Brasileirão Série A

O futebol foi segundo plano, mas existiu: Cruzeiro perde para o Coritiba e enrola corda no pescoço

Róbson marca para o Coritiba no último lance e aumenta o calvário do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro

O Cruzeiro foi derrotado pelo Coritiba, fora de casa, na Vila Capanema, pelo placar de 1 x 0, em jogo válido pela 34ª rodada do Brasileirão. Robson, aos 46 minutos da 2ª etapa, marcou o único gol da partida, que aumenta ainda mais o desespero da Raposa para permanecer na elite do futebol brasileiro. Mesmo criando mais oportunidades e finalizando mais do que o dobro de vezes do time paranaense, tudo parece culminar para um desfecho trágico na temporada do time mineiro.

Com o resultado, o Cruzeiro estacionou na 17ª colocação com 37 pontos e ainda pode ser ultrapassado pelo Goiás, caso o Esmeraldino vença o Atlético-MG, fora de casa, neste domingo, às 18h30. Lutando com todas as suas forças para evitar o descenso, o Coritiba tenta uma recuperação que parece impossível, mas o resultado deste sábado dará uma moral incondicional ao Coxa, que ainda precisa torcer muito contra seus concorrentes para tentar escapar do Z4 do Brasileirão.

Entretanto, apesar de toda a narrativa da partida, que foi emocionante, principalmente pelo gol marcado no último lance do jogo, o resultado fica em segundo plano, tendo em vista as cenas, no mínimo lamentáveis, de violência explícita que a torcida do Cruzeiro e a do Coritiba protagonizaram ao final da partida.

Durante a checagem do VAR para a confirmação do gol do time paranaense, a torcida da Raposa, indignada com mais um revés do time, acabou tomando uma atitude impensada e invadiu o campo de jogo.A torcida paranaense não ficou para trás e também pulou o vidro de proteção ao gramado e partiu para a briga com os adeptos mineiros. A polícia precisou intervir para evitar que uma tragédia maior não ocorresse.

Cruzeiro e Coritiba se anulam em primeiro tempo de poucas emoções

A primeira etapa de jogo na Vila Capanema, que voltou a ser a casa do Coritiba após seis anos, foi de poucas emoções. Durante os primeiros 30 minutos de jogo, Papagaio pelo lado cruzeirense e Andrey do lado paranaense foram os únicos que conseguiram criar algum perigo, mas acabaram finalizando fraco contra a meta de Gabriel e Rafael Cabral.

O Cruzeiro mesmo fora de casa, tentou atacar e pressionar o time do Coxa, que se limitava a defender e buscar os contra-ataques para tentar criar algum perigo contra a meta mineira. Após os 30 minutos, Machado e Nikão tiveram chances importantes e chegaram a assustar a torcida do Coritiba em chances dentro da área. Já o Coritiba respondeu em um contra-ataque que poderia ter sido mortal aos 49 minutos.

Leandro Castá e Neris falharam de forma incrível na tentativa de afastar o perigo, e a bola sobrou limpa para o argelino Slimani, que adiantou demais e acabou abafado por uma saída brilhante do goleiro Rafael. Na segunda parte da jogada, a bola chegou a ficar viva e o arqueiro cruzeirense deixou a área para dar um carrinho e evitar um novo arremate, a saída foi fundamental para manter o placar zerado ao final do primeiro tempo

Raposa é punida no fim, e torcida mineira perde a razão

No segundo tempo, o Cruzeiro foi em busca de pressionar mais e tentar acertar as finalizações, o que não aconteceu nos 45 minutos iniciais. Porém, logo no primeiro lance de ataque do time mineiro, o torcedor começou a ficar preocupado com o desempenho da Raposa em campo. Aos cinco minutos, Marlon cobrou lateral para Matheus Jussa na entrada da área. O volante estava pressionado, e mesmo assim, dominou e chutou de qualquer maneira, mandando a bola para longe do gol.

Aos oito minutos foi a vez de William receber de Jussa pelo meio e bater firme para o gol de fora da área. A bola desviou em Reynaldo e bateu caprichosamente no travessão, saindo para escanteio. Aos 15 minutos, o time do Coritiba respondeu com Gómez, que avançou com liberdade pelo meio e finalizou firme, a bola bateu na cabeça de Victor Luís e por pouco não engana o goleiro Rafael Cabral.

O Cruzeiro seguia na sua busca pelo gol e aos 20 minutos teve mais uma chance incrível desperdiçada. Após cruzamento na área, a bola foi ajeitada com carinho e açúcar para Matheus Pereira, que há poucos metros do gol, não conseguiu dar o direcionamento correto na hora da cabeçada e facilitou o trabalho de Gabriel, que espalmou para escanteio, salvando o Coritiba.

Para trazer ainda mais desespero à torcida do Cruzeiro, Bruno Rodrigues chegou a ter um gol anulado aos 34 minutos. William avançou com liberdade pelo lado direito e cruzou na medida para o atacante, que se movimento nas costas do defensor, dominou e chutou com categoria, sem chances para Gabriel. Entretanto, apesar do auxiliar não ter marcado impedimento, o VAR impugnou a jogada.

E como tudo que está ruim pode piorar ainda mais, como um filme de drama, com um fundo musical triste e melancólico, o Coritiba marcou seu gol aos 46 minutos, com Róbson. Após cobrança de falta pelo lado direito, o jogador do Coxa apareceu nas costas da defesa para marcar o gol da vitória e da renovação da esperança por parte do Alviverde Paranaense.

Do lado cruzeirense, fora as cenas lamentáveis de briga entre as torcida dos dois times, fica a mensagem de que se nada for feito, a Raposa estará na Série B novamente, um ano após um título brilhante conquistado na temporada passada.

 

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo