Brasileirão Série A

Emocionante, disputado, imprevisível: Brasileirão está um deboche de tão bom

Como diria meu amigo João Guilherme: esse Brasileirão está um deboche de tão bom! Sorte a nossa, como amantes do futebol

João Guilherme, atualmente brilhando no Paramount Plus, é um dos grandes narradores esportivos do Brasil. Técnico, agradável, preciso e divertido. Tenho a honra de dizer que aprendi muito com ele em meu início de carreira como comentarista de futebol no vídeo. Entre seus muitos e deliciosos bordões há um que é a cara do Campeonato Brasileiro de 2023: é um deboche!

Peço licença ao meu amigo João Guilherme para pegar o bordão emprestado na análise da reta final do torneio mais empolgante dos últimos tempos.

Quem poderia imaginar que esse Brasileirão seria disputado até a última rodada?

Quem poderia imaginar que um campeonato conduzido sem percalços pelo Botafogo na maior parte do tempo estivesse absolutamente aberto e imprevisível a três rodadas do final?

Segundo o Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais, com nove pontos em disputa, seis equipes ainda reúnem chances matemáticas de título na Série A: Palmeiras (55,3%), Flamengo (19.1%), Botafogo (18,5%), Atlético-MG (3,7%), Grêmio e RB Bragantino (1,7%).  Há somente mais um enfrentamento entre esses postulantes nas rodadas decisivas: Flamengo x Atlético-MG, quarta-feira, 29 de novembro, no Maracanã.

Probabilidades são calculadas com base em dados de desempenho das equipes usando alguns parâmetros como jogos em casa, fora e recorte específico de tempo. O futebol costuma aplicar peças nas probabilidades matemáticas. É isso que faz dele um grande espetáculo esportivo de entretenimento.

Será que algum algoritmo com programação de Curupira ou Saci-Pererê seria capaz de prever a queda vertiginosa do Botafogo? Ou mesmo as recuperações de Palmeiras, Flamengo e Atlético?

Dado o alto grau de imprevisibilidade do futebol brasileiro, nada deve ser descartado, inclusive uma recuperação do Botafogo.

Perfis dos postulantes ao título são muito diferentes, o que enriquece ainda mais a disputa

O líder Palmeiras parecia conformado com a conquista do Botafogo. Mas naquela virada histórica sobre o rival direto os comandados de Abel Ferreira resgataram um caráter futebolístico difícil de ser igualado. Caráter que faz o time capaz der buscar resultados improváveis mesmo quando não consegue jogar bem, como aconteceu no empate diante do Fortaleza. Os próximos adversários são América-MG e Fluminense, em casa, e Cruzeiro, fora. Basta vencer os três jogos que o time precisará impor ao Flamengo a tarefa de 100% de aproveitamento e tirar uma diferença de nove gols de saldo para ser campeão.

O Flamengo conseguiu recolocar o talento nos trilhos. Como possui esse ativo como nenhum outro time, é sempre um candidato. Ainda que o time oscile de jogo para jogo e dentro de uma partida, jogadores que cresceram na reta final como Cebolinha e, principalmente, Pedro, são capazes de resolver jogos e encaminhar o campeonato. Além de vencer Galo e Cuiabá, em casa, e São Paulo fora, o Fla precisa descontar o saldo de nove gols a favor do Palmeiras – desde que  rival tenha 100% de aproveitamento.

Para o Botafogo a tarefa do saldo é mais simples, posto que são apenas três a menos que o Verdão. A questão é o time enfrentar seus demônios. No recorte das cinco últimas rodadas o Fogão é o único dos seis candidatos matematicamente com chances que não obteve vitórias. A tabela obriga o time a derrotar adversários que estão na parte inferior da tabela. O rebaixado Coritiba, fora, o bastante ameaçado Cruzeiro em casa, e o pouco ameaçado Internacional, fora.

Melhor campanha do returno, o Galo de Felipão, injustamente taxado de ultrapassado por alguns, pode decidir a vida do Flamengo e o próprio campeonato no confronto direto. Depois pega o São Paulo em casa e o Bahia, fora. O problema do Galo é que por ter 17 vitórias, precisaria de tropeços de Palmeiras e Botafogo, além de tirar o saldo de sete gols a mais do alviverde.

Grêmio e Bragantino sobrevivem mais com base na estatística. Principalmente o Braga, que soma 59 pontos e apenas 16 vitórias. Embora tenha 18 vitórias, o Grêmio acumula 59 pontos e apenas quatro gols de saldo. O tricolor gaúcho enfrenta dois times da parte de baixo da tabela, Goiás e Vasco, em casa, e pega o desinteressado Fluminense na rodada final, fora de casa. O calendário do Braga envolve drama. Fortaleza em casa, Coritiba rebaixado em casa e Vasco fora. Teoricamente, uma sequência sedutora, mas dos postulantes ao título na aritmética o Massa Bruta é o que mais perdeu no recorte de cinco partidas: três vezes.

O Brasileirão nos oferece um pouco de tudo e muita emoção

Há de tudo um pouco nesse Brasileirão debochado de bom. Inclusive os perigos do rebaixamento que rondam alguns gigantes. Bahia (32,4%), Cruzeiro, (27,9%), Vasco (24,2%), Santos (9,7%), Corinthians (7,0%), Fortaleza (1,7%), Inter (0,22%) e até o São Paulo (0,035%) ainda precisam de pontos salvadores para evitar o “que desagradável!”.

Meu amigo João Guilherme esfregaria as mãos, abriria uma garrafa de um belo vinho e responderia assim a minha afirmação de que o Brasleirão é um deboche: “é mesmo, é?”. Vida longa ao melhor Brasileirão de todos os tempos e ao João Guilherme!

Foto de Mauricio Noriega

Mauricio Noriega

Colunista da Trivela
Botão Voltar ao topo