Brasileirão Série A

Palmeiras tem Breno abatido no vestiário e operação abafa nas entrevistas

A julgar pelo discurso de Abel e Veiga, Palmeiras não deve punir Breno Lopes com rigidez

Breno Lopes poderia estar em êxtase após, mais uma vez, salvar o Palmeiras nos minutos finais de uma partida, ao fazer o gol da vitória contra o Goias, na sexta-feira (15). Em vez, disso, o camisa 19 era o retrato do remorso.

Meio atônito, após ter mostrado o dedo do meio e xingado a torcida organizada do Palmeiras na comemoração pelo gol, segundo relatos, Breno ficou em silêncio no vestiário. Com o olhar vazio de quem sabe que errou. Mas, a julgar pelo discurso de Abel Ferreira e Raphael Veiga, a punição a ele, se houver, não será das maiores.

“Temos um grupo pequeno, e ainda menor com a lesão do Dudu. Nós precisamos dos nossos jogadores todos e de estar cada vez mais unidos”, disse o técnico, que blindou seu atleta diante dos microfones no Allianz Parque. 

“O importante é que o Breno fez o gol da vitória, era disso que precisávamos. É um jogador que não vem jogando tanto quanto gostaria. Mas é um jogador que eu confio e gosto, que tem o nome marcado na história. E, acima de tudo, tem o gol”, completou.

“Eu mesmo sou muitas vezes o primeiro a perder a cabeça. Fui expulso nem sei quantas vezes, embora isso tenha mudado um pouco”, disse o técnico.

Os números de Breno nos acréscimos dos jogos são impressionantes. Somados os dados desde 2021, ele é o jogador com mais gols em acréscimos dentre todos os jogadores da Série A do Brasileiro:

O mais célebre foi o que deu o título da Libertadores de 2020, aos 54 minutos do segundo tempo, contra o Santos, em 30 de janeiro de 2021. Em 2023, além do gol contra o Goiás, ele anotou aos 51 do segundo tempo contra o Fortaleza, na vitória por 3 a 1, de 22 de julho.

Pela Libertadores, ele tem ainda um gol contra o Emelec (EQU), em 2022, aos 47 (vitória por 3 a 2). Bahia, Atlético-GO duas vezes, Grêmio e Red Bull Bragantino já foram vítimas dele.

“Fração de segundos”

Um dos líderes do grupo, Raphael Veiga foi na mesma linha do chefe ao falar sobre Breno Lopes.

“No futebol, tem momentos em que é difícil controlar as emoções. Eu, dentro de campo, já perdi a cabeça, briguei com árbitro. Tem momentos que a gente não controla”, disse o meia. 

“São frações de segundos. Mas queremos a torcida do nosso lado. São momentos decisivos, no Campeonato Brasileiro e na Libertadores”, completou. Indagado se acredita que essa história vai terminar bem, Veiga se mostrou esperançoso: “Eu espero que sim”.

Weverton, um dos que seguraram Breno no campo, também foi na mesma direção: “Foi um momento de desabafo”, disse o goleiro, que o chamou ainda de “Rei dos acréscimos”.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023
Botão Voltar ao topo