Brasileirão Série A

Após 1º turno, diferenças de propostas dos candidatos à presidência do Internacional ficam claras

Candidatos à presidência do Internacional, Alessandro Barcellos e Roberto Melo divergem em pontos como executivo de futebol

Na última terça-feira (7), o Internacional realizou o primeiro turno da eleição para a presidência do clube, restrita ao Conselho Deliberativo. 301 conselheiros votaram, sendo 150 para o atual presidente, Alessandro Barcellos, e 130 para o candidato de oposição, Roberto Melo, além oito brancos e 13 nulos. Como nenhum dos candidatos obteve 85% votos, que já definiriam o pleito, caberá aos sócios colorados decidirem, no dia 9 de dezembro, quem comandará o Inter no triênio 2024-2026.

A partir desse momento simbólico, mas importante da eleição, ficaram mais claras as diferenças entre os candidatos. Tanto Barcellos quanto Melo falaram sobre suas propostas em entrevistas à imprensa. Apoiadores dos dois também se manifestaram, evidenciando alianças.

Ex-presidentes estão com Melo

Os mais recentes ex-presidentes do Inter estão com Melo, que faz parte do Movimento Inter Grande (MIG). Isso vale para Fernando Carvalho, que conquistou a Libertadores da América e o Mundial de Clubes, em 2006; Giovanni Luigi, mandatário de 2011 e 2014, época da reforma do Beira-Rio; e Marcelo Medeiros, que antecedeu Barcellos, e de quem Melo foi vice-presidente de futebol, de 2017 a 2019.

Por outro lado, Barcellos conta com o apoio de alguns ex-vice-presidentes de futebol, como é o caso de Roberto Siegmann. Entretanto, é um apoio muito mais pela rejeição a Melo, a quem proferiu duras críticas pela ligação com Fernando Carvalho.

— O candidato dito de oposição, que trabalhou comigo quando eu fui vice-presidente de futebol, é uma imitação paraguaia, com perdão aos paraguaios, do Fernando Carvalho. O modelo dele é o Fernando Carvalho, e ele não esconde isso. Só que o Fernando já foi e pensa que ainda é — disparou.

Delcir Sonda

Além de Carvalho, outro aliado de Melo é o empresário Delcir Sonda, que no passado providenciou aporte financeiro para o Inter realizar contratações. Se eleito, o candidato de oposição utilizará brecha no estatuto do clube para criar uma vice-presidência de investimentos, que será ocupada por Sonda.

Empresário Delcir Sonda já investiu no Internacional em outras oportunidades. Foto: Divulgação/SC Internacional

— O Delcir é um empresário de muito sucesso. Cara que saiu lá de Erechim, carregando arroz, para se tornar um dos maiores atacadistas do país. Tem muitos contatos, relacionamentos, e vontade de ajudar o clube. É um apaixonado pelo Inter, e quer ajudar o Inter no final de sua vida. Vamos criar maneiras que ele possa investir no clube para formarmos um grande time, para construirmos nosso CT, dar estrutura para melhorar todas condições do clube — explicou Melo.

Executivo de futebol

Outra diferença entre Melo e Barcellos envolve a figura do executivo de futebol. O cargo está desocupado no Inter desde a saída de William Thomas, demitido em maio deste ano, após derrota no clássico Gre-Nal. O atual presidente é contra a ideia de um profissional “superpoderoso” no departamento de futebol.

Alessandro Barcellos demitiu William Thomas em maio e não buscou outro executivo de futebol. Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional

— Acho que a gente conseguiu, nesses três anos, não só no Internacional, como em vários clubes no Brasil, mostrar a diferença que tem entre os superpoderes que eram dados a uma ou duas pessoas, e a condição que tem o trabalho coletivo. Cada vez mais estou convencido de que a figura de um executivo superpoderoso tem seus dias contados. Você precisa ter uma equipe de mercado, performance, ciência de dados, scout, que estejam organizadas, com a relação do vestiário também. E acho que hoje temos uma equipe que responde bem a isso, comandada pelo Magrão [gerente esportivo], com a presença de profissionais de outras áreas — opinou Barcellos.

Do outro lado, Melo, que bate na tecla da profissionalização, não concorda com isso. Na sua época de vice-presidente do departamento de futebol, ele trabalhou ao lado de Rodrigo Caetano, um dos mais renomados executivos do Brasil.

Quando vice-presidente de futebol, Roberto Melo trabalhou ao lado de Rodrigo Caetano. Foto: Ricardo Duarte/SC Internacional

— Acho que o Inter não pode ficar muito tempo sem ter um executivo no seu futebol. Sem um coordenador técnico no seu futebol. O Inter tem que priorizar os profissionais. É isso que nossa gestão vai fazer. Aqueles profissionais competentes, qualificados, que tenham experiência, que já tenham vencido, que saibam o caminho das vitórias e, principalmente, aqueles profissionais que conheçam a história do nosso clube, a cultura, nossa torcida — pontou.

Entre os nomes especulados para comporem o departamento de futebol em caso de vitória de Melo estão Abel Braga, atualmente diretor técnico do Vasco, e D'Alessandro, que é coordenador de futebol do Cruzeiro. Porém, o candidato não confirma publicamente a negociação com os dois, e nem julga correto anunciar durante a eleição.

Coudet

Tanto Barcellos quanto Melo falaram sobre o interesse de permanecer com o técnico Eduardo Coudet para a próxima temporada. Porém, a dúvida é se o argentino, que tem contrato se encerrando ao final deste ano, trabalharia com Melo.

Permanência de Coudet para 2024 passa pela eleição. Foto: Maxi Franzoi/IconSport

Embora tenha sido responsável por ir a Argentina fechar com Coudet pela primeira vez, no final de 2019, Melo é alinhado com Marcelo Medeiros, com quem o treinador teve atrito em sua primeira passagem. Depois de deixar a presidência do clube, Medeiros criticou abertamente Coudet, citando sua incapacidade de ganhar Gre-Nal.

Já com Barcellos, Coudet goza de ótima relação, desde quando o atual presidente era vice de futebol, em 2020. O argentino sempre foi o treinador dos sonhos do mandatário, que o trouxe de volta para sua segunda passagem pelo Inter, em julho deste ano.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas WagnerSetorista

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo