Brasil

Caíque ou Marchesín? Retorno do argentino após lesão reacende disputa no gol do Grêmio

Recuperado de lesão muscular, Marchesín disputa titularidade com Caíque no gol do Grêmio para a semifinal do Campeonato Gaúcho

Prestes a iniciar a disputa da semifinal do Campeonato Gaúcho, sábado (16), às 16h30min, contra o Caxias, a menos de um mês da estreia na Libertadores, o técnico Renato Portaluppi tem uma decisão importante a tomar: quem será o goleiro titular do Grêmio.

Contratado para ocupar esse posto, Marchesín ainda não convenceu após sete jogos, e cometeu ao menos duas falhas durante a fase classificatória do Gauchão. Recuperado de lesão muscular grau um no adutor da coxa esquerda, confirmada no dia 29 de fevereiro, o goleiro argentino briga por posição Caíque, que foi titular na vitória gremista sobre o Brasil de Pelotas, por 2 a 0, no último domingo (10), pelas quartas de final do estadual.

– Feliz pela classificação. A gente sabe que o Grêmio briga sempre pelo título. Agradeço a Deus pela oportunidade que eu tive hoje. Eu falo sempre que as oportunidades são dadas, basta a gente abraçá-las e servir o Grêmio da melhor forma possível dentro de campo – disse Caíque, após o jogo, na zona mista da Arena do Grêmio.

Marchesín ainda não convenceu no Grêmio, e a falta de ritmo de jogo já começa a ser relativizada

Marchesín tem a seu favor a experiência de quem atuou na Europa e soma 11 títulos na carreira, incluindo a Copa América de 2021, pela Seleção Argentina. Foi baseado nesse currículo vencedor que a direção gremista foi buscá-lo na Espanha, no Celta de Vigo, mesmo que ele tivesse atuado apenas uma vez na atual temporada europeia após se recuperar de lesão no tendão de aquiles, sofrida em fevereiro do ano passado.

— Só falta ritmo de jogo. Estou muito bem, treinando muito bem há muito tempo. A recuperação da lesão foi muito boa. […] É muito tempo de trabalho, muito tempo para estar hoje aqui. Eu necessito jogar, quero jogar. À medida que passarem os jogos vou me sentir melhor, isso é normal. Não estou lesionado, mas chego a uma equipe nova, que normalmente os primeiros jogos são de adaptação — disse Marchesín em sua apresentação, no dia 15 de janeiro.

Se a falta de ritmo de jogo é o que ainda prejudica Marchesín, ou não, fato é que o goleiro apresentou dificuldades nas partidas em que atuou com a camisa gremista. Em sua estreia, na goleada sobre o São José, por mais que tenha feito boas defesas, rebateu para frente e cometeu pênalti no lance que gerou o gol de honra do adversário. E no segundo gol colorado na derrota do Grêmio no clássico Gre-Nal, não conseguiu defender chute cruzado de Alario, em que a bola passou embaixo de sua mão esquerda. Os chutes no canto esquerdo do argentino, aliás, renderam quatro dos sete gols sofridos por ele até aqui.

Menos experiente, Caíque tem a envergadura e o histórico de pegador de pênaltis a seu favor

Caíque, por sua vez, deixou imagem positiva na reta final do Brasileirão do ano passado, em que foi titular e ajudou o Grêmio a chegar ao vice-campeonato. O goleiro de 26 anos, formado no Vitória, se destaca pela envergadura, oriunda de seus 1,98m de altura, e pela forte reposição com as mãos. Outro ponto que pode lhe favorecer na disputa pela titularidade neste final de Gauchão é o histórico de pegador de pênaltis. Ele inclusive defendeu uma cobrança de Luis Suárez, contra o próprio Tricolor, no estadual do ano passado, quando atuava pelo Ypiranga.

Ao mesmo tempo, o que pode jogar contra Caíque na briga sadia com Marchesín é a falta de experiência em jogos decisivos e em competições internacionais – trunfos do companheiro. Nas amostragens mais recentes, o camisa 31 evitou uma goleada na derrota para o São Luiz, na Recopa Gaúcha, e pouco trabalhou na vitória sobre o Brasil, já que o Xavante praticamente não atacou na Arena do Grêmio.

Marchesín pelo Grêmio

– 7 jogos
– 7 gols sofridos
– 2 jogos sem sofrer gols
– 20 defesas
– 4 defesas difíceis

Caíque pelo Grêmio

– 9 jogos
– 7 gols sofridos
– 5 jogos sem sofrer gols
– 18 defesas
– 9 defesas difíceis

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo