Brasileirão Série A

Coudet faz desabafo e exalta Barcellos em semana da eleição do Internacional

Após vitória sobre o Botafogo no último jogo da temporada, Eduardo Coudet desabafou sobre seu trabalho e exaltou o presidente Alessandro Barcellos, que concorre a reeleição no Internacional

O final de temporada em alta no Internacional, com quatro vitórias consecutivas, deixou Eduardo Coudet mais à vontade para falar o que pensa. Após o triunfo por 3 a 1 sobre o Botafogo, na noite desta quarta-feira (6), pela última rodada do Campeonato Brasileiro, o treinador colorado desabafou, defendendo seu trabalho, e exalou confiança no presidente e amigo Alessandro Barcellos, que no próximo sábado (9) busca reeleição contra Roberto Melo, candidato de oposição.

Coudet deixa claro que tem mais confiança em Barcellos do que em Melo

Com contrato se encerrando neste mês, Coudet aguarda a eleição para ter seu futuro definido. Se Barcellos ganhar, renovará contrato. Se Melo for o vencedor, o cenário é mais incerto.

— Gosto muito do clube, tenho muitos amigos aqui, gosto muito da torcida, da pressão que tem o clube também. Mas falei sempre o mesmo: eu só vou falar depois da eleição. Obviamente conheço mais a gente que está hoje no clube, a intenção que tem para o futuro, o investimento. Não conheço tanto o lado de Roberto [Melo]. O Inter tem boas intenções, e o presidente poderá melhorar no lado esportivo com o investimento — destacou Coudet. A projeção do grupo de Barcellos é de que de R$ 80 a R$ 100 milhões poderão ser investidos em contratações.

Roberto Melo também entrou em contato com Coudet. Mas o treinador deixou claro que sua relação com os dois candidatos é bem diferente.

— Ele [Melo] falou para mim que tem a intenção, que achava que meu nome está dentro de seu projeto. Obviamente conheço o Roberto, mas não tenho a confiança que tenho em Alessandro. Alessandro conheço sua família. Não só ele, mas muita gente que trabalha no clube — revelou Coudet.

Essa ‘campanha' nem tão velada para Barcellos foi ratificada quando instigaram o treinador a comparar o Inter nos dois momentos em que treinou o clube. Em 2020, Marcelo Medeiros era o presidente, e Roberto Melo o vice-presidente de futebol.

— O clube está melhor. Não tem dívida, e tem uma projeção de fazer investimento importante para ano que vem. Em 2020, não estava assim — afirmou Coudet.

Coudet fala sobre saídas passadas no próprio Internacional e no Atlético-MG

O treinador foi mais além. Falou abertamente sobre o que motivou sua saída do Inter em 2020, quando estava na liderança do Campeonato Brasileiro. Algo que se repetiu, em 2023, no Atlético-MG, de onde saiu em junho, estando no G-4 do Brasileirão.

— Como treinador, sinto que estou mais tranquilo. O tempo te acostuma mais às críticas, sejam boas ou ruins. Tem que se adaptar a diferentes grupo. O que não permito é que me mintam. Como foi 2020, que prometeram uma coisa e não foi. Como aconteceu no Atlético. Foram me buscar para competir com Flamengo e Palmeiras em investimento. E não foi. Tem gente muito boa no clube, ainda tenho comunicação com muita gente. Mas se falam que vão armar um supertime, e depois não? […] Eu saí aqui em 2020 por pedir dois jogadores para brigar pelo Brasileirão. Perdemos três jogadores por lesão de joelho. Fechou a janela e não veio nenhum jogador — revelou Coudet.

Coudet desabafa e defende próprio trabalho: ‘a melhora é abissal'

O treinador também defendeu seu próprio trabalho, contestado em alguns momentos deste ano. Coudet exaltou a evolução da equipe desde que chegou, em julho, para substituir Mano Menezes.

— A melhora é abissal. Sempre digo o mesmo: quando você ganha é um gênio, quando perde é um idiota. Quando coloquei Rochet, reclamaram, quando coloquei Johnny, me chamaram de louco. […] Maurício não tinha nível, e terminou o campeonato em nível absurdo. Se querem falar de números, eu sou especialista. Como fizemos um time que não tinha posse de bola ter mais posse de bola; time que não finalizava, finalizar; time que era o pior ataque do Brasileirão, fazer gols. Às vezes tenho que me defender. Porque falam muito m****. Não sou tão burro — defendeu Coudet.

O treinador, agora, retorna à Argentina. Disse que precisa descansar e ficar perto da família após ano tão intenso. Após a eleição de sábado (9), seu futuro será definido. E Barcellos já disse que, se ganhar, a partir de segunda-feira (11) entrará em contato com Coudet para iniciar o planejamento para 2024.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho. Formado em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Antes de escrever pela Trivela, esteve na Rádio Grenal e na RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo