Brasil

Nem mesmo Neymar foi capaz de motivar o Santos em sua péssima campanha na Copa Sul-Americana

Com um desempenho ruim, o Santos, que contou com Neymar em sua torcida na Vila, foi eliminado na fase de grupos da Sul-Americana

Assim como no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil, a Copa Sul-Americana só serviu para mais um vexame do Santos na temporada. Sorteado no Grupo E da competição, o Peixe caiu na mesma chave do Newell’s Old Boys, da Argentina, o Audax Italiano, do Chile, e o Blooming, da Bolívia. Em tese, pela tradição dos times, a expectativa era de que o Alvinegro avançasse sem sustos disputando a liderança com a equipe argentina. O problema é que o Santos de 2023 não correspondeu às expectativas, e o máximo que conseguiu na Sul-Americana foi uma única vitória.

O desempenho na competição continental, considerando o nível dos adversários enfrentados, escancarou o quanto a qualidade do elenco santista era baixa. Principalmente para a evitar o rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Antes da suspensão no futebol, Bauermann ajuda o Santos

A única vitória conquista pelo Santos na Copa Sul-Americana deste ano veio logo na estreia. Em visita ao Blooming, que à época lutava contra o rebaixamento do Campeonato Boliviano, o Peixe, em mais uma das suas péssimas atuações do ano, achou o gol que lhe rendeu os três primeiros pontos nos acréscimos do segundo tempo com Eduardo Bauermann. Depois de cobrança de escanteio na área, o zagueiro santista acertou uma forte cabeçada que morreu no fundo das redes dos donos da casa.

Depois disso, a participação do Santos na Sul-Americana virou um pesadelo.

Nem Neymar inspirou o Santos

Na segunda rodada do grupo, o Peixe recebeu o Audax Italiano na Vila Belmiro. O duelo teve um espectador ilustre. Como parte do lançamento de um novo patrocinador do Santos, Neymar foi ao estádio e, vestido com uma camisa retrô da equipe, assistiu ao jogo de um dos camarotes.

A presença do mundialmente famoso Menino da Vila não inspirou em nada os comandados de Odair Hellmann, que tiveram que se contentar com um feio empate por 0 a 0.

Santos encerra 1º turno na 3ª posição

Na terceira rodada, o Santos visitou o Newell’s Old Boys, na Argentina, no duelo mais difícil da chave. O confronto marcou a primeira vez do jovem Deivid Washington como titular. A verdade é que o Peixe não jogou mal e o estreante da noite quase marcou um golaço. Porém, no final do encontro, o sistema defensivo alvinegro vacilou e o Newell’s marcou o gol que lhe rendeu a vitória.

Desta forma, o Santos encerrou o primeiro turno do grupo na terceira colocação, com quatro pontos, atrás do líder Newell’s, com nove pontos, e do Audax, vice-líder, com seis.

Três jogos para se recuperar na Sul-Americana

Na abertura do returno, o Santos foi até o Chile precisando da vitória sobre o Audax Italiano, para voltar à zona de classificação do grupo. Mas isso não aconteceu. Em um duelo de arbitragem polêmica e muita reclamação por parte do técnico Odair Hellmann, o Peixe foi derrotado por 2 a 1 e viu o concorrente direto por uma das vagas abrir cinco pontos de vantagem.

Com mais duas partidas para disputar, a classificação já começava a fugir do horizonte alvinegro.

Derrota e eliminação em plena Vila Belmio

Ainda com chances matemáticas, o Santos recebeu o Newell’s Old Boys na Vila Belmiro, em jogo que ficou marcado pela festa promovida pelos torcedores da equipe argentina, que nunca tinha vencido um jogo no Brasil. Pois é, não tinha. O tabu foi quebrado diante do Peixe, com o placar de 2 a 1, que colocou fim nas possibilidades matemáticas de seguir na Sul-Americana.

Após o apito final, a torcida, cansada da série de vexames no ano, protestou contra os atletas e a diretoria arremessando bombas no gramado. Isso, aliás, se repetiria algumas outras vezes no restante da temporada.

Na última rodada, diante de uma Vila Belmiro fria e vazia, o Santos, com um time reserva e Paulo Turra pela primeira vez no banco de reservas, encarou o Blooming, mas foi incapaz de vencer os bolivianos na sua despedida da competição.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Jornalista pela UniSantos com passagem pelo Jornal A Tribuna de Santos. Já trabalhou na cobertura de jogos da Libertadores e das Eliminatórias Sul-Americanas no Brasil e no Exterior. Na Trivela, é setorista do Santos.
Botão Voltar ao topo