Brasil

País para o envio do dinheiro vira novo impasse entre Santos e Bustos pelo fim do transfer ban

Santos pretende quitar a pendência com Bustos por meio de pagamento à vista, mas destino do dinheiro vira entrave

O imbróglio envolvendo o Santos e o técnico Fabián Bustos pela o pagamento da dívida de R$ 4,1 milhões e, consequentemente, a queda do transfer ban imposta pela FIFA segue em andamento. Agora devido à conta bancária onde o depósito precisa ser feito. O Peixe quer quitar a pendência transferindo o valor à vista para uma antiga conta do treinador no Brasil, enquanto Bustos quer o dinheiro em uma instituição financeira no Equador, país onde tem residência, apesar de ser argentino e estar trabalhando no Peru. Ocorre que isso se configuraria uma remessa internacional de valores e, de acordo com o apurado pela Trivela, representaria um acréscimo de R$ 700 mil às despesas alvinegras.

Ainda de acordo com as informações obtidas pelo site, esse impasse vem sendo debatido desde o início da semana, mas as partes não conseguem chegar a um desfecho. A situação é prejudicial ao Santos pensando em novas contratações.

Como o transfer ban só deixará de valer após alguns processos burocráticos e a FIFA confirmar o recebimento do valor com Bustos, o Peixe vê o tempo para aproveitar as duas últimas semanas desta janela de transferências se encurtar. O mercado para aquisição de novos jogadores fica aberto até 7 de março. Além disso, o time da Vila Belmiro tem até o dia 15 de março para inscrever novos atletas na fase eliminatória do Paulistão.

Como o Santos pagaria Bustos no Brasil?

Além de ter comandado o Santos em 2022, Bustos trabalhou no América-MG entre agosto e novembro do ano passado. Por isso, tinha conta aberta em uma instituição bancária brasileira. Essa conta, no entanto, teria sido fechada assim que o treinador deixou o país.

Diante do acréscimo de despesa para depositar os R$ 4,1 milhões por meio de uma remessa internacional, o Santos insiste que pretende resolver a pendência à vista por meio de um banco brasileiro. O treinador, por sua vez, que está no comando do Universitário, do Peru, segue decidido a não oferecer qualquer facilidade ao Peixe e exige o recebimento na sua conta bancária fixa, que está aberta no Equador.

As conversas continuam, mas com as partes já disputando uma verdadeira queda de braço para ver quem sai por cima.

Qual é dívida do Santos com Bustos?

Demitido do Santos em julho de 2022 após a vexatória eliminação nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, Bustos, atualmente no comando do Universitário, do Peru, recorreu à entidade máxima do futebol, em março do ano passado, cobrando a ruptura do vínculo mais direitos de imagem. Ao todo, o argentino pedia cerca de US$ 1,2 milhões (pouco menos de R$ 6 milhões).

Santos tentou quitar pendência em 10 parcelas

No julgamento da ação, a FIFA e o CAS decidiram por reduzir o valor da indenização ao técnico para R$ 4,1 milhões. Irritado com o clube, Bustos seguiu decidido a manter a queixa até receber o montante à vista.

Ainda conforme as informações obtidas pelo site, logo após o Santos ser comunicado da punição, o presidente Marcelo Teixeira entrou em contato com o treinador para conversar sobre o parcelamento da dívida. O plano era de pagar o valor integral em dez prestações. Nos primeiros contatos, Bustos manteve a sua decisão e recusou a oferta santista.

Enquanto isso, Brazão e Jorge só treinam

Diante da punição, o Alvinegro não pode registrar o goleiro Gabriel Brazão, contratado da Internazionale após o pagamento de um valor simbólico para a sua liberação, e do lateral-esquerdo Jorge.

O goleiro chegou ao clube no início do mês, já treina com o elenco no CT Rei Pelé, mas segue indisponível para o técnico Fábio Carille, que pediu a sua contratação. A ideia do treinador é ter alguém em boas condições para fazer sombra ao titular João Paulo.

O mesmo ocorre com o lateral-esquerdo Jorge, que teve o seu contrato de empréstimo renegociado com o Palmeiras e, por conta das tratativas, o seu registro foi postergado. Quando a situação foi resolvida, o Peixe já havia sido punido pela FIFA e o jogador não pôde ser inscrito no Paulistão.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Bruno Lima nasceu em Santos (SP) e se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Santos (UniSantos) em 2010. Antes de escrever para Trivela, passou por A Tribuna.
Botão Voltar ao topo