Copa do Brasil

Flu encanta e depois se segura contra o Fortaleza, enquanto o São Paulo evita o drama com o pênalti defendido por Thiago Couto

Fluminense e São Paulo saíram em vantagem nos jogos de ida da Copa do Brasil, com vitórias mínimas e ainda assim valiosas

As quartas de final da Copa do Brasil tiveram, nesta quinta-feira, o complemento dos jogos de ida. Duas vitórias magras aconteceram, mas com enorme valor. O Fluminense derrotou o Fortaleza no Castelão por 1 a 0. A equipe de Fernando Diniz fez ótimo primeiro tempo e marcou um lindo gol, mas também contou com a sorte na segunda etapa. O Leão do Pici teve duas bolas na trave e um gol anulado por detalhes no fim, que quase frustrou o Flu. Já no Morumbi, o São Paulo também garantiu o 1 a 0 sobre o América Mineiro. Luciano balançou as redes no primeiro tempo, mas o protagonista surgiu no segundo. Thiago Couto pegou um pênalti que ele mesmo cometeu e segurou o resultado aos são-paulinos.

Num jogo 2-em-1, Flu sai vitorioso no Castelão

Fortaleza e Fluminense fizeram duas partidas em uma só no Castelão. O primeiro tempo viu o Flu pulsante. Os cariocas mandaram na posse de bola, envolveram os adversários e foram claramente melhores. Os visitantes nem martelaram tanto no ataque, mas conseguiram dois belos gols – o primeiro anulado e o segundo válido. Na segunda etapa, o Leão do Pici virou o tabuleiro. Os cearenses eram bem mais vorazes e diretos em suas ações. Lamentaram duas bolas na trave, além de um gol anulado por mínimos detalhes no fim. O placar de 1 a 0 beneficia o Fluminense, com méritos pela etapa inicial, mas também aliviado pela sorte na final.

O primeiro tempo contou com a melhor versão do Fluminense. Os visitantes tiveram ampla posse de bola, se impondo no campo de ataque. Acuado, o Fortaleza tinha dificuldades para acertar a sua marcação. A imposição não gerava necessariamente tantas chances de gol, com dificuldades na finalização, mas o controle do Flu era total. Quando as redes balançaram, aos 27, o tento acabou anulado. Ganso ajeitou de calcanhar e Nonato chutou com desvio, mas o lance acabaria anulado por uma falta anterior de Cano.

Apesar da bronca do Fluminense, a equipe não perdeu o foco e nem demorou para marcar de verdade. O próprio Nonato se encarregou, num verdadeiro golaço aos 35. Os visitantes trocaram passes com muita qualidade, com vários toques de primeira. Durante a construção, Arias deu um corta-luz e Cano ajeitou de calcanhar. O trabalho de Nonato foi até fácil, para definir às redes. O Flu continuou ditando o ritmo até o intervalo, sem que o Fortaleza encontrasse um meio de reagir.

O Fortaleza foi outro time durante o segundo tempo. Moisés entrou no lugar de Lucas Lima e a postura do Leão do Pici melhorou bastante. A equipe mordia bem mais e era agressiva. Logo aos cinco minutos, o empate quase pintou num voleio sensacional de Robson, que parou no travessão. O Fluminense não conseguia sair jogando e ficou sem Ganso, com a entrada de Martinelli no meio. Nada que ajudasse a equipe. Pouco depois, aos 22, seria a vez de Crispim soltar a bomba rasante de fora da área e carimbar o pé da trave.

O Fortaleza ficava mais ofensivo com as mudanças, incluindo as entradas de Otero e Romarinho. A equipe buscava o empate e merecia sorte melhor, pela forma como criava dificuldades para o Fluminense. O Leão do Pici era bastante direto em suas ações. Fábio também trabalhou aos 30, salvando uma batida de Romarinho. O Flu parecia nas cordas e respirou aliviado aos 43. Silvio Romero tinha saído do banco e balançou as redes pouco depois, escorando um passe na medida de Romarinho. Todavia, o atacante estava impedido por milímetros e o VAR anulou. Seriam seis minutos de acréscimos, mas a igualdade não viria aos cearenses. A missão fica ainda mais difícil para o reencontro dentro do Maracanã.

Thiago Couto sai como herói do São Paulo

Thiago Couto cometeu um pênalti, mas depois o defendeu, e no fim acabou não atrapalhando o São Paulo, que teve a estreia do seu reforço Giuliano Galoppo, ex-Banfield, e venceu o América Mineiro por 1 a 0 diante de 53 mil pessoas no Morumbi para sair na frente no confronto de quartas de final da Copa do Brasil. Luciano foi o autor do único gol da partida.

Durante grande parte do primeiro tempo, nada estava acontecendo. O São Paulo mantinha posse de bola, mas errava muitos passes e criava pouco. Tentou atalhos com lançamentos, quase 40 na etapa inicial, também sem sucesso. Jonathan Calleri deu uma cabeçada para fora, aos 23 minutos, e Matheusinho se complicou com a bola antes de rolar para Juninho finalizar de fora da área, no lado errado da trave. De repente, gol. Igor Vinícius subiu pela direita e cruzou na medida para Luciano cabecear na segunda trave e marcar seu 14º tento nesta temporada.

O América Mineiro deu seu primeiro susto, pouco antes do intervalo, com uma cabeçada de Iago Maidana para fora, e o segundo tempo começou parecido com o primeiro. Mais pegado do que jogado. Welington, um dos jogadores mais acionados do São Paulo na primeira etapa, soltou uma bomba de fora da área para testar a atenção de Matheus Cavichioli, que espalmou por cima do travessão.

A lesão de Jandrei deu uma oportunidade para o jovem Thiago Couto, de 23 anos. Esta é sua terceira partida consecutiva como titular e, com a diretoria no mercado em busca de outro goleiro, precisa mostrar serviço. Talvez esteja um pouco pilhado demais. Aos 19 minutos, Miranda afastou mal pela direita, com a saída de bola tricolor bem pressionada, e o América Mineiro mandou imediatamente de volta à área. Henrique Almeida recebeu, pressionado por Miranda, que se recuperava. Couto saiu destrambelhado do gol e derrubou o atacante do América, que o tentava encobrir. Mas se redimiu e defendeu a cobrança fraca de Maidana no canto esquerdo.

O São Paulo respondeu com um cruzamento de Luciano que buscava Nikão, mas Marlon cortou no meio do caminho. Igor Vinícius mandou a sobra por cima do travessão. Luciano, que havia sentido dores no começo do segundo tempo, sentiu novamente e teve que ser substituído pelo meia Galoppo, anunciado esta semana como reforço. Ele teve uma ótima chance: Welington cruzou da esquerda, e o argentino apareceu chapando na entrada da área. Passou muito perto da trave de Cavichioli.

Os donos da casa não aceleraram para tentar ampliar a vitória no jogo de ida. Até mataram um pouco de tempo na bandeirinha de escanteio e administraram a magra vantagem que levarão para o Independência em meados de agosto.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo