Copa do Brasil

Em jogo de ‘não-futebol’, Cruzeiro é eliminado da Copa do Brasil com dois gols do Sousa-PB no final

Em um campo ruim e com bastante chuva, Cruzeiro é vítima de dois gols de Danilo Bala no fim e é eliminado logo na primeira fase da Copa do Brasil

O Cruzeiro está eliminado da Copa do Brasil. O time celeste deixou a competição na primeira fase do torneio após perder por 2 a 0 para o Sousa, da Paraíba, na noite desta quarta-feira (21), no Antônio Marques da Silva Mariz, o Marizão, na cidade paraibana que nome ao clube. Danillo Bala, que entrou na segunda etapa, fez os dois gols do Dino.

Chamar o que se viu durante mais de 90 minutos de jogo de futebol seria um eufemismo. Fortes chuvas castigaram o campo durante todo o dia e com as equipes em campo, o que fez com que o gramado se tornasse uma piscina.

Jogar futebol no Marizão foi impraticável e, com o regulamento embaixo do braço, o Cruzeiro abriu mão de tentar construir jogadas, algo entendível pela dificuldade de se remar contra a maré de um rio que se formou no gramado. Durante o jogo, boas chances para as duas equipes, com o Sousa chegando mais perto do gol. E no final da partida, a equipe paraibana foi premiada por um gol espírita, após bate-rebate na área, que resultou em Danillo Bala, atacante do Dino, balançando a rede aos 43 do segundo tempo.

E ainda tinha tempo para mais, aos 49, Danillo Bala, arriscou de muito longe para fazer um golaço, mandando um chutaço. A bola ainda tocou no travessão antes de morrer no fundo da rede defendida por Rafael Cabral.

O Sousa agora espera o vencedor da partida entre Petrolina (PE) e Cascavel (PR), que se enfrentam em Pernambuco, na próxima quarta-feira (28), às 19h30.

Nico Larcamón faz mudanças no Cruzeiro

Após utilizar uma equipe bastante modificada na partida do fim de semana, contra o Democrata de Governador Valadares, o treinador Nicolás Larcamón voltou ao time base que vem usando durante a temporada, mas com algumas alterações. O Cruzeiro foi escalado assim: Rafael Cabral; Wesley Gasolina, Zé Ivaldo, Neris e Marlon; Lucas Romero, Filipe Machado e Lucas Silva; Matheus Pereira, Arthur Gomes e Juan Dinenno.

Gramado alagado deixa jogo impraticável

As fortes chuvas que castigaram a cidade Sousa, na Paraíba, causaram certo estrago no Marizão. O banco de reservas dos mandantes ficou alagado e cadeiras “de bar” tiveram que ser colocadas para os suplentes. O gramado, por sua vez, ficou impraticável. Grandes poças se formaram e ficou quase impossível conduzir a bola ou fazer passes pelo chão. Os lances dependiam mais de sorte do que de competência.

E não só os jogadores do Cruzeiro, acostumados com gramados melhores, sofreram com o gramado. Os atletas do Sousa também tinham muita dificuldade e ficavam pouco com a bola. A primeira finalização de perigo saiu aos 14 minutos, com Wesley Gasolina pegando rebote e obrigando o goleiro Bruno Fuso a espalmar. Marlon também arriscou aos 17, chutando para fora.

Sousa leva mais perigo

A condição do gramado tornou a partida uma incógnita e o Sousa passou perto de abrir o placar aos 22, quando Leozinho ficou com a bola após chutão e, com Filipe Machado marcando à distância, girou e bateu. A bola foi colocada e caprichosamente acertou a junção da trave com o travessão de Rafael Cabral, que ficou só olhando.

Como se não bastasse o gramado já impraticável, voltou a chover muito durante a primeira etapa e isso fez com que o jogo ficasse ainda mais travado. Ainda assim, o Cruzeiro conseguiu chegar bem em trama de Dinenno e Matheus Pereira, que terminou com finalização de Arthur Gomes, que Bruno Fuso defendeu com a perna esquerda, operando um milagre.

Com a partida totalmente imprevisível, foi o Sousa que conseguiu criar nova boa chance de gol. Após falha de Filipe Machado, o centroavante Diego Ceará aproveitou, progrediu e finalizou forte da entrada da área, obrigando Rafael Cabral a fazer grande intervenção, espalmando para o lado. E o camisa 1 da Raposa teve que atuar novamente aos 45, quando a bola parou numa poça d’água e o árbitro, mal posicionado, acabou atrapalhando Lucas Romero. Assim, a bola ficou à feição para Jackson chutar para nova defesa de Cabral.

No segundo tempo, o jogo conseguiu ficar ainda pior e as equipes passaram a abusar das faltas. A mudança feita por Nicolás Larcamón no intervalo, Lucas Silva saiu para a entrada de Japa, não mudou muita coisa. O gramado seguia sendo um empecilho quase intransponível. A situação do campo equiparou uma equipe de Série A com uma de Série D, num nível baixíssimo.

Sousa marca dois nos minutos finais

Depois de um segundo tempo de pouquíssimas emoções, o Sousa conseguiu abrir o placar. Aos 43, após bate-rebate na área, a bola sobrou para Danillo Bala, que não perdoou e de muito perto balançou a rede de Rafael Cabral. O Cruzeiro passou a buscar o empate no desespero, mas quem marcou foram os paraibanos.

Aos 49, Danillo Bala, mais uma vez, arriscou de muito longe, acertando um chutaço, que Rafael Cabral não conseguiu defender. O placar foi fechado em 2 a 0, para o Sousa, que fez a alegria de sua torcida no Marizão.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo