Brasil

‘Pena que tenham tantos jogos’: Abel diz meia-verdade ao atribuir empate do Palmeiras com Novorizontino ao físico

Após empate com o Novorizontino, Abel Ferreira analisou algumas escolhas equivocadas e atuações ruins da equipe

Após o 1 a 1 com o Novorizontino, pela estreia no Campeonato Paulista, Abel Ferreira, de contrato renovado até o fim de 2025, nem parecia o técnico de uma equipe que jogou mal e levou um empate no último minuto, após vacilo de Gómez e Weverton, dois de seus capitães.

Em suas respostas, Abel fez questão de enfatizar que a partida ruim do Palmeiras foi, acima de tudo, fruto de um início de ano atropelado e de apenas 13 dias de trabalho.

– Jogo difícil, campo difícil, muito calor. Tínhamos a bola completamente controlada no campo ofensivo… Eles sabem que a melhor forma de defender o 1 a 0 é fazer o segundo. Todos somos responsáveis por tudo. Eles quiseram tomar a melhor decisão e agora serve de lição. O futebol é assim – disse o português.

A declaração de Abel é apenas parcialmente verdadeira. Porque muito do que aconteceu no calor de Novo Horizonte tem sim relação com o início de temporada. Mas alguns problemas do time tiveram a ver com escolhas do treinador e atuações ruins individualmente.

Sem Endrick, por exemplo, Abel iniciou o jogo com Breno Lopes e Rony no ataque, sobrecarregando Raphael Veiga.

O Palmeiras cresceu em 2023 quando o treinador colocou Endrick no time, um atacante que pensa o jogo – algo que Breno e Rony não têm como pontos mais fortes – para auxiliar o camisa 23.

Mayke e Marcos Rocha em dobradinhas pela direita, também lembraram os piores momentos do time antes da virada heroica no Campeonato Brasileiro.

Mas Abel insistiu na questão da preparação como explicação para o resultado complicado:

– Como vocês explicam o Água Santa chegar na final (do ano passado)? Porque se preparou muito bem. Essas equipes se preparam desde novembro e dezembro. Nós nem o título comemoramos. Tem muito peso (a diferença de preparação). Essas equipes se preparam para fazer essa competição.

– Tenho pena que tenham tantos jogos, mas é assim. Não dá tempo de nos preparar como devíamos. Nos preparamos para a temporada competindo. Acabamos (2023) no dia 6/12 e no dia 21/01 estamos competindo outra vez. É assim e pronto – disse.

– Acima de tudo, ainda estamos em processo de carregar baterias. Puxar os jogadores, olear a máquina, voltar aos níveis competitivos. Ainda há margem para crescer nas capacidades físicas.

Futuro do Palmeiras

O que deixa o palmeirense mais tranquilo é a convicção de Abel. Quem o ouviu ficou com a  certeza de que Abel sabe o caminho para reajustar a equipe.

– Deixar continuar o Paulistão e fazer os ajustes que tivemos que fazer. Saber se os jogadores da base vão dar a resposta ou se temos que esperar… Temos o Luís, o Estevão. Luís, que hoje não jogou, é um jogador em que acreditamos muito – disse ele.

Sobre os reforços, Abel foi econômico nos comentários:

– Entraram três, saíram três. Com o tempo vamos analisar o que temos que fazer. Sabemos que terão saídas no meio do ano. O preço de ganhar títulos é esse, todos querem os nossos jogadores. Acho que vendemos os jogadores necessários para compensar o balanço financeiro. Deixar continuar o Paulistão e fazer os ajustes que tivemos que fazer.

– Não só o Paulistão, mas o Brasileirão e a Copa (do Brasil) não são só abertas para o Palmeiras ganhar, são para todos concorrerem e ganharem. Ganhamos duas vezes seguidas, vamos procurar defender o título até o fim. Mas esse título é aberto a todos. Vai ganhar quem for mais competitivo, quem tiver mais tempo para treinar, quem cometer menos erros.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023
Botão Voltar ao topo