Brasil

Busca por Paulo Autuori mostra falta de convicção da SAF do Cruzeiro

Cotado para substituir Pepa no Cruzeiro, Paulo Autuori não quer mais ser técnico e teve passagem conturbada na Colômbia

O Cruzeiro segue na busca de um treinador para substituir Pepa, demitido na terça-feira (29). O nome da vez na Toca da Raposa é o de Paulo Autuori, atual diretor técnico do clube. A preferência pelo técnico campeão da Libertadores em 1997, no entanto, mostra uma falta de convicção e até certa incoerência por parte da SAF cruzeirense.

Autuori foi anunciado oficialmente pelo Cruzeiro como diretor técnico no dia 4 agosto. Já no dia 7, iniciou a exercer a função. Menos de um mês depois, a diretoria do clube passou a acreditar que o contratado para ser “responsável pela gestão e evolução da metodologia de futebol, com abrangência em todas as equipes das categorias de base, futebol feminino e o time profissional” agora é a pessoa ideal para assumir a equipe masculina principal na reta final do Campeonato Brasileiro.

A preferência por Autuori também vai contra o padrão de escolha de treinador adotado pelo clube desde a chegada da SAF, em dezembro de 2021. De lá para cá, a diretoria vinha adotando um criterioso processo seletivo e optando por estrangeiros pouco conhecidos no Brasil e com um estilo de jogo considerado ofensivo, como o uruguaio Paulo Pezzolano e o próprio português Pepa.

Último trabalho de Autuori teve racha no elenco e críticas por futebol defensivo

Antes de ser diretor técnico do Cruzeiro, Paulo Autuori foi técnico do Atlético Nacional de outubro de 2022 até julho deste ano. A passagem pelo time colombiano foi de 36 jogos, 15 vitórias, 15 empates e seis derrotas, um aproveitamento de 55,5%.

Com Autuori, o Atlético Nacional foi vice-campeão do Torneio Apertura, perdendo a decisão para os Millonarios nos pênaltis, e segundo colocado no Grupo H da Libertadores em 2023, avançado às oitavas de final. Mesmo com os resultados longe de serem ruins, a passagem do brasileiro não terminou com elogios da torcida ou uma relação agradável com o elenco.

No segundo jogo da final do Apertura, Atlético Nacional e Millonarios empatavam por 1 a 1 quando Autuori, já aos 50 minutos do segundo tempo, decidiu realizar duas substituições e promover a entrada de dois batedores de pênaltis. O lateral Yerson Candelo e o atacante Dorlan Pabón, que teve passagem discreta pelo São Paulo, foram até a beira do gramado e começaram a discutir com o treinador, que acabou mudando as alterações e colocando Jefferson Duque e Jarlan Barrera.

Na disputa de penalidades, o Atlético Nacional perdeu por 3 a 2, com Pabón e Barrera desperdiçando suas cobranças, e viu o Millonarios ficar com a taça na final inédita. Na entrevista coletiva após a partida, Autuori deixou ainda mais evidente os problemas de vestiário.

— Vocês deveriam perguntar para outras pessoas sobre esta confusão. Ela não foi minha porque estava muito claro o que íamos fazer. Aí é outra coisa. Não posso falar porque não fui eu o responsável. Não sei o que passou, não posso falar. Teve um erro grave, não sei de quem, mas sei que não foi meu. A ideia de quem ia sair estava clara e anotada. Isso é assunto para outras pessoas. Comigo não foi — afirmou.

Segundo o jornal colombiano El Colombiano, de Medellín, o vestiário do Atlético Nacional depois da derrota foi de “absoluto silêncio durante mais de uma hora”. Três dias depois, uma nova derrota, dessa vez pela fase de grupos da Libertadores para o Patronato, atualmente na segunda divisão argentina. Com muitas críticas da torcida pelo futebol defensivo apresentado por sua equipe, especialmente nos 180 minutos decisivos contra o Millonarios, Paulo Autuori pediu demissão no início de julho alegando “motivos pessoais”.

O último trabalho de Autuori como técnico vai contra tudo que a diretoria do Cruzeiro tem pregado desde que o clube foi comprado por Ronaldo Fenômeno. Pezzolano e Pepa foram trazidos pelo discurso de futebol que agrada o ex-jogador, enquanto o português teve um fim ríspido com o elenco ao dizer que “se pudesse, teria trocado os dez jogadores e não apenas cinco, como permite a regra” na coletiva após revés por 3 a 0 para o Grêmio, no domingo (27).

Autuori não deseja mais ser técnico, mas Ronaldo tenta convencê-lo

Apesar das especulações e do desejo da SAF, noticiado pelo jornalista Jorge Nicola, Paulo Autori não deseja mais ser técnico. Nesta quarta-feira (30), o atual diretor técnico do clube rechaçou a possibilidade de ser treinador do Cruzeiro à Espn.

Enfaticamente. Chance zero. Nem agora e aqui, tampouco em outro lugar e momento. Minha função no futebol, hoje, e até o fim da minha vida profissional, não será mais como treinador.

Apesar do discurso do atual diretor técnico, a diretoria do clube mineiro planeja convencê-lo a aceitar o cargo. Segundo o ge, Ronaldo Fenômeno estará presente em Belo Horizonte ainda nesta quarta-feira para dialogar com Autuori e outros dirigentes celestes.

Sem vencer há sete jogos, o Cruzeiro é o atual 12º colocado no Brasileirão, com 25 pontos em 21 partidas. Apesar das contradições envolvendo o discurso da SAF e o último trabalho de Paulo Autuori, a diretoria vê o campeão da Libertadores de 1997 como boa opção no curto prazo, já que não precisaria de adaptação ao futebol brasileiro e conhece o clube.

Foto de Felipe Novis

Felipe Novis

Felipe Novis nasceu em São Paulo (SP) e cursa jornalismo na Faculdade Cásper Líbero. Antes de escrever para a Trivela, passou pela Gazeta Esportiva.
Botão Voltar ao topo