Brasileirão Série A

Endrick brilha (de novo) e deixa Palmeiras a um jogo de ser campeão brasileiro (de novo)

O Palmeiras está muito próximo de conquistar o bicampeonato brasileiro consecutivo, seu 12º título no total

Com um show de Endrick, que literalmente brilhou desde o primeiro minuto, o Verdão fez 4 a 0 no América, o lanterna do Campeonato Brasileiro. O camisa 9 do Verdão abriu o placar no primeiro minuto. Veiga ampliou aos 39 do 1º tempo. E López fez dois no segundo tempo.

Com o resultado, o Palmeiras chega a 66 pontos, e é o único que ainda pode chegar aos 72. O Botafogo, que ia batendo o Coritiba, com um pênalti aos 51 do segundo tempo, levou o empate aos 54 e só faz 69.

Se o Verdão bater o Fluminense no domingo (3), e Flamengo, Atlético-MG e Botafogo não vencerem seus jogos – contra Cuiabá, São Paulo e Cruzeiro, respectivamente – o Palmeiras já poderá dar a volta olímpica a daqui quatro dias, em seu estádio.

Bom público com palco no Gol Norte

Sem poder vender 30% da capacidade do estádio, o Palmeiras levou 29.717 pessoas ao Allianz Parque. Público que pode ser até maior, se o Palmeiras colocar um telão atrás do palco no gol norte conttra o Fluminense, como fez diante do São Paulo, na final do Paulista de 2022. Na ocasião, opúb,ico supero 31 mil pagantes.

Palmeiras poderia ter feito quatro ou cinco no 1º tempo

O desempenho do Palmeiras foi espantoso, em especial com Endrick. Atuando solto pelo ataque, com Rony mais preso ao lado do campo, o centroavante fez 1 a 0 pouco depois do apito inicial.

Veiga bateu na área em cobrança de falta. Rony não alcançou, mas o rebote sobrou para Endrick bater de fora, no canto esquerdo do goleiro, sem chance.

O Palmeiras abandonou o esquema com três zagueiros, que fez o Palmeiras ressuscitar. E o esquema com Rony aberto paracia que ia dar certo. Não saberemos, porém.

Aos 3, Rony saiu cara a cara com o goleiro Jori, após enfiada de Richard Ríos. Rony faltalmente driblaria, o arqueiro, que pulou e atingiu, com o joleho, o atacante do Verdão no braço, na altura do pescoço.

O golpe foi violento, mas o bandeira sinalizou impedimento, de modo que a infração não existiu – muito embora o lance tenha sido checado pelo VAR para expulsão por agressão, descartada.

Rony ainda segiu em campo, mas, aos 9, pediu substituição com muitas dores no braço. O jogador nem ficou no estádio até o fim do jogo, e foi para o hospital ser examinado. Artur entrou no lugar do 10 e foi bem assim que entrou, quase ampliando em seu primeiro lance.

Aos 36, Endrick ia fazendo um golaço, após tabela com Veiga na entrada da área. O camisa 9 dá dois dribles, antes de bater no cantinho direito de Jori, que faz defesaça. Algo que não conseguiu aos 39.

Veiga bateu falta sofrida por Endrick. Após o cruzamento, Éder fez contra. Se ele não fizesse, Murilo, logo atrás dele, provavelmente faria: 2 a 0.

Palmeira segue muito melhor e amplia

O Palmeiras voltou muito bem para o segundo tempo, e as chances foram se sucedendo. Com, Endrick, no primeiro minuto, por exemplo.

Com Murilo, aos 6. Com Zé Rafael, aos 9, após jogada ensaiada e cavadinha de Veiga sobre a barreira, que o volante não alcançou. Com Artur, aos 12.

Essa foi a tônica do segundo tempo inteiro. O Palmeiras não parava de criar. Nenhuma chance, porém, foi tão clara quanto de Breno Lopes, aos 16. Cara a cara com o goleiro, após passe de Endrick, o camisa 19 bateu por cima.

O Palmeiras ainda teve ótimas chances com Jhon Jhon e Flaco López. E seria o argentino quem ampliaria, aos, 42, após ótimo cruzamento de Piquerez. E fecharia a conta, aos 45.

Torcida comemora gol do Coxa

Decepcionada com a vitória tardia do Botafogo, que parecia inevitável, o palmeirense que permaneceu no estádio ainda consegiu comemorar o gol do Coritiba.

Estatísticas


Posse de Bola:
Palmeiras 46% x 54% América
Finalizações:Palmeiras 25 x 4 América
Finalizações certas: Palmeiras 11 x 1 América
Faltas cometidas: Palmeiras 9 x 15 América

Próximos jogos do Palmeiras:

03/12 – Palmeiras x Fluminense- Allianz Parque – 16h
06/12 – Cruzeiro x Palmeiras – Mineirão – 21h30

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023
Botão Voltar ao topo