Brasil

Com fartura de opções ofensivas, Coudet terá dor de cabeça boa para escalar o Internacional em 2024

Após o anúncio de Rafael Borré, técnico Eduardo Coudet sabe que terá várias opções de qualidade no sistema ofensivo do Internacional, que caberá a ele montar

Visando dar mais opções ofensivas de qualidade ao elenco, a direção do Internacional foi com força ao mercado. Do Eintracht Frankfurt, trouxe o argentino Lucas Alario, que está em Porto Alegre desde semana passada, e o colombiano Rafael Borré, anunciado na última quarta-feira (17), e por quem o Colorado ainda negocia com o Werder Bremen a chegada antes de 10 de julho, que é a data limite.

Agora, a bola está com Eduardo Coudet. Desde já, mas principalmente após o desembarque de Borré em Porto Alegre, o treinador argentino terá dor de cabeça boa para escalar o Inter do meio para a frente. Além da dupla que vem da Alemanha — e que fez história no River Plate, assim como ‘Chacho' –, o Colorado já contava, em seu elenco, com nomes como Maurício, Wanderson, Alan Patrick e Enner Valencia.

Reposicionamento de Alan Patrick, Valencia ou Borré são alternativas

Coudet sempre gostou de utilizar dupla de ataque em suas equipes, que partem do 4-1-3-2. Foi assim em Rosario Central, Racing, Celta de Vigo, Atlético-MG e no próprio Internacional, em sua primeira passagem, em 2020. Ao retornar ao Beira-Rio, no ano passado, ‘Chacho' adaptou Alan Patrick a uma função mais adiantada, ao lado de Valencia, mas com liberdade para o camisa 10 recuar, se movimentar e articular as jogadas.

Essa é a grande dúvida que envolve o Inter de Coudet versão 2024: qual será a posição e a função de Alan Patrick diante das novas aquisições para o setor ofensivo. Se uma dupla de atacantes for utilizada, o camisa 10 terá que ser recuado para a linha dos meio-campistas. O problema é que todos eles trabalham muito sem a bola, fechando a segunda linha de quatro quando o time baixa o bloco de marcação. Isso exigiria muito fisicamente do capitão colorado.

Outra alternativa seria utilizar Valencia ou Borré pelos lados, nas funções exercidas por Maurício e Wanderson em 2023. Mas, neste caso, os atacantes é que teriam grande desgaste, por terem que recompor e acompanhar os laterais adversários na fase defensiva. De qualquer forma, uma dessas adaptações, ou então a mudança de esquema tático, terá que ser feita para Coudet encaixar ao menos três das quatro badaladas peças que terá à disposição para o último terço do campo — Alan Patrick, Valencia, Alario e Borré.

Alario vê Internacional com jogadores inteligentes e capazes de atuar de diferentes formas

Por si só, dois deles jogarem em dupla de ataque não é problema. Afinal, todos têm característica de sair da área e capacidade de alternar posicionamentos. Até mesmo Alario, que é mais de referência, admitiu que melhorou sua movimentação durante os sete anos no futebol alemão. O centroavante argentino entende que o sistema ofensivo colorado pode funcionar de diferentes formas.

Lucas Alario em sua entrevista coletiva de apresentação. Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional

— Vai muito da inteligência de cada jogador. Creio que o Inter tem jogadores bons e inteligentes. Eu não vejo nenhum problema, cada jogador pode se adaptar a outro. Seja como dupla, ou com outra forma de jogo. Creio que na atualidade, o futebol requer isso: não somente bons jogadores, mas jogadores inteligentes. Para mim são os que mais conseguem vantagem — opinou Alario em sua entrevista coletiva de apresentação, na última sexta-feira (12).

Início da temporada e período da Copa América serão de opções mais restritas

Plenamente recuperado de lesão que fez com que não atuasse no segundo semestre de 2023, Alario pode começar a temporada como titular, ao lado de Enner Valencia. Até porque Alan Patrick está suspenso das seis primeiras rodadas do Campeonato Gaúcho, e Borré não tem data definida para chegar. Nesse caso, as dúvidas serão menores para Coudet. Assim como, provavelmente, durante a Copa América, em que Valencia e Borré deverão representar Equador e Colômbia, respectivamente.

Até por isso, o Inter se reforçou bastante. Quer ter elenco recheado para brigar por títulos em 2024, em especial o do Campeonato Brasileiro. Com quatro competições, a escalação deve variar muito ao longo do ano, e todos os jogadores serão importantes. Mas, quando tiver o elenco completo à disposição, Coudet vai dar uma coçada na cabeça para montar esse time, que promete muito.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo