Copa do Nordeste

CRB segura o Bahia, leva jogo para os pênaltis e vai para final da Copa do Nordeste

Time de Alagoas superou o Bahia de Rogério Ceni nos pênaltis, depois de se segurar como pôde no tempo normal

O Clube de Regatas Brasil saiu de Alagoas para ser gigante na capital baiana. Sabendo se defender muito bem, o CRB levou o jogo para os pênaltis e eliminou o Bahia de Rogério Ceni em plena Arena Fonte Nova.

Com a vitória, o CRB volta a uma decisão de Copa do Nordeste 30 anos depois de ficar com o vice na edição de 1994, quando o Sport levantou o troféu. Em 2024, o adversário poderia ser o mesmo. Mas o Fortaleza goleou no Recife (4 a 1) e eliminou o Leão.

Melhor no tempo normal, o time da casa não conseguiu bater o goleiro Matheus Albino. Dando assim chance para o arqueiro se tornar herói ao defender a cobrança decisiva, de Caio Alexandre. Foi a única cobrança ruim de uma série que teve oito pênaltis para cada lado.

Bahia melhor

Bahia e CRB fizeram um primeiro tempo equilibrado na Arena Fonte Nova. O time alagoano começou mais à vontade no jogo e pressionou nos primeiros minutos.

Logo aos 13, o time de Maceió quase vazou a equipe de Salvador. Hereda avançou pela ponta direita e recebeu em velocidade. O camisa 32 do CRB carregou e soltou uma bomba. A bola, que quase surpreendeu o goleiro Marcos Felipe, raspou o ângulo direito.

O Bahia foi se ajustando aos poucos no jogo. Demorou mais, mas criou as melhores oportunidades da primeira etapa. Mesmo quando o CRB era melhor, o Tricolor teve chances mais agudas. Todas com participação de Jean Lucas.

Aos 29, ele desarmou a zaga adversária, mas não conseguiu acionar Thaciano. Na primeira jogada bem trabalhada da equipe, Jean Lucas aproveitou cruzamento de Santi Arias e mandou de primeira no travessão, aos 31.

Depois da blitz da equipe de Rogério Ceni, o CRB acalmou o ritmo do jogo e subiu a marcação. E o 0 a 0 se manteve.

Bahia melhor ainda

No segundo tempo, o equilíbrio foi para o espaço. O Bahia tomou conta do campo defensivo do CRB e sufocou os visitantes. Rogério decidiu pressionar ainda mais a saída de jogo alagoana e transformou a partida praticamente em um ataque x defesa.

Arias, Caio Alexandre, Biel e Luciano Juba chegavam juntos à frente, enquanto Jean Lucas tentava armar o time pela esquerda e pela direita. O CRB, perdido, não cansava de fazer faltas na entrada de sua área.

Aos 27, Juba, Jean Lucas e Cauly fizeram uma jogada ensaiada, atrapalhada pelo árbitro, que se posicionou no meio do caminho dos jogadores. Mesmo assim, o chute do lateral saiu — em cima da barreira.

Só dava Bahia. Aos 34, Biel invadiu a área e chutou muito forte, mas em cima de Fábio Alemão. Aso 40, o goleiro Matheus Albino teve de fazer um milagre em mais uma cobrança de falta. Santi Arias, no primeiro pau, cabeceou para o chão e exigiu intervenção providencial do goleiro.

No que seria um enorme golpe, os últimos lances do jogo foram chegadas perigosas do CRB. Um em cobrança de falta de Gegê, que a zaga afastou. No rebotea bola foi na cabeça de João Pedro, que cabeceou fraco. Marcos Felipe defendeu, e o juiz já apitou o fim da partida.

Pênaltis

O CRB bateu o primeiro e fez, com Anselmo Ramón. O Bahia foi de Everaldo, que entrou só para a disputa por pênaltis. A cobrança foi indefensável.

CRB então escolheu Gegê, o melhor do time no tempo normal. Que bateu o segundo e fez, com calma. Estupiñan bateu o segundo do Bahia e não deu chance.

Na sequência, Rômulo bateu no meio do gol e converteu para o CRB. Juba bateu pelo Bahia e empatou a disputa em 3 a 3.

Hereda bateu então pelo CRB e também fez. Cauly cobrou com categoria e manteve os 100% do time de Salvador.

Mike cobrou com categoria, o último pênalti do CRB na série normal e balançou a rede.  Jean Lucas também não teve dificuldade para fechar a série.

João Pedro abriu a série alternada para o CRB e deslocou o goleiro Marcos Felipe. Biel inaugurou a sequência do Bahia com um gol também.

Matheus Ribeiro bateu o sétimo do CRB no ângulo. Ademir cobrou para o Bahia e nem tomou distância para deslocar Matheus Albino.

Lucas bateu no cantinho de Marcos Felipe e manteve o CRB na disputa. Caio Alexandre foi então bater o oitavo do Bahia. Que Matheus Albino defendeu para classificar os regatianos.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo