Brasileirão Série A

Corinthians volta a flertar com a Libra, mas tem plano B na manga por direitos de TV

Novela da negociação dos direitos de transmissão do Corinthians está perto de ter um desfecho, segundo o presidente Augusto Melo

A novela da negociação dos direitos de transmissão do Corinthians ganhou novos capítulos. Na última semana, o presidente Augusto Melo confirmou que está perto de anunciar o desfecho desta história. Após quatro meses de incertezas, inclusive com troca de rota, agora a expectativa é que o Timão continue a ter suas partidas do Campeonato Brasileiro transmitidas na TV Globo, a maior emissora do país.

Na última quarta-feira (10), os representantes dos clubes da Libra participaram de uma reunião em São Paulo para assinar o contrato de direitos de transmissão com a Globo, que contempla o período entre 2025 a 2029. Embora não tenha assinado o acordo, o Timão continua sendo membro da liga liderada por Palmeiras e Flamengo, e enviou o secretário-geral Vinicius Cascone para acompanhar o evento.

A participação na reunião foi só mais um passo no movimento de aproximação que a diretoria corintiana está fazendo relação à Libra. Atualmente, essa é a forma mais fácil de desburocratizar o acordo com a emissora global. No momento, o Corinthians trabalha com duas propostas: a da Libra e a da Brax.

A Libra apresenta as mesmas condições para todos os clubes-membros: divisão de R$ 1,3 bilhão por 40% igual, 30% performance e 30% audiência. A segunda alternativa é a Brax, que oferece R$ 240 milhões fixos para negociar os direitos de forma independente.

— Somos uma das maiores marcas da América do Sul, do país. Tenho que pensar na situação financeira como gestor. O Corinthians dá audiência, dá retorno para o investidor. Quero ganhar como tal, estamos querendo o mínimo garantido. Estamos conversando, mas tentamos chegar um denominador quanto a Globo, a liga, falta pouco. Já chegamos a um denominador comum, até segunda-feira devemos anunciar uma das maiores parcerias do futebol brasileiro — afirmou o mandatário em entrevista ao programa “Os Donos da Bola”, na última quinta-feira (11).

Neste cenário, a Libra é que a mais simplifica o caminho do Corinthians, enquanto a Brax, por mais surja como uma opção mais exclusiva, não tem a mesma credibilidade de um conglomerado de grandes clubes da Série A.

O que é a Libra?

A Libra surgiu em maio de 2022, inicialmente formada por sete clubes: Bragantino, Cruzeiro, Corinthians, Flamengo, Palmeiras, Santos e São Paulo. Entre indas e vindas no grupo, atualmente a organização conta com 16 equipes e teve como mais novo participante o ABC de Natal, rebaixado para a Série C do Brasileirão e que fazia parte da Liga Forte União.

A liga fechou acordo com a Globo para a transmissão do Campeonato Brasileiro no período entre 2025 e 2029. A emissora terá exclusividade das partidas em que os times envolvidos sejam os mandantes.

O Corinthians, que esteve na Libra desde o início das negociações, saiu do grupo para negociar também com a LFU (Liga Forte União), outro bloco de equipes, mas desistiu da decisão e retomou o contato com antiga liga.

O que é a Brax Sports Assets?

Empresa de marketing esportivo, a Brax é o resultado da união de três outras companhias que atendem diversas áreas de negócios no futebol. Um dos carros-chefe da holding de tecnologia são os painéis de LED que ficam localizados nas laterais dos gramados das arenas. A empresa utiliza a mesma engenharia dos equipamentos utilizados pela Fifa na Copa do Mundo.

O Corinthians já possui um acordo com a empresa de marketing para explorar as placas de publicidade da Neo Química Arena. Se a Brax for escolhida na concorrência com a Libra, negociará também com as emissoras pelos direitos de TV do Timão.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo