Brasil

Finalizações e chutes: Os números que explicam a baixa intensidade do Palmeiras

Palmeiras de Abel Ferreira é inconstante e não vem conseguindo criar e aproveitar chances

O Palmeiras está prestes a terminar a fase de grupos da Copa Libertadores, mais uma vez, como dono da melhor campanha da fase de grupos. Mas a verdade é que o futebol do time não está empolgando. Mesmo tendo goleado o Liverpool (5 a 1) e virado, fora de casa, sobre o Independiente del Valle (3 a 2).

Na partida que levou o time para as oitavas da Copa do Brasil, o Verdão tampouco encheu os olhos. Ao contrário, o empate sem gols com o Botafogo-SP mostrou um Palmeiras sem intensidade. O 0 a 0 contra um time na zona de rebaixamento da Série B foi justo. O desempenho de ambos foi parecido, com oito chutes a gol de cada.

A sensação de que o Palmeiras não consegue articular jogadas acontece também nas partidas do Campeonato Brasileiro. Sem criatividade, o Verdão parece sempre tentar a solução mais rápida e mais curta para a finalização. A bola não passa pelo meio-campo. E os números comprovam que é exatamente isso que está acontecendo.

De acordo com dados do FootStats, o Palmeiras é apenas o 20º entre os 32 times da fase de grupos da Libertadores em número de passes por jogo. Com 311, tem 266 passes a menos de média que o Atlético-MG, que soma 577 por partida.

No Campeonato Brasileiro, torneio em que o Alviverde é apenas o 9º colocado após seis rodadas, a média de passes por partida também é baixa: 352. Apenas seis times tem média menor que a do time de Abel Ferreira. Com 501 por partida, quem lidera esse ranking no Nacional é o São Paulo.

Na Copa do Brasil, nos dois jogos contra o Botafogo-SP, o Palmeiras registrou 460 passes em cada jogo. O Líder São Paulo, que encarou o Águia de Marabá, registrou 618.

Poucos chutes certos no Brasileiro

Jogar em velocidade e com mais verticalidade pode não ser um problema, se o time estiver conseguindo criar chances. Os puristas podem até torcer o nariz, mas se as chances estiverem surgindo, a crítica se transforma mais em uma questão de gosto do que de análise qualitativa. Mas esse não é o caso no Brasileirão.

O Palmeiras não tem conseguindo criar muitas chances e muito menos acertar o gol quando constrói as jogadas. Com média de 27,3% de chutes certos, só é melhor que o Cuiabá no fundamento (26%) no Campeonato Brasileiro. O Criciúma, 1º nesse ranking, tem 55% de acerto.

Na Copa do Brasil, a média foi de 17,5 finalizações por jogo, muito por conta do jogo de ida, quando o Palmeiras venceu por 2 a 1 e chutou 27 vezes contra o gol do goleiro Michael — 18 chutes a menos do que na noite de quinta-feira (23).

Já na Copa Libertadores, a situação é diferente. Com média de 46%, o Palmeiras é o primeiro no quesito pontaria. Mas, em termos de número de finalizações, o time é apenas o 9º melhor, com 68 chances criadas. O primeiro nesta categoria no torneio é o River Plate, com 88.

Próximos jogos do Palmeiras: datas, horários e onde assistir

  • Palmeiras x San Lorenzo — Copa Libertadores — quinta-feira, 30 de maio, às 19h, no Allianz Parque — Paramount+ (Streaming).
  • Criciúma x Palmeiras — Campeonato Brasileiro — domingo, 2 de junho, às 16h, no Heriberto Hülse — Globo (TV Aberta) e Premiere (Pay Per View)
Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo