Brasil

São Paulo amplia receita ao fechar acordo com gigante de shows dos EUA, que mexe com caixa de Palmeiras e Corinthians

Clube tricolor tem feito trabalho intenso na reta final do ano para ampliar geração de receitar e reforçar a equipe

As notícias que vêm do Morumbi nessa reta final de 2023 são muito boas para o São Paulo. No campo, o clube está perto de anunciar a permanência de Lucas e contratou o meia Bobadilla. No caixa, novas receitas estão engatilhadas para ampliar o poder de fogo tricolor no mercado.

A novidade mais recente é a parceria do clube com a gigante norte-americana do showbusiness Live Nation. O São Paulo fechou um acordo de exclusividade para que o Estádio do Morumbi receba os eventos organizados pela empresa nos próximos cinco anos.

A informação foi inicialmente divulgada pela jornalista Monica Bergamo, no jornal Folha de São Paulo, e confirmada pela reportagem. O contrato dará ao São Paulo, aproximadamente, R$ 60 milhões ao longo dos cinco anos para cessão do Morumbi – há ainda uma receita variável a ser aferida em cada show, de vendas de produtos nos dias dos eventos.

A parceria vai para votação no Conselho Deliberativo do clube, e o martelo deve ser batido em janeiro. Além de gerar novas receitas para o São Paulo, a parceria afeta Palmeiras e Corinthians, que devem ver Allianz Parque e Neo Química Arena receberem menos shows.

Na realidade, a questão até deveria ser um problema maior para o Palmeiras, já que o clube, por contrato, tem direito a percentuais dos ganhos com shows no Allianz. Mas, como a WTorre vem dando calote no Alviverde, esse dinheiro é uma renda que o clube só verá no futuro, depois de decisão judicial.

Assim, no presente, e na prática, o clube vai passar a correr menos riscos de ver seu estádio impedido para futebol por conta de shows, graças ao acordo do Morumbi.

Cerca de R$ 58 milhões por ano a mais

Além da Superbet, que deve fechar para ser o patrocínio-máster do clube, o São Paulo tem encaminhado um acordo com a multinacional norte-americana Mondeléz, para ceder os naming rights do Morumbi por um valor entre R$ 25 milhões e R$ 30 milhões.

Se o acordo acontecer, o estádio tricolor passsaria a se chamar “Morumbis”, em alusão ao chocolate Bis, que está no portifólio da companhia.

Assinados os dois contratos, o clube tricolor incrementaria suas receitas anuais em cerca de R$ 58 milhões. Isso porque, hoje, a Sportsbet.io paga R$ 24 milhões por ano ao São Paulo – R$ 28 milhões a menos que o novo patrocinador. E o clube, atualmente, não tem qualquer acordo de naming rights.

Gigante do entretenimento com pé no esporte

A Live Nation é responsável pelas turnês de atrações dos portes de U2, Coldplay, Madonna e Metallica, que tocaram no Morumbi recentemente. E, como acionista da Roc Nation, indiretamente gerencia a carreira de jogadores como Vinícius Júnior e Endrick, entre outros.

Os dois jogadores do Real Madrid são clientes da brasileira TFM, que tem a Roc Nation Sports como uma de suas sócias. É por meio desta subsidiária que ela atua também no futebol.

De acordo com o grupo Máquina do Esporte, a Live Nation deve encerrar o ano de 2023 com mais de US$ 12 bilhões em faturamento. A empresa é dona da Ticketmaster, uma das maiores empresas de bilheteria do mundo

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo