Adrian, Thomas e Mateus vai continuar tendo chances?

Ah, as duas coisas. Os meninos continuarão a ter oportunidades, é claro.

Em 1994, a Seleção era muito criticada e vocês se uniram, entravam em campo de mãos dadas. Você fala com os jogadores sobre essa experiência, para ajudar o grupo a reagir?

Olha, eu não faço o trabalho de todos não. Quando estou no vestiário, converso individualmente com os jogadores, mas não falo de 1994. Falo da minha vida toda e digo que a questão é coletiva e não individual.

Em 1994, você comemorou com o Bebeto o nascimento do Mateus, filho dele. Como é agora ser diretor do garoto?

É normal. A vida continua e você vai mudando suas funções. Sempre quis trabalhar no futebol e fui jogador, técnico e agora dirigente. O Mateus é um menino muito bom, educado mas eu o trato como apenas mais um. E ele quer que seja assim. Não fica usando o nome do pai para conseguir algum privilégio.

O que acha dos campeonatos regionais?

A torcida gosta, mas não é rentável. Não dá prejuízo também. Talvez fosse melhor diminuir o prazo dos campeonatos, mas acabar não porque tem muitos times menores que empregam jogadores nesse período. Cumpre até essa função social. E são charmosos.

O Neymar deveria jogar na Europa?

Ele é um jogador diferenciado, o maior jogador que atua no Brasil. Ele dá espetáculo, é gostoso ver o menino jogar. Ele não precisa sair do Brasil para construiu sua carreira. Mas eu acho que ele poderia ir para a Europa depois da Copa. Aí, ele já teria terminado um ciclo e poderia buscar novas conquistas. É jogador para brilhar no Real ou no Barcelona.

Aceitaria trabalhar em outro clube que não o Flamengo?

Eu sou um profissional. Trabalhei para isso e, se estiver livre, posso trabalhar, sim.

O apelido de enceradeira ganho na Copa de 94 ainda incomoda?

Ah, isso de novo? O povo me chama de campeão e não de enceradeira. O que aconteceu ali foi um novo esquema tático, com meias atuando pelo lado do campo. Mas muita gente que acompanha futebol, que gosta de futebol e que ganha a vida comentando futebol não entende de futebol.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo