Brasileirão Série A

Felipão ignora vaias em vitória do Atlético-MG: ‘Ganhamos o jogo, acabou o assunto’

Felipão foi vaiado após tirar Paulinho para repor a defesa, mas ele ignora isso e só se importa com a vitória

Mesmo com um jogador a menos, o Atlético-MG conseguiu vencer o Goiás e se reaproximou do G4. Durante o jogo, após a expulsão, Felipão foi vaiado pela torcida por ter escolhido Paulinho para sair para recompor a defesa. O treinador minimizou a questão e e disse que vai fazer o que quer.

Aos 10 minutos do primeiro tempo, Igor Rabello errou em um lance e cometeu uma falta na entrada da área, levando o cartão vermelho direto. Para repor a zaga, Felipão decidiu colocar Jemerson. O escolhido para sair foi Paulinho, artilheiro da Arena MRV. Felipão ouviu muitas vaias e foi chamado de “burro” por parte da torcida.

Questionado pela Trivela sobre as vaias, Felipão foi curto e grosso: “Se eu tirasse o goleiro, tinha que colocar alguém no gol. Eu tinha que tirar um. O Hulk ou o Paulinho. Eu não ia colocar zagueiro? Se eu não colocasse, iam encher meu saco. Eu colocando, me encheram o saco. Eu vou fazer o que quiser. Ganhamos o jogo. Acabou o assunto”.

Mais a frente, ao ser perguntado se ele acha que merece mais reconhecimento pelo trabalho feito, já que o Atlético é o líder do returno e a melhor defesa do Campeonato Brasileiro, ele disse que já está acostumado e foi irônico na resposta:

– O que eu recebo está bom. Já estou preparado para muita coisa. Tenho 75 anos, 50 de futebol. Ganhou está bom e perdeu está errado. É assim, não vai mudar. Nem aqui e nem na China, sei lá, o dia que eu for pro inferno, talvez seja diferente. Falar com o diabinho para ver se dá para ser diferente.

Mudança de Jemerson por Rabello

Expulso, Igor Rabello foi titular pela primeira vez após uma lesão que sofreu. Ele entrou na vaga de Jemerson, que não faz boa temporada e, depois de marcar o gol contra que deu a vitória para o Cruzeiro no primeiro clássico da Arena MRV, passou a ser perseguido pela torcida. Felipão voltou a cutucar a torcida e afirmou que tirou o zagueiro para preservá-lo:

– A gente tenta preservar algumas situações. Já que o Jemerson é tão odiado, que quando aparece o nome dele no telão é vaiado. E é jogador nosso. Um dos melhores. A gente então tenta preservar um pouquinho ele. No próximo jogo deve atuar.

Igor Rabello era um pedido que a torcida também fazia nas redes sociais. Felipão explicou que a entrada dele também foi para melhorar a saída de bola do time atleticano. Sobre o erro do zagueiro que culminou na expulsão dele, o treinador preferiu minimizar:

– Isso se erra. Um jogador acerta 10 e erra uma. Acho que por falta de jogo, confiança demais na jogada, quando o Igor se deu conta, o menino já tinha tomado a bola e prejudicado a jogada. O que vale em cima disso é a atitude dos outros jogadores, que foi espetacular no restante do jogo, com muita dedicação e por isso conseguimos o resultado. Não dá para criticar o Igor, pois erros acontecem.

Desempenho do Atlético

O Atlético teve um início de jogo ruim contra o Goiás, deixando muito a desejar. Felipão concorda com isso e entende que faltou aproximação e trabalho de bola do time nos minutos iniciais: “Quando o Paulinho passou para a ponta direita e veio o Zaracho para o meio, tivemos mais a bola de pé em pé. Conseguimos que o Goiás ficasse um pouco desaforado. Trabalhamos a bola mais próximo um do outro”, disse o treinador.

Questionado sobre a instabilidade do time do Atlético ,que costuma fazer um tempo bom e o outro ruim, ou uma parte do tempo ruim e outro bom, Felipão explicou que é assim com todos os times e até nas nossas vidas: “A gente tem dificuldades, alterna bons e maus momentos e temos que saber que é assim, e é assim que vamos nos classificar e estamos trabalhando”.

Com a vitória, o Atlético chega aos 57 pontos, ultrapassa o Flamengo (que tem um jogo a menos), chegando ao 5° lugar e colando em Grêmio e Red Bull Bragantino, que tem 59 cada. A distância para o líder, que agora é o Palmeiras – único do G6 além do Galo que venceu -, é de apenas cinco pontos.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo