Brasileirão Série A

Felipão segue evitando falar em título, mesmo com o Atlético-MG cada vez mais perto da liderança

Apesar do Atlético diminuir a diferença para a liderança a cada rodada, Felipão segue se esquivando ao responder sobre as chances de título do time

O Atlético-MG amassou e venceu o Grêmio por 3 a 0 na noite deste domingo (26), na Arena MRV. O resultado do Galo e dos adversários estão fazendo o grupo de jogadores e, principalmente, a torcida sonharem. No entanto, Felipão mantém os pés no chão e ainda não fala abertamente sobre essa possibilidade. O treinador ainda se disse chateado por ter vencido seu time do coração, mesmo assim, queria mais gols se pudesse.

Multicampeão pelo Grêmio, time que nunca escondeu torcer, Felipão comentou a vitória do Atlético sobre o seu time do coração ao afirmar que, por um lado, estava chateado com o resultado: “Deixa eu dizer que também estou chateado. Sou um profissional que trabalha pelo Galo, mas sou gremista de nascimento de coração. Hoje ganhamos do nosso time. Dói. 3 a 0, mas se pudéssemos ganhar de cinco ou seis, ganhávamos”.

O placar de 3 a 0 refletiu bem o que foi o jogo, com o Atlético sendo muito dominante e criando inúmeras chances. Se Felipão queria mais gols, o time dele teve muitas oportunidades para isso. O Galo não fazia três ou mais gols desde abril, quando, ainda com Coudet no comando, fez 4 a 0 no Cuiabá. Para Felipão, não teve algo muito diferente no time para finalmente conseguirem uma vitória por esse placar.

– A gente fica pensando no que pode fazer, mas estamos só tentando colocar em prática o que os jogadores colocam nos treinos. Não fizemos muito diferente. O time vem se organizando e acho que eles estão confiando mais na comissão e nós confiando mais na forma de jogar. Eu tinha uma forma de equipe que imaginava, e eles foram se moldando e entendendo, acrescendo algumas valências. Temos pouca gente lesionada e aí dá pra gente ir mantendo o esquadrão principal dentro de uma fórmula. Acho que é isso que estamos fazendo.

Questionado pela Trivela de porque o Atlético não apresentou esse futebol nos outros jogos, Felipão foi direto ao falar que é pelo adversário não ser sempre o mesmo e ainda assimilou a algo do dia a dia: “Um dia a gente toma banho, outro não toma. Um dia a gente come feijão e no outro dia não come. Não vamos fazer sempre a mesma coisa. Até em casa não fazemos a mesma coisa sempre”.

Jogadores decisivos tem o dedo de Felipão

A grande surpresa da partida foi a entrada do meia Edenilson no time de Felipão. Questionado pela torcida, o jogador teve seu nome vaiado no anúncio das escalações, assim como Jemerson, que vem sendo perseguido desde que marcou o gol contra que deu a vitória para o Cruzeiro no primeiro clássico da Arena MRV.

Felipão explicou que a entrada de Edenilson foi baseada no que ele e a comissão analisaram que o Galo precisava para essa partida em específico. E deu certo. O volante foi um dos destaques do Alvinegro. Melhor ainda que ele foi Jemerson, que também ganhou elogios do treinador.

– Dou meus parabéns a quem vaiou. Não ouvi (as vaias), estou ficando surdo. Ouvi a torcida gritar no fim do jogo que acreditava. Se o Jemerson foi vaiado, respondeu com nota 9,5 hoje, não foi 10 por pouco. E o Edenilson, vamos dar nota 9, se dá pra vaiar, façam suas escolhas.

As vaias aos jogadores aconteceram antes deles entrarem em campo para aquecer na Arena MRV, quando o locutor do estádio anunciou a escalação. Felipão não ouviu pois ainda estava nos vestiários.

Felipão evita falar de briga por título

A torcida do Atlético, mais uma vez, soltou o famoso grito de “Eu Acredito” após o terceiro gol e também depois do apito final. Com as brechas dadas pelos times à frente na tabela, o Galo segue com uma chance de título que, no momento, é pequena, mas o suficiente para o torcedor acreditar. Felipão, no entanto, evita comentar sobre essa chance.

– Na minha comissão tem o Victor, o homem do “Eu Acredito”, tem o Réver, o Léo (Silva), e alguns que estão lá. Ficamos satisfeitos pois a torcida nos dá um apoio e nos ajuda. Vamos ver. Nós acreditamos no objetivo, que hoje, no G6, temos oito pontos de vantagem para o Athletico-PR (7°). Vamos brigar agora por um outro objetivo (G4). Se nos derem alguma chance (de título), quem sabe, vamos mineiramente devagar. Não sou mineiro, mas estou aprendendo.

Felipão relembrou que, quando a campanha de recuperação do Atlético começou, no fim do primeiro turno ao vencer o São Paulo, eles entendiam que o máximo que o time ia fazer era 45/50 pontos. Mas, o time foi “galgando posições”, como ele citou, e hoje está em uma posição melhor, podendo sonhar com algo grande: “Deram chance para a gente sonhar com algo diferente e vamos buscar isso no decorrer da semana. Temos um jogo importante na quarta-feira, que pode decidir muita coisa”.

Decisão na próxima partida

Na próxima quarta (28), como Felipão citou, o Atlético tem o grande jogo da temporada, que deve definir o que o time vai fazer nas duas últimas rodadas. O Galo encara o Flamengo, que tem três pontos à frente e é o líder do Campeonato no momento. O duelo acontece no Maracanã, às 19h30.

– A próxima partida, como estamos fazendo aqui, são decisões difíceis. Esse é um jogo importantíssimo para nós, pois nos deram … não, nos deram não, nós fizemos por merecer a oportunidade que vai acontecer quarta de jogar uma partida decisiva contra o Flamengo visando uma colocação melhor ou até algo mais (liderança) dependendo de outros resultados.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo