Brasil

Falou mal do Diego Costa? Ele tem um recado para você

Depois de contestação em sua chegada, Diego Costa terminou o Campeonato Gaúcho, em que o Grêmio foi heptacampeão, como artilheiro ao lado de Cristaldo

O heptacampeonato gaúcho do Grêmio teve Diego Costa como protagonista. Mesmo chegando na reta final da fase classificatória, o centroavante de 35 anos empilhou seis gols em seis jogos e, além do título, encerrou o Gauchão como artilheiro, ao lado de Cristaldo — pela média, leva vantagem em relação ao companheiro argentino.

Além de impressionante, esse início de Diego Costa no Grêmio também é surpreendente ao considerar os últimos anos da carreira do experiente centroavante. Com a responsabilidade de substituir Luis Suárez, ele desembarcou em Porto Alegre, em fevereiro, envolto em desconfiança depois de passagens não muito boas por Atlético-MG, Wolverhampton e Botafogo.

Diego Costa não teve boas passagens em seus últimos clubes

Pelo Atlético-MG, em 2021, Diego Costa conquistou o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil. Mas não teve média de gols muito expressiva: marcou cinco em 19 jogos. Em 2022, pelo Wolverhampton, fez somente um em 25 jogos, e, pelo Botafogo, balançou a rede três vezes (uma delas contra o Grêmio) em 15 partidas.

— Os números contam muito. Quando cheguei no Atlético-MG, fui muito bem. Tive uma lesão que me atrapalhou um bocado. Estava em uma sequência de oito meses sem jogar, e cheguei na metade da temporada. Mas a gente foi campeão, acho que ninguém pode tirar o que fiz lá. No Botafogo cheguei e o grupo tinha feito um primeiro turno impressionante. É muito difícil chegar em um grupo que estava muito encaixado. Cheguei lá para tentar dar meu máximo — relembrou Diego Costa.

Após três semanas de pré-temporada ‘particular’, Diego Costa empilhou gols no Gauchão

No Grêmio, diferente dos outros dois clubes brasileiros, o centroavante teve possibilidade de se preparar bem antes de começar a jogar. Enquanto a equipe já disputava a fase classificatória do Campeonato Gaúcho, Diego realizou uma pré-temporada particular, de três semanas, no CT Luiz Carvalho, em Porto Alegre. Surtiu efeito: ele já marcou belo gol de falta em sua estreia, contra o Guarany de Bagé, na última rodada, e empilhou tentos nos mata-matas.

Para ratificar sua participação como grande nome do Tricolor na conquista do Gauchão, Diego foi eleito o melhor jogador da final, contra o Juventude. Na vitória por 3 a 1, na Arena do Grêmio, o centroavante marcou o gol da virada, dois minutos após o empate, na reta final do primeiro tempo, e deu assistência para o gol de Nathan Fernandes, na segunda etapa, que liquidou a fatura.

— Eu sabia que com uma pré-temporada, com os companheiros me conhecendo, tudo é mais fácil. Onde eu fui, graças a Deus sempre fiz gols. Em nenhum momento tinha dúvida de mim. Sempre soube do que era capaz. Cheguei aqui, Renato confiou, os companheiros me abraçaram, tive tempo para fazer uma preparação, para estar aqui nas melhores condições possíveis. Foi todo um planejamento. Espero que esse ano seja repleto de gols, que eu não tenha lesões, e que o grupo cada vez mais possa conquistar coisas — projetou Diego em entrevista no gramado da Arena após a conquista.

A expectativa da torcida gremista é a mesma: de que o artilheiro do Gauchão consiga balançar muito as redes nos outros grandes desafios que o Grêmio tem pela frente nesta temporada. A começar pela Libertadores, em que após ser preservado, como todo time titular, da estreia com derrota para o The Strongest, Diego fará sua primeira partida na terça-feira (9), às 19h, contra o Huachipato, na Arena do Grêmio.

 

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo