Brasileirão Série A

Marcelo Fernandes enche Furch de elogios e dedica vitória à família dos jogadores do Santos

Treinador do Santos, Marcelo Fernandes afirmou que Furch foi uma contratação muito acertada e que buscou vitória pelo aniversário da mãe

A vitória por 1 a 0 sobre o Goiás, na noite desta quinta-feira (9), no Hailé Pinheiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro fez o Santos chegar aos 41 pontos e dar um importante passo para evitar a queda para a Série B da competição. E, em entrevista coletiva após o confronto, o técnico Marcelo Fernandes dedicou os três pontos para a sua mãe, que completou 80 anos, e para a família de todos os jogadores do elenco.

De acordo com o treinador alvinegro, todos os familiares foram essenciais para que os atletas buscassem uma impressionante reação no segundo turno do Brasileirão.

– Minha mãe me pediu tanto (essa vitória). Hoje ela está fazendo 80 anos, e essa vitória é para ela, que está sempre nos apoiando. Na verdade, família é tudo. Era um momento muito delicado, porque pegamos a equipe com 21 pontos e já conseguimos 20 pontos em dez jogos. A família é o nosso suporte, não só meu, mas dos jogadores. Fiz questão de fazer a ligação em vídeo para a minha mãe. Estou muito feliz pelo clube, pelo nosso dia. Não tem como dar errado quando as coisas são de coração, quando a gente quer fazer direito, sem vaidade. As coisas são simples. Ninguém acreditava em nós. Conseguimos a vitória em Salvador e a partir daí tudo melhorou. Estou muito feliz por eles – falou o treinador se referindo aos jogadores e aos seus parentes.

O técnico do Santos também fez questão de salientar a importância do centroavante Julio César Furch, que entrou no final da partida e marcou o gol que assegurou os três pontos para o Peixe.

– O Furch foi uma contratação muito acertada, um jogador que era ídolo no seu clube, veio aqui sem vaidade. Não reclama se joga cinco minutos. Faz tudo com muita vontade. Está junto com todos, está de parabéns, pois trabalha muito para esse momento. Não só o Furch, mas todos que entraram deram conta do recado. Taticamente, o Santos fez uma excelente partida no primeiro tempo – acrescentou o comandante santista.

Agora com 41 pontos, o Santos tem mais cinco jogos pela frente para concluir com vitória essa luta contra o rebaixamento. Apesar disso, Marcelo Fernandes ainda evita falar em um número definitivo para acabar com essa batalha frustrante.

– O Santos sabe muito bem da sua situação, foi uma vitória importantíssima. Vamos jogo a jogo. Sabemos o número que precisamos e, a partir daí, talvez pensar em algo a mais. Mas vamos continuar trabalhando bastante com comprometimento para sairmos dessa situação delicada – falou o técnico.

Mais respostas de Marcelo Fernandes

  • Qual o significado da vitória sobre o Goiás?
  • Qual foi a estratégia para o duelo com o Goiás?]
  • Como será a preparação para o clássico com o São Paulo?

O que essa vitória representa para o Santos no Brasileirão?

– Representa o tamanho do Santos, o que esses jogadores estão fazendo pelo clube. A sinergia de todos dentro do mesmo espaço, da mesma bolha. Estão concentrados há dois dias, nada é por acaso. O pessoal de fora está dando a retaguarda, está sendo crucial. Era uma final, o importante é somar pontos. Jogamos muito contra o Red Bull Bragantino e não conseguimos o ponto. Empatamos com uma equipe dificílima, que é o Cuiabá, sabíamos que seria um jogo difícil. A molecada está de parabéns, os jogadores estão atrás do objetivo. Estão fazendo o que a gente pede. Vitória maiúscula. Temos ainda muito o que fazer no campeonato. Pés no chão para continuar trabalhando.

Qual o seu plano tático para vencer o Goiás?

– O forte do Goiás é a bola aérea. A nossa linha defensiva fez uma das melhores partidas pelo clube. Tanto o Nonato como o Jean, fechavam a linha no meio. Procuramos fechar esses cruzamentos. No contra-ataque, tivemos ansiedade. Estávamos cientes de que teríamos que marcar muito, o Nonato foi até onde deu, o Lucas Lima entrou bem, o Mendoza também. O planejamento foi traçado e bem executado. Quem está entrando, está indo bem. Sentimos a falta do Soteldo.

O que dá para imaginar contra o São Paulo?

– Para hoje, não tivemos treinamento. Fomos ao gramado só para dar uma mexida, quem jogou não fez absolutamente nada. Quero agradecer ao Atlético-GO, que cedeu o CT. Temos dois dias de novo para ir para um clássico e vamos esperar até o último segundo para definir a equipe. A diretoria está fazendo de tudo. Vamos voltar ainda hoje de fretado para São Paulo para que eles tenham mais descanso. Nesta sexta-feira eles folgam, e de noite se apresentam ao CT para já focarmos no São Paulo.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Bruno Lima nasceu em Santos (SP) e se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Santos (UniSantos) em 2010. Antes de escrever para Trivela, passou por A Tribuna
Botão Voltar ao topo