BrasilCampeonato Brasileiro

O Sport teve a vitória de peso para ratificar a grande campanha neste início de Brasileirão

Independente do que aconteça até esta quinta, a liderança do Campeonato Brasileiro não mudará de mãos. O Sport abriu a 10ª rodada com um verdadeiro atropelamento na Ilha do Retiro: com 35 minutos de bola rolando, já vencia o Internacional por 3 a 0. E poderia ser até mais, se os rubro-negros não diminuíssem o seu ímpeto no segundo tempo. A equipe de Eduardo Baptista enfrentou mais da metade dos times da competição, e segue invicta. Ainda assim, o resultado desta quarta-feira tem um valor especial. Pela forma como aconteceu e pelo peso do Internacional (por mais que esteja longe de repetir na Série A as atuações na Libertadores), foi uma vitória para sublinhar a excelente campanha que o Leão faz.

VEJA TAMBÉM: Robinho não é mercenário, mas trocou o amor pelo Santos (e a Seleção) por dinheiro

Ao longo das nove rodadas anteriores, o Sport conquistou bons resultados, como os empates fora de casa contra Santos e Fluminense, mas os adversários derrotados não tinham camisas tão pesadas quanto a colorada. E quando tiveram a chance de bater o Flamengo no Maracanã, os pernambucanos saíram de campo revoltados com a arbitragem. Nesta quarta, porém, o Leão se agigantou para devorar o Inter. Mesmo com menos posse de bola, os rubro-negros foram muito mais eficientes. Enquanto se defendiam com uma organização exemplar, se aproveitando da falta de agressividade dos colorados, também atacavam com precisão. Assim, bastaram 35 minutos para que André marcasse dois gols, enquanto Marlone também desse ares de massacre ao jogo na Ilha do Retiro.

Não é de hoje que Eduardo Baptista faz um grande trabalho no Sport. E mostra como a continuidade é importantíssima, especialmente diante das cirandas dos técnicos no país. O comandante parece ter o grupo nas mãos para montar uma equipe de coletivo bastante forte. Tanto que consegue tirar o máximo até de jogadores vistos como refugos – a exemplo dos próprios André e Marlone. Maikon Leite está voando e nem de longe apresenta a falta de confiança que muitos se acostumaram a criticar. Danilo Fernandes substitui muito bem Magrão e Rithiely é o melhor volante do campeonato. E isso porque Diego Souza, principal liderança técnica da equipe, não jogou contra o Inter. Régis deu conta do recado.

PERNAMBUCO: A volta de Grafite ao Santa Cruz ressalta uma relação de carinho rara de se ver

A eficiência do Sport ajuda a explicar o sucesso. Os rubro-negros possuem um time que, mesmo sem ter a bola por tanto tempo nos pés, é incisivo e cria muitas oportunidades de gol, especialmente no jogo aéreo. O que resulta nos bons números do ataque, que balançou as redes 18 vezes. Além disso, também possui um sistema defensivo que vai dando conta do recado. São apenas oito gols sofridos, a segunda melhor defesa da competição. E o retrospecto em casa também ajuda demais, com as seis vitórias conquistadas nas seis partidas como mandante.

Os compromissos do Sport até o fim do primeiro turno não são dos mais simples. Após receberem o Avaí no final de semana, os rubro-negros fazem um jogo que pode valer liderança na próxima quarta, visitando o Atlético Mineiro em Belo Horizonte. Antes de, em sequência, enfrentarem Palmeiras (casa), São Paulo (casa), Grêmio (fora), Cruzeiro (casa), Atlético Paranaense (fora), Corinthians (fora) e Ponte Preta (casa). Um caminho que tem seis dos outros nove times da parte superior da tabela.

De qualquer forma, esta arrancada inicial já o suficiente para o Sport também merece respeito. Em toda a história do Brasileirão de pontos corridos, somente outras duas vezes conseguiram ir além da marca de 10 jogos de invencibilidade. E, pela fase que o time vive, dá para esperar que a marca se amplie. Pode ser que os rubro-negros não briguem pelo título até o fim. Mas o que apresentam até agora permite ao menos sonharem com a briga pela Libertadores.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo