Brasil

Romero pede passagem no Botafogo e pode forçar mudança tática no time

Entrando cada vez melhor no time do Botafogo, o meia Óscar Romero acirra a briga por uma vaga no time titular de Artur Jorge

O técnico Artur Jorge deve ganhar uma boa dor de cabeça para a sequência do Botafogo na temporada. Cada vez mais adaptado ao time e entrando bem durante as partidas, o meio-campista Óscar Romero vem pedindo passagem na briga por posição da equipe alvinegra. O paraguaio fez mais uma boa partida na vitória sobre a LDU por 2 a 1, na última quarta-feira, pela Copa Libertadores, e mostrou que, enfim, pode merecer uma chance como titular do Botafogo.

Contratado em março, Romero ainda não começou jogando uma partida pelo Botafogo. Já foram oito jogos com a camisa alvinegra, mas todos entrando no decorrer das partidas — sempre no segundo tempo. E o paraguaio tem aproveitado as oportunidades. Contra a LDU, por exemplo, ele deu uma bela assistência para Júnior Santos marcar o gol da importante vitória que deixou o Botafogo ainda mais vivo por uma vaga nas oitavas de final da competição. A boa atuação contra os equatorianos rendeu até brincadeiras do próprio Botafogo nas redes sociais.

Apesar de essa ter sido a sua primeira participação em gol do Botafogo neste começo de passagem, Romero já vinha entrando bem nas últimas partidas. Na última semana, contra o Vitória, pela Copa do Brasil, ele mudou a cara do time na segunda etapa. E teve participação decisiva na construção da jogada que terminou no gol de Eduardo.

Possível entrada de Romero pode forçar mudança tática

Desde a sua chegada ao Botafogo, o técnico Artur Jorge tem escalado o time preferencialmente com quatro atacantes. Mesmo quando Tiquinho Soares se lesionou e o treinador ficou sem centroavantes no time, ele escalou o meia Eduardo mais avançado. Já Romero, quando entra em campo, também já atuou aberto pelos lados. Mas seus melhores momentos pelo Botafogo foram quando estava centralizado no meio.

Dessa forma, uma possível entrada de Romero no time titular pode forçar uma mudança de esquema. O Botafogo pode passar do 4-2-4 para o 4-3-3, como atuou em parte do segundo tempo da vitória sobre a LDU, com o paraguaio no meio e Júnior Santos, Luiz Henrique e Savarino na frente.

Artur Jorge fala sobre Óscar Romero

Depois da vitória sobre a LDU, o técnico Artur Jorge foi questionado sobre o meia Óscar Romero. Como de praxe, o português evitou falar de questões individuais e focou no coletivo, mas não deixou de elogiar a partida do meia paraguaio.

– Estou satisfeito com o desempenho dele, teve um papel importante hoje também. Eu gosto de dizer que a importância dos jogadores vem daqueles que sabem aproveitar as oportunidades. Alguns podem ter 80 minutos, outros nove, outros 45. Têm que estar preparados e capazes de acrescentar valor à equipe quando forem chamados. Nós, no Botafogo, viveremos em função daquilo que possam ser as opções. Se tivermos 23 jogadores preparados, seguramente ficaremos mais perto do sucesso. Alguns vão jogar mais do que outros, alguns não vão jogar, mas contribuem com a energia aos colegas. Mais do que falar de questões individuais, eu destaco o coletivo, que foi a força da equipe. A equipe se reergueu depois de ter um resultado pouco positivo e hoje voltou a ganhar e estar numa posição mais confortável. Estamos correndo atrás do prejuízo das duas primeiras rodadas – disse Artur Jorge.

Romero valoriza minutos e fala sobre posicionamento

Nos seus oito jogos pelo Botafogo, Óscar Romero teve apenas 205 minutos em campo, o que dá menos de três partidas completas. Assim, o meia paraguaio tem valorizado cada momento em que pode atuar com a camisa alvinegra. Depois da vitória sobre a LDU, ele falou sobre o seu momento e explicou como Artur Jorge o pediu para atuar na última quarta-feira.

— Venho trabalhando para isso. Creio que aos poucos estou conseguindo ritmo de competição, fiquei parado muito tempo, meus companheiros me ajudam também a me adaptar o mais rapidamente possível. Espero seguir dessa forma para poder ajudar o time, seja por 45 minutos, 20 minutos, dez ou 90, estou disposto para poder ajudar — disse Romero à ESPN, antes de completar.

– Ele pediu que tivéssemos mais a bola, que fôssemos mais protagonistas, a mim particularmente me pediu para que fizesse o time jogar, entrando como meia-ponta. Tentei retribuir a confiança que ele depositou em mim e o importante é que o time venceu, estamos muito – finalizou o meia do Botafogo.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo