Brasil

Corinthians pode receber até R$ 100 milhões por patrocínio master na camisa

Possível novo patrocinador máster pode trazer benefícios no futuro, mas pode fazer Corinthians gastar R$ 30 milhões

Durante a campanha de eleição, Augusto Melo prometeu que faria da camisa do Corinthians uma das mais bem pagas do futebol brasileiro. Tudo isso com base em outra promessa: um marketing “agressivo”, que valorizasse a marca do clube não somente no mercado nacional, como fora dele também. E diante a movimentação dos últimos dias com os acordos dos patrocinadores, o presidente eleito parece estar caminhando nesta direção.

Em outubro, o valor da camisa do Timão foi assunto durante a coletiva de imprensa da presidente do Palmeiras, Leila Pereira. Pressionada pela torcida alviverde por um possível “conflito de interesse”, ela foi questionada sobre os valores pagos por patrocinadores ao Corinthians, e garantiu que se a camisa alvinegra valesse mais de R$ 100 milhões, ela dobraria o valor pago pela Crefisa ao alviverde. Se os planos do Augusto derem certo, a presidente do rival terá “problemas” pela frente.

Acordo com casa de apostas que já ocupa espaço na camisa é barrado pela nova diretora, mesmo com aumento no valor da proposta 

Ainda sob a gestão de Duílio Monteiro Alves, o Corinthians começou a negociar os novos valores com seus patrocinadores da camisa de jogo, sejam eles master ou não. Com contrato até o fim de 2025, o clube conseguiu entrar em acordo com a Hypera Pharma, para quebrar o vínculo de forma amigável. Isso porque a diretoria tinha recebido uma proposta mais vantajosa pelo principal espaço da camisa alvinegra, e o valor atualmente pago pela Neo Química já estava defasado. Foi fechado no início, em 2021, por R$ 18 milhões ao ano, sendo que para 2024 o valor chegaria em R$ 22 milhões.

Com a saída da empresa, quem ocuparia o espaço na frente da camisa era a Pixbet, que já aparece nos ombros e nas costas do uniforme. A proposta foi de R$ 75 milhões anuais por um contrato de duas temporadas, ou seja, totalizando ao final a arrecadação de R$ 150 milhões. Mas Augusto Melo encerrou as trativas iniciadas pelo seu antecessor alegando que recebeu uma proposta muito mais vantajosa.

Segundo apurado pela reportagem da Trivela, o novo presidente Augusto Melo diz ter recebido uma oferta de R$ 100 milhões de outra casa de apostas para o espaço principal da camisa, só não confirmando o tempo de contrato que seria estabelecido.

Na prática: se esse novo patrocinador fechar com o Corinthians pelo valor divulgado, por duas temporadas, o clube arrecadaria apenas com ele o dobro do valor inicial (sem contar as correções automáticas). Ou seja, seriam R$ 50 milhões a mais que o contrato que seria assinado por Duílio.

Novo patrocinador master pode trazer benefícios no futuro, mas de imediato será prejuízo

Apesar de não confirmar que esse novo patrocinador é sim uma casa de apostas, a diretoria terá que lidar com questões contratuais para assinar o contrato mais vantajoso, que colocaria a camisa do Corinthians entre as mais caras do país. O contrato entre o Corinthians e a Pixbet tem duas datas de término, uma para cada espaço do uniforme: as costas, dezembro de 2023, e os ombros até 2025, e é a partir daí que o futuro benefício pode causar um prejuízo imediato ao clube.

Para ter uma nova casa de apostas na camisa, será necessário encerrar o vínculo com a atual, e a multa da quebra de contrato entre o clube e o patrocinador é de R$ 30 milhões, ou seja, o Corinthians teria que desembolsar esse valor, ou negociar uma saída amigável assim como fez com a Neo Química, o que deve ser difícil de acontecer, diante a concorrência entre as empresas no mercado, e suspensão inesperada das negociações pelo master.

Foto de Jade Gimenez

Jade Gimenez

Jornalista, fascinada por esporte desde a infância e transformou a paixão em profissão. Além do futebol, se mantem por dentro de outras modalidades desde Fórmula 1 até NFL. Trabalhou como repórter em TV e rádio cobrindo partidas de futebol, futsal e basquete.
Botão Voltar ao topo