Brasil

Hulk quebra tabu de mais de 50 anos, e segue invicto em finais no Atlético-MG

Gol na final garantiu artilharia histórica do Mineiro e manutenção de invencibilidade de Hulk em finais com o Atlético

Multicampeão, artilheiro e um dos grandes nomes do Atlético-MG, Hulk escreveu mais um capítulo da sua espetacular história com a camisa alvinegra neste domingo (7). Autor do gol da virada contra o Cruzeiro, que garantiu o quinto título Mineiro seguido do Galo, o camisa 7 alcançou um feito histórico no estadual, manteve sua média perfeita em finais que, por sinal, ele nunca perdeu uma como atleticano.

Aos 32 minutos do segundo tempo da partida decisiva do Campeonato Mineiro, Hulk cobrou pênalti com tanta perfeição que, nem Rafael Cabral acertando e se esticando todo, conseguiu evitar a bola tocar na bochecha da rede e morrer no fundo do gol. Esse tento do camisa 7 atleticano fez ele atingir vários feitos, além de garantir mais uma taça ao Atlético com ele no comando, a primeira do técnico Gabriel Milito, a quem ele prometeu antes do jogo conquistar.

O primeiro feito histórico de Hulk aconteceu no mesmo momento em que a bola ultrapassou a linha do gol. Ali, o jogador marcou seu 7° gol no Campeonato Mineiro, que o tornou artilheiro da competição pelo terceiro ano consecutivo, algo que não acontecia desde o fim da década de 60, quando Tostão foi o goleador em 1966, 1967 e 1968.

Além disso, Hulk chegou a 30 gols em 40 jogos de Campeonato Mineiro, entrando no Top 10 da história do Atlético na competição. Vale lembrar que, ao todo, ele já soma mais de 100 gols, o que o coloca no Top 20 da história do clube.

Cruzeiro: a vítima preferida de Hulk

O gol deste domingo foi especial para Hulk também por outro motivo. Ele fez do Cruzeiro sua maior vítima coma a camisa do Atlético. São sete bolas nas redes do clube celeste, o mesmo tanto que ele já marcou no Fluminense. Contra a Raposa, são sete gols em nove jogos.

Para Hulk, o gol contra o Cruzeiro teve mais um tempero no sabor que já era gosto: o jogador passou o jogo todo sendo perseguido pela torcida cruzeirenses, que o chamou de “chorão” por conta das reclamações constantes dele contra a arbitragem.

— É coincidência, né? Porque me chamam de chorão, de pipoqueiro … engraçado que em clássicos eu costumo aparecer, em jogo grande, né? Mas que continuem me chamando assim, e eu continue aparecendo dentro de campo, não fora dele, ajudando meus companheiros — afirmou o camisa 7.

Hulk + Atlético + Final = título

Por mais que Hulk tenha quebrado um tabu de mais de 50 anos ao ser artilheiro e tenha colocado o Cruzeiro como sua maior vítima, o dado que ele alcançou que mais chama atenção é quando analisamos ele em finais pelo Atlético.

São 10 jogos de finais disputados por Hulk com a camisa do Atlético com ele marcando 10 gols ao todo, ou seja, tem final, tem gol do camisa 7. Mas os dados ficam ainda mais impressionantes quando analisamos que ele nunca perdeu uma partida de decisão pelo Galo. E mais: oito dos 10 gols mudaram a partida, ou seja, empataram ou colocaram o Alvinegro a frente do placar.

  • Mineiro 2021: Atlético 0x0 América — Não marcou
  • Mineiro 2021: 0x0 América — Não marcou
  • Copa do Brasil 2021: 4×0 Athletico — Gol que abre o placar
  • Copa do Brasil 2021: 2×1 Athletico — Gol que garante a vitória
  • Supercopa do Brasil 2022: 2×2 Flamengo — Gol que empata o jogo e leva para os pênaltis
  • Mineiro 2022: 3×1 Cruzeiro — Um gol que abre e outro que fecha o placar
  • Mineiro 2023: 3×2 América — Gol da vitória no último lance
  • Mineiro 2023: 2×0 América — Marcou os dois gols do jogo
  • Mineiro 2024: 2×2 Cruzeiro — Segundo gol
  • Mineiro 2024: 3×1 Cruzeiro — Gol para virar o jogo

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo