Brasil

Corinthians vive crise política generalizada e diretores pedem desligamento

Entenda o imbróglio que culminou no racha de um dos principais grupos políticos do Timão

A crise política do Corinthians teve desdobramentos importantes nos últimos dias. Como publicou a Trivela nesta semana, a chapa 82, conhecida como Movimento Corinthians Grande (MCG) estudava retirar o apoio político a Augusto Melo, após a repercussão negativa das suspeitas sobre o intermediário do contrato com a Vai de Bet.

Já na última hora desta sexta-feira (24), o Corinthians confirmou os pedidos de desligamento de Yun Ki Lee (diretor jurídico) e o Fernando Perino (diretor jurídico adjunto), saídas que seriam reflexo da tensão estabelecida pelo caso Vai de Bet na alta cúpula alvinegra.

Na última quinta-feira (23), integrantes do MCG que ocupam cargos na gestão confirmaram a permanência — casos de Armando Mendonça, vice-presidente, e Rozallah Santoro, diretor financeiro. No entanto, essa decisão causou um rompimento dentro do próprio grupo político.

O ex-presidente do MCG, o conselheiro Felipe Ezabella, estava afastado de suas atividades desde o fim do mês passado, por conta de desentendimentos irreconciliáveis com outros integrantes.

Houve uma reunião com membros da chapa, na última terça-feira (21), onde foram definidas diretrizes para a permanência, incluindo as demissões de Sérgio Moura (ex-superintendente de marketing) e Marcelo Mariano (diretor administrativo). Em carta aberta aos colegas do grupo, Ezabella lamenta que tais acordos não foram cumpridos.

— Lendo aqui as manifestações, vejo que não fui o único traído. Posso estar enganado, mas parece que o que foi dito e combinado com vocês no encontro não foi exatamente cumprido. Independentemente da participação dos três colegas que restaram na diretoria, e os sentimentos positivos que os movem a continuar, tenho a mais absoluta certeza que o MCG, da forma como foi concebido, acabou — afirmou o conselheiro.

Ao contrário do que esperava o MCG, foi Sérgio Moura quem pediu afastamento do cargo, enquanto Marcelo Mariano continua sendo bancado por Augusto Melo.

Na próxima segunda-feira (27), o Conselho Deliberativo do Corinthians vai se reunir para discutir os contratos da gestão Duílio Monteiro Alves, mas também devem estudar os pontos do contrato com a Vai de Bet que estão sob análise da Comissão de Justiça do clube.

Leia a carta de Felipe Ezabella na íntegra

“Estou um pouco afastado aqui desde o final do mês passado por conta de desentendimentos inconciliáveis com os colegas que estão à frente e participando desse momento triste pelo qual nosso clube passa.

Justificando novamente minha ausência na terça-feira, tinha compromissos familiares que me impediam de participar. Mas, mesmo se eu pudesse, talvez nesse momento não fosse interessante minha participação para que os meus sentimentos pessoais não interferissem no julgamento e nas decisões que o grupo tivesse que tomar.

Lendo aqui as manifestações, vejo que não fui o único traído. Posso estar enganado, mas parece que o que foi dito e combinado com vocês no encontro não foi exatamente cumprido.

Independentemente da participação dos três colegas que restaram na diretoria, e os sentimentos positivos que os movem a continuar, tenho a mais absoluta certeza que o MCG, da forma como foi concebido, ACABOU.

Aquela carta de princípios que lemos toda hora para lembrarmos o que nos uniu tem sido constantemente ignorada.

A trajetória é tão importante quanto à chegada. Se não tem virtude no trajeto, não terá no final. Aquele jargão “os fins não podem justificar os meios” serve para muita coisa, até para a política.

Li aqui que alguns disseram que viramos mais do mesmo, carguistas, etc. etc. Realmente esse é o sentimento e a percepção geral.

Lamento profundamente a decisão da minoria de continuar na gestão, como também e, principalmente, a forma que isso vem sendo conduzido. Perdi a confiança.

Posso estar enganado também, faz parte. Não terei problema algum em admitir depois. Mas como fui cobrado por alguns, até corretamente criticado pela minha ausência e pelo meu silêncio, não podia deixar de me manifestar principalmente depois dessa vergonha que estamos todos passando.

abs, até segunda-feira.
Felipe Ezabella”.

Entenda o caso

No início da semana, a coluna do Juca Kfouri publicou uma reportagem confirmando que a empresa Rede Social Media Design Ltda., pertencente ao intermediário Alex Cassundé, realizou dois repasses a uma terceira, de nome fantasia Neoway. Esses valores seriam oriundos da comissão do negócio entre a Vai de Bet e Corinthians.

No entanto, a Neoway é colocada como uma companhia “fantasma”, segundo a reportagem, que afirma a inexistência de atividades nos endereços cadastrados na Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo).

Um dos fatos que pesa na decisão do MCG está relacionado aos pagamentos das duas primeiras notas de comissão à Rede Social Media Design Ltda. Segundo apurado pela reportagem, houve ingerência neste processo — ou seja, desrespeito aos procedimentos internos do cube. Isso porque Rozallah não havia autorizado esses pagamentos. 

Segundo apurado pela Trivela, Marcelo Mariano passou por cima da autoridade de Rozallah para que dois depósitos de R$ 700 mil fossem realizados no período de três dias.

Segundo fontes, na ausência de Rozallah, que estava em viagem, Marcelo (diretor administrativo) esteve no departamento financeiro por três vezes, uma delas acompanhado por Alex Cassundé, pressionando o gerente do setor financeiro, Roberto Gavioli, para pagar as notas emitidas pela Rede Social Media Design Ltda.

Em duas oportunidades, o Corinthians não tinha caixa. Na terceira, o aval para a liberação do dinheiro foi concedido.

Veja abaixo as datas dos pagamentos:

  • Dia 18/03 — R$ 700.000,00
  • Dia 21/03 — R$ 700.000,00

Os personagens do imbróglio

infográfico corinthians vai de bet

O que diz a Vai de Bet em nota oficial:

A VaideBet informa que tem acompanhado atentamente as publicações e manifestações envolvendo o comissionamento do contrato de patrocínio ao Sport Club Corinthians Paulista, e que desde o mês de abril tem solicitado esclarecimentos sobre o caso.

Durante as últimas semanas, a VaideBet pediu informações ao Corinthians em ocasiões variadas e realizou reunião presencial na sede do clube no dia 8 de maio, além de ter enviado um comunicado à diretoria na última segunda-feira (20).

Desde o primeiro momento, a VaideBet foi contatada por um agente intermediário sobre a possibilidade de se firmar um acordo para patrocínio master do Corinthians e foi conduzida pelo referido interveniente até a diretoria do clube para o início das negociações. Nunca houve contato com qualquer outra empresa a respeito da negociação para o acordo de patrocínio.

A VaideBet observa com atenção os desdobramentos do atual cenário e avalia os próximos passos.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo