Brasileirão Série A

Seabra tenta explicar novo vexame do Cruzeiro, mas não consegue convencer ninguém

Fernando Seabra deu explicações controversas para a derrota do Cruzeiro, que perdeu de 3 a 0 para o rival Atlético-MG na Arena MRV

O Cruzeiro sofreu pesada derrota para o grande rival Atlético-MG, na noite desse sábado (20), na Arena MRV. O time celeste foi totalmente dominado pelos atleticanos, sofrendo os gols do 3 a 0 ainda no primeiro tempo. A atuação coletiva e as escolhas do treinador Fernando Seabra — que começou a partida com dez titulares remanescentes da equipe que quase foi rebaixada no Campeonato Brasileiro de 2023 —, foram muito criticadas.

Seabra concedeu entrevista coletiva após a partida, onde tentou explicar o que aconteceu para que o Cruzeiro fosse totalmente dominado, mas suas longas falas lembraram a de seu chefe, o diretor de futebol Pedro Martins, por não convencer ninguém. Gestão de elenco ou contenção de danos podem ser as explicações para uma coletiva tão fora da realidade, mas levando-se em conta as escolhas do treinador, não podemos descartar a hipótese dele realmente acreditar no que disse.

O treinador começou explicando a escolha do volante Filipe Machado para a posição do suspenso Lucas Romero. Depois disso, afirmou que a defesa vinha melhorando segundo as análises da comissão técnica da Raposa, mas ressaltou que a atuação de hoje terá peso para as próximas partidas.

— O Machado vinha treinando no lugar do Romero e teve a oportunidade de iniciar o jogo. A gente tem nossa avaliação e análise de desempenho dos jogadores. Na defesa, havia uma melhora de coordenação e desempenho individual. Hoje a gente teve algumas dificuldades e que entram nessa análise para as próximas situações — explicou Seabra.

Os erros do Cruzeiro sob a ótica de Fernando Seabra

Segundo Seabra, a pouca agressividade do Cruzeiro no primeiro tempo custou o resultado negativo. Ele chegou a elogiar o crescimento da equipe no segundo tempo, mas sem levar em conta o fato de o Atlético claramente ter “tirado o pé”, visando a sequência de jogos.

— Foi um primeiro tempo muito abaixo, sobretudo nas questões de agressividade. Tanto em diminuir as construções do Atlético por trás, algo que não fugiu do que a gente esperava do que fosse acontecer em relação a posicionamento. Principalmente, nas abordagens de lado de campo — começou o treinador do Cruzeiro.

— A gente esteve mais lento mentalmente, menos agressivo, e proporcionamos ao Atlético algumas jogadas que eles têm forte e são de qualidade. Cruzamento de pé trocado do Scarpa, ruptura pelo lado contrário. Coisas que estávamos preparados, mas que, infelizmente na situação do jogo, não agimos da melhor forma possível — analisou Seabra.

— Trouxemos uma resposta para o segundo tempo para ter mais agressividade e ajuste nas abordagens dos passes que iam para o corredor lateral. Para conseguir competir mais com o adversário. A gente conseguiu tirar mais cruzamentos, roubar bolas no ataque. Infelizmente, precipitamos algumas escolhas em bolas roubadas que poderiam gerar mais chances de gol — apontou.

— Tivemos um primeiro tempo muito abaixo. Precisamos aprender com esses erros para que esse comportamento do primeiro tempo não se repita. O comportamento, a atitude e o caráter do segundo tempo foram louváveis, mas precisamos iniciar dessa forma quando a gente tem uma chance mais concreta de vencer o jogo. Independentemente de jogar em casa ou fora — finalizou a análise, Fernando Seabra.

Zé Ivaldo no banco do Cruzeiro

Fernando Seabra justificou o fato do zagueiro Zé Ivaldo ser reserva no Cruzeiro afirmando que o jogador tem trabalhado para melhorar alguns aspectos de seu jogo. Ele utilizou o lateral-direito Palacios, um dos jogadores mais questionados do elenco, que voltou a ser relacionado, como exemplo de sua metodologia de trabalho.

— A gente tem um momento pós jogo que é estudar e debater. Mas alguns movimentos já estão sendo feitos. O momento em que o Zé (Ivaldo) sai, é pra trabalhar alguns aspectos pra voltar mais forte. Com esse calendário, ou o jogador tem a oportunidade de jogar, ou ele vai pra jogo, não joga e não treina. A gente sabe das dificuldades que tivemos contra o Botafogo e não estava tudo certo, assim como depois de hoje não está tudo errado — explicou.

— O Palácios vem treinando muito bem, fez um coletivo muito bem, por mérito entrou na lista e o Gasolina saiu da lista desse jogo para ter oportunidade de treinar coisas que eu identifiquei que ele precisaria melhorar. Com esse calendário, ou o jogador tem oportunidade de jogar, ou ele vai para jogo e eventualmente joga pouco, não joga e não treina. Então, quando a gente tira um jogador da relação, a gente está dando a oportunidade de treinar ele — apontou Seabra.

Confiança para Anderson e chegada de Gabriel Grando

Seabra ainda comentou a falha do goleiro Anderson e a chegada de Gabriel Grando, arqueiro de 24 anos, que veio do Grêmio, e é uma nova opção para a meta celeste.

— A princípio, o Anderson vem jogando e ganhando ritmo. E o ritmo de jogo para o goleiro demora mais do que para o jogador de linha. O jogador joga dois jogos e tem um volume de deslocamento e uma quantidade de ações que já o coloca em ritmo de jogo. Para o goleiro, isso é muito mais difícil, demora muito mais tempo — afirmou.

— É importante não negligenciar erros e atacar essas situações, mas precisamos, dentro do equilíbrio, entender o contexto do goleiro que está há muito tempo sem jogo. A conversa minha com ele no vestiário foi muito simples. Bati no peito e falei: ‘Não muda nada, vamos para cima’. Ele falou: “Vamos para cima”. E é assim que tem que ser — explicou Seabra.

— A gente está muito feliz com a chegada do Grando, é um jogador de alto nível, ainda jovem e de grande potencial. E isso é uma resposta que eu vou ter que avaliar no dia a dia, no andamento da dinâmica de trabalho, junto com a comissão técnica. Ainda é muito cedo para definir – finalizou o treinador do Cruzeiro.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo