Brasil

A volta dos que não foram: Ramón Díaz pode repetir no Vasco casos de Cuca e Renato

Após a demissão de Álvaro Pacheco, técnico Ramón Díaz pode voltar ao Vasco menos de dois meses após a sua saída do clube

Menos de dois meses de sair do Vasco, o técnico Ramón Díaz está perto de voltar ao clube. Após a demissão de Álvaro Pacheco, o treinador argentino é um dos cotados para reassumir o time e, mais uma vez, tentar livrar o Cruz-Maltino do rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Apesar de inusitado, este retorno rápido ao clube não é inédito no futebol brasileiro. Já teve até técnico voltando para o clube em apenas uma semana.

Ramón Díaz deixou um Vasco no fim de abril, após a goleada sofrida para o Criciúma, em pleno São Januário, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, em uma situação que gerou polêmica entre o clube e o treinador.

Desde então, o time vascaíno foi comandado pelo interino Rafael Paiva, técnico do sub-20 do Vasco, e, depois, pelo português Álvaro Pacheco, que também ficou apenas quatro jogos no clube.

Com a saída de Álvaro Pacheco, Pedrinho, presidente da Associação e sócio majoritário da SAF do Vasco, já demonstrou interesse no retorno de Ramón Díaz. Além disso, o próprio técnico também estaria disposto a retornar ao clube.

Pelo imbróglio na saída do clube, o contrato de Ramón ainda não foi rescindido. Assim, ele poderia voltar ao clube em menos de dois meses, repetindo uma situação que já aconteceu com técnicos como Cuca, Renato Gaúcho e Hélio dos Anjos.

Cuca saiu e voltou do Botafogo em 11 dias

Em 2007, o futebol brasileiro viveu talvez a situação mais marcante de um saída e volta de treinador para um mesmo clube.

Após a dura eliminação do Botafogo para o River Plate, na Copa Sul-Americana, no dia 29 de setembro, o técnico Cuca anunciou que estava deixando o clube – em uma situação que, assim como Ramón Díaz no Vasco, também causou polêmica e dúvida sobre o pedido de demissão.

Mário Sergio, que faleceu na tragédia da Chapecoense, em 2016, assumiu o time, mas ficou no cargo por apenas uma semana. Naquele período, foram três jogos e três derrotas. Então, nove dias depois da saída de Cuca, o técnico estava de volta ao Botafogo.

Em entrevista ao Canal do TF, em 2020, Cuca, hoje técnico do Athletico-PR, deu a sua versão sobre o episódio e explicou o retorno rápido ao Botafogo em 2007.

– Fui para o meu quarto depois da derrota, (Carlos Augusto) Montenegro me chamou, achou melhor que eu saísse e que eu falasse que eu estava saindo, fui lá embaixo e falei para os repórteres que estava pedindo para sair e facilitei a vida dele. Era para deixar um caminho para o outro. Mário Sérgio assumiu, depois de nove dias ele saiu e o Montenegro me ligou de volta e falou: “Facilita a minha vida, volta”. Falei: “Tá bom!”. Domingo me ligou, terça já estava em Itu com o grupo – disse Cuca.

Cuca virou especialista no assunto

Cuca também passou por isso no Palmeiras. Mas, dessa vez, o tempo fora do clube foi maior. Após o título do Campeonato Brasileiro de 2016, o técnico surpreendeu ao anunciar a sua saída no fim da temporada. Cinco meses depois, com a demissão de Eduardo Baptista, Cuca voltou ao Palmeiras. Dessa vez, sem o mesmo sucesso do ano anterior.

No Atlético-MG, o técnico também passou pela mesma situação. Após um 2021 vitorioso, com títulos do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil, o técnico deixou o clube no fim da temporada. Sete meses depois, voltou ao Galo.

Renato Gaúcho também já voltou rápido ao Fluminense

Ainda no começo da carreira como treinador, Renato Gaúcho viveu uma situação parecida com a de Ramón Díaz. Depois de um bom trabalho no Fluminense em 2002, chegando na semifinal do Campeonato Brasileiro, o começo de 2003 não foi dos melhores.

Além de perder a final do Campeonato Carioca para o Vasco, o Tricolor também fez um começo de Brasileiro abaixo do esperado. Em julho, com o time na 12ª colocação, Renato acabou demitido e Joel Santana foi contratado para o seu lugar.

No entanto, três meses depois, com o Fluminense vivendo situação ainda mais delicada no Campeonato Brasileiro, Renato Gaúcho foi chamado de volta. Ele tirou o time da 23ª colocação, levou para a 19ª, e evitou o rebaixamento do Tricolor.

Hélio dos Anjos ficou um mês fora do Náutico

Menos badalado que os outros citados, Hélio dos Anjos também já viveu suas idas e vindas. Em 2021, o técnico comandou o Náutico em um ótimo início de Série B, com 14 jogos de invencibilidade. No entanto, após uma queda de produção e cinco derrotas seguidas, Hélio dos Anjos disse não ter concordado com mudanças que a diretoria do clube propôs em relação ao grupo de jogadores, e pediu demissão.

Após um mês sob o comando de Marcelo Chamusca, a diretoria do Náutico procurou Hélio dos Anjos e as partes chegaram a um acordo para o retorno ao clube.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel RodriguesSetorista

Jornalista formado pela UFF e com passagens, como repórter e editor, pelo LANCE!, Esporte News Mundo e Jogada10. Já trabalhou na cobertura de duas finais de Libertadores in loco. Na Trivela, é setorista do Vasco e do Botafogo.
Botão Voltar ao topo