Brasil

Falta de pressa por treinador e homenagem fora de hora mostram desconexão entre diretoria do Botafogo e torcida

Depois da vitória sobre o Audax, André Mazzuco revelou que a diretoria do Botafogo ainda levanta e discute possíveis nomes para substituir o treinador Tiago Nunes

O Botafogo parece não ter pressa para buscar um novo técnico para o time. Mesmo em meio a disputa da segunda fase da Copa Libertadores e dois dias depois da demissão de Tiago Nunes, o clube ainda está em fase de “levantamento” e discussões internas de possíveis nomes para o cargo. Somado a isso, uma homenagem feita a um jogador do atual elenco antes de partida contra o Audax, neste sábado (24), indicam uma certa falta de “timing” e de senso sobre o momento do clube e a relação com a torcida.

Quem revelou que o Botafogo ainda não tem negociações com possíveis substitutos de Tiago Nunes foi o próprio diretor de futebol André Mazzuco. Depois da vitória sobre o Audax, no Nilton Santos, pelo Campeonato Carioca, o dirigente falou pela primeira vez sobre a troca de treinador e afirmou que o clube ainda discute internamente as opções para o cargo.

— Da minha parte, a gente está em levantamento e discussão de nomes de treinador — afirmou André Mazzuco.

Mazzuco também aproveitou para explicar como está sendo o processo de escolha do novo treinador e como John Textor, dono da SAF do Botafogo, atua neste sentido.

— As decisões do Botafogo e da Eagle sempre passam pelo (John) Textor (dono da SAF), por mim e Alessandro (Brito, head scout). Passa por todos. Ele (Textor) é o chefe, tem o poder de decisão, mas a gente troca o máximo de informações possíveis. Desde que Tiago saiu, trabalhamos em conjunto e com calma. Fábio (Matias, treinador interino) estará com a gente quando for necessário. A gente fica muito tranquilo com relação a isso. O trabalho dele é no clube conosco e vai estar à frente enquanto for necessário — disse o dirigente do Botafogo.

É claro que o Botafogo precisa estudar bem as opções e ser assertivo na escolha do novo treinador, mas o momento de decisão na Copa Libertadores e a fase do clube, que vive pressionado pela torcida desde o fim da última temporada, pedem um pouco mais de pressa na escolha. Enquanto isso, o Glorioso vai para o jogo de volta contra o Aurora, da Bolívia, na próxima quarta-feira (28), pela segunda fase da Libertadores, com o interino Fábio Matias no comando.

Botafogo vai buscar técnico experiente

Depois da experiência com Tiago Nunes, treinador de uma geração mais recente do futebol brasileiro, o Botafogo agora vai atrás de um técnico mais experiente para comandar o clube na sequência da temporada. Este será um dos critérios para a escolha do novo profissional, de acordo com Mazzuco.

– Sobre perfil de treinador, a gente precisa de um que entenda o momento do Botafogo. Entenda o ano que teremos. Para nós, hoje, é importante que seja um treinador de experiência. Não tem fórmula ideal, mas estamos procurando um que agregue ao projeto Botafogo como um todo – disse Mazzuco.

Homenagem a jogador antes de partida irritou torcida

Além da falta de pressa na busca por um novo treinador, um outro episódio passou a imagem de que o Botafogo pode não ter muita noção do momento que o clube atravessa e do sentimento da torcida neste começo de temporada, mesmo depois do protesto da última sexta-feira.

Neste sábado, antes da partida contra o Audax, o diretor André Mazzuco entregou uma placa para o meia Eduardo, em homenagem ao gol de bicicleta que o jogador fez na derrota para o Vasco, no último domingo (18), pelo Campeonato Carioca. O clube publicou um vídeo da homenagem nas redes sociais, o que causou uma revolta em boa parte da torcida. Muitos botafoguenses reclamaram do “timing” da homenagem e do fato do clube estar exaltando um gol feito em uma derrota em um clássico.

Mazzuco fala sobre protesto de torcedores

Depois da partida contra o Audax, André Mazzuco aproveitou para falar sobre os protestos dos torcedores que picharam o Nilton Santos pedindo a saída de alguns jogadores e do próprio dirigente. Mazzuco criticou os autores da manifestação, elogiou o elenco do Botafogo e chamou a responsabilidade pelo momento do clube.

— Tem que poupar um pouquinho os atletas, muitos tiveram propostas de rivais inclusive e estão aqui, não foi só o Tchê Tchê. Eu falo, foi Júnior Santos, Eduardo, Tiquinho, Marlon Freitas, tiveram propostas e estão conosco. Ficaram porque acreditam no clube. Não pode deixar de acreditar. Claro que é um trabalho fundamental de dentro para fora. A gente quer o apoio, dar essa tranquilidade para poder resgatar. E a torcida do Botafogo tem a característica de estar junto da equipe, isso que a gente quer. Pode deixar as críticas para mim, não tem problema, mas vamos deixar os atletas tranquilos para trabalhar. Eles são a razão do time, torcedor é de clube, mas eles fazem o time hoje. Precisa apoiar. Torcedor não é o que picha, que faz essas confusões, é o que está aqui, que torceu, vaiou no final, enfim, não tem problema. O que picha não é torcedor — disse Mazzuco.

— Tem que amar o clube dele, amar o Botafogo, e amando o Botafogo tem que apoiar o time que tem hoje. Criticar não é o problema, mas deixa com a gente, preserva os jogadores. Nós temos um bom elenco, há jogadores lesionados que vão voltar, jogadores que acabarem de chegar, trabalho que vai ser feito. Claro que a gente quer o resultado imediato, mas a gente está trabalhando para ter o melhor resultado possível. Só peço esse apoio aos atletas, ao time do Botafogo para que a gente possa desenvolver. Quarta é fundamental. Já tem 15 mil ingressos vendidos, ainda é sábado, um número bom e espero que dobre. É resgatar a energia do Nilton Santos. Esse é nosso time, bom, que vai melhorar ainda mais. Torcedor que a gente valoriza é o que vem aqui — finalizou o dirigente.

 

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo