Brasileirão Série A

Após erros individuais, auxiliar de António tenta blindar Cássio: ‘Perdemos todos’

Na visão de Bruno Lazaroni, Corinthians, que está a 180 minutos sem balançar as redes, foi "infeliz" em partida contra o Juventude

O Corinthians completou 180 minutos sem balançar as redes, nesta quarta-feira (17), ao ser derrotado pelo Juventude por 2 a 0, em Caxias do Sul. Agora, a equipe tem duas partidas pelo Campeonato Brasileiro, sendo um empate e uma derrota, e volta a ter dores de cabeça com o ataque. O setor que havia engrenado sob o comando de António Oliveira, principalmente após a goleada sobre o Nacional-PAR, pela Copa Sul-Americana, voltou a decepcionar.

— Apesar de ter finalizado apenas duas vezes na baliza, tivemos pelo menos três chances de fazer o gol. A maior dela foi no início do segundo tempo, com Yuri, teve também cabeceio do Romero em escanteio e uma outra, de dentro da área, do Yuri. Essa eficiência é importante para ganharmos qualquer jogo. Hoje, infelizmente, fomos infelizes nesse tipo de situação e eles foram mais felizes nas oportunidades que tiveram — afirmou o auxiliar Bruno Lazaroni, que mais uma vez assumiu o lugar de António Oliveira em coletiva, uma vez que o técnico está suspenso.

Além dos erros, a postura da equipe foi um ponto de atenção para a comissão técnica após a partida. Nem mesmo as mudanças perto do final do jogo conseguiram botar o Corinthians para pressionar efetivamente o campo de defesa do Juventude. Muito pelo contrário, o Timão sofreu cerca de 20 minutos de marcação alta dos adversários.

— De maneira geral, o Juventude acabou se tornando mais competitivo do que nossa equipe. A gente bate nessa tecla com os jogadores, independente do adversário a gente tem que competir, guerrear, lutar, isso é histórico no Corinthians, não pode faltar de maneira nenhuma. Não estou falando que faltou, mas eles foram mais competitivos do que a gente — acrescentou.

Cássio falha

Por mais problemático que tenha sido o sistema ofensivo, o principal problema do Timão não foi na frente. Isso porque as duas falhas de Cássio, sendo uma delas na saída de bola, definiu o placar negativo. Mesmo assim, Lazaroni manteve a regra adotada pelo treinador português, de não falar individualmente do desempenho de seus jogadores.

— A gente nunca responsabiliza apenas um jogador, quando perdemos, perdemos todos. Infelizmente, em ambos os gols a bola estava em nossos pés e a gente acabou cometendo erros. A gente reconhece nossos erros, mas temos que dar uma resposta positiva no sábado para mudar esse cenário — ponderou.

Vale ressaltar que essa é a segunda participação decisiva e recente de Cássio em um resultado ruim. No empate diante do Racing-URU, em Montevidéu, pela estreia da Copa Sul-Americana, o goleiro deixou a bola, que definiu o placar, entrar no fim da partida.

Virada de chave

O Timão terá pouquíssimo tempo para absorver a derrota e virar a chave para próxima rodada do Brasileirão. O clube do Parque São Jorge volta a campo no sábado (20), para jogar mais uma vez fora de casa, contra o RB Bragantino, no Nabi Abi Chedid. A bola rola a partir das 18h30 (horário de Brasília).

— É virar a chave. Hoje não fomos eficientes nos momentos em que a gente deveria ser eficiente. Temos que ser uma equipe competitiva, o Bragantino é uma equipe competitiva, principalmente em seus domínios. Se a gente igualar em termos de agressividade, luta e empenho, com a qualidade que temos em termos de jogo coletivo e de jogadores, vamos conseguir sair com vitória no próximo jogo.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo