Brasil

Operação Penalidade Máxima entra em sua 3ª fase e cumpre mais dez mandados de busca e apreensão

Operação Penalidade Máxima investiga esquema de manipulação de resultados envolvendo casas de apostas e jogadores

A 3ª fase da Operação Penalidade Máxima foi conduzida nesta terça-feira e cumpriu dez mandados de busca e apreensão em quatro estados brasileiros, nas cidades de Goiânia (GO), Bataguassu (MS), Campina Grande (PB), Nilópolis (RJ), Santana do Parnaíba (SP), São Paulo (SP), Volta Redonda (RJ) e Votuporanga (SP). Até o momento desta matéria não houve prisões confirmadas. O objetivo da operação realizada pelo Ministério Público de Goiás é investigar possíveis irregularidades e manipulações de resultados em jogos do Campeonato Brasileiro e também alguns estaduais espalhados pelo Brasil.

Na 3ª fase da Operação Penalidade Máxima, são investigados os jogos entre Flamengo e Avaí, pelo Campeonato Brasileiro, vitória do time catarinense por 2 x 1, Náutico 1 x 3 Sampaio Corrêa e Criciúma 2 x 1 Náutico, pela Série B, todos os jogos aconteceram em 2022. Além destes, dois jogos do Campeonato Goiano de 2023, sendo Goiânia 2 x 1 Aparecidense e Goiás 2 x 0 Goiânia, e dois do Campeonato Paraibano, sendo Nacional 2 x 1 Auto Esporte e Sousa 4 x 0 Auto Esporte, também estão sob investigação do Ministério Público de Goiás.

Segundo informações do MP, a ação é um desdobramento das duas primeiras fases da Operação Penalidade Máxima, deflagradas entre fevereiro e abril deste ano. As investigações anteriores resultaram em três denúncias até o momento, já recebidas pelo Judiciário. Ao total, 32 pessoas foram acusadas de integrar uma organização criminosa especializada em praticar corrupção dentro do cenário desportivo.

Operação Penalidade Máxima
Operação Penalidade Máxima cumpre dez mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (28). Foto: Divulgação MP/GO

O que é a Operação Penalidade Máxima?

O MP de Goiás desde o início de 2023, investiga a atuação de criminosos que tinham por objetivo aliciar jogadores profissionais de futebol, prometendo aos atletas, consideráveis quantias em troca de algum objetivo dentro da partida, seja um cartão amarelo, ou vermelho, cometer pênaltis e favorecer algum placar parcial dentro da partida. Com isso, os integrantes da quadrilha lucravam em sites de apostas esportivas.

As primeiras denúncias aconteceram em Goiás, mais precisamente envolvendo o jogador Romário do Vila Nova, banido do futebol permanentemente pelo STJD no dia 29 de maio. Gabriel Domingos, outro jogador do Tigre Goiano, foi suspenso por 720 dias do esporte. Entre os casos de jogadores mais conhecidos que se envolveram neste esquema está o ex-zagueiro do Santos e afastado do futebol por 360 dias pela Fifa, Eduardo Bauermann e Alef Manga, atacante que defendeu o Coritiba nesta temporada.

O ex-defensor do Peixe chegou a ser suspenso inicialmente por 12 jogos pelo STJD, transferiu-se para o Alanyaspor, mas rescindiu com o clube turco, sem nem chegar a estrear, após a Fifa internacionalizar o caso. Bauermann ainda foi condenado a pagar uma multa de R$35 mil reais. Já Alef Manga também foi suspenso e não poderá jogar futebol a até o 2 semestre de 2024.

Com o retorno de Guto Ferreira ao Coritiba, o atacante se manifestou nas redes sociais, já que possui um carinho especial pelo comandante e espera que consiga voltar a jogar ao lado do treinador assim que sua suspensão terminar. Por conta dos posts que fez em sua página do Instagram, o executivo de futebol do Coxa, Carlos Amodeo e afirmou que vai esperar a punição passar para definir o futuro do atleta no time paranaense, já que seu contrato está temporariamente suspenso.

“O Alef Manga está suspenso pela FIFA, a sua suspensão agora vale também para o exterior e só termina no segundo semestre de 2024. Neste momento estamos conversando com os responsáveis para entender quando termina a suspensão dele. Então no período que estiver cumprindo a suspensão, o seu contrato com o Coritiba ficará suspenso e depois que a pena terminar conversaremos sobre o futuro”, disse o executivo.

Lista de jogadores envolvidos no esquema de manipulação de resultados e tempo de punição

  • Ygor Catatau (banido)
  • Paulo Sérgio (600 dias)
  • Gabriel Tota (banido)
  • Paulo Miranda (720 dias)
  • Fernando Neto (380 dias)
  • Eduardo Bauermann (360 dias)
  • Matheus Gomes (banido)
  • Mateusinho (600 dias)
  • André Queixo (600 dias)
  • Moraes (720 dias)
  • Kevin Lomónaco (380 dias)
  • Igor Cariús (360 dias)
  • Victor Ramos
  • Fernando Neto (380 dias)
  • Gabriel Domingos (720 dias)
Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Existe um ditado que diz que o bom filho a casa retorna não é? Pois bem, sou Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia, de volta ao site após quatro anos, e agora redator do Trivela, um dos maiores portais de futebol do Brasil. Sou jornalista, especializado em Marketing digital e narrador do Portal Futebol Interior e também da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo