Brasileirão Série A

Atlético-MG supera legião de desfalques para vencer, mas perde mais três titulares

Atlético já não tinha oito jogadores à disposição, e ainda perdeu mais três titulares importantes e um reserva - mas pelo menos venceu

Recheado de desfalques, o Atlético-MG foi até Bragança Paulista e conseguiu vencer o Red Bull Bragantino por 2 a 1, com uma virada que aconteceu em menos de dois minutos ainda no primeiro tempo. Mas, já sem oito jogadores, o que marcou mesmo a noite do Galo foi a notícia da perda de mais quatro atletas para o time, três por suspensão e outro por lesão — que parece grave.

O Atlético já não tinha Arana, Rubens, Otávio, Alan Franco, Paulo Vitor, Mariano, Hulk e Vargas, alguns por lesão e outros por estarem com suas seleções. Milito, então, teve que montar um time bem diferente, já que não contava com quatro titulares.

Para piorar a situação, o técnico argentino ainda viu o goleiro Everson levar o terceiro amarelo e o meia Matías Zaracho sofrer uma lesão feia no tornozelo, que pode ser grave e o tirar de campo por um bom tempo. Mauricio Lemos saiu do banco e também levou o terceiro amarelo. Nos acréscimos, Battaglia foi expulso.

Um time inteiro de desfalques no Atlético

Com os quatro desfalques que “ganhou” contra o Bragantino, o Atlético chegou a 12 ao todo. Um time inteiro. E não são jogadores quaisquer, são sete titulares, e ainda alguns reservas desses titulares. Esse 12 dariam um time forte, que disputaria forte no topo. Confira:

  • Goleiro: Everson
  • Defensores: Mauricio Lemos, Battaglia (Mariano) e Arana
  • Meias: Rubens, Otávio, Alan Franco, Paulo Vitor e Zaracho
  • Atacantes: Hulk e Vargas

O Atlético volta a campo na próxima segunda-feira (17), contra o Palmeiras, na Arena MRV. Com a vitória em Bragança, o Galo chegou aos 13 pontos e entrou no G6.

Galo apostou na bola longa, que só funcionou no final – e que final

Com tantos desfalques, o Atlético começou o jogo tentando explorar muito a bola longa nas costas da defesa do Bragantino, que joga com linhas altas. Mas essa jogada do Galo não estava entrando e só dava errado. O jogo foi muito truncado, com poucas espaços, os dois times se destacando na defesa e poucos lances ofensivos de sucesso.

Diante disso, o Bragantino acionou uma jogada ensaiada de escanteio para abrir o placar, com Helinho achando Lucas Evangelista sozinho na meia-lua após cobrança curta. O meia bateu de canhota no ângulo de Everson.

O Atlético demorou a entender que as bolas longas não estavam funcionando e o ideal era tentar colocar a bola no chão. Só que o Bragantino marcava muito bem essa saída pelo chão do Galo, e quase sempre conseguiu evitar lançamentos para os alas, algo bem característicos das saídas do time de Gabriel Milito.

A primeira vez que o Atlético engatou uma saída foi aos 40 minutos, com uma arrancada do jovem Cadu que parou em Cleiton. A partir daí, o Galo também engrenou na partida e precisou de dois minutos para virar a partida.

Primeiro, o Bragantino errou na saída de bola e Zaracho roubou. Cleiton tentou consertar, mas também falhou, e aí a bola sobrou para o argentino bater para o gol livre e empatar. Na sequência, Igor Gomes enfim acertou um lançamento, achando Paulinho nas costas da defesa, que arrancou e bateu de canhota, vencendo o goleiro do time paulista e virando o jogo. Tudo isso durou exato um minuto e 51 segundos.

Mais três desfalques pra conta marcam o segundo tempo atleticano

O que parecia uma mudança da água para o vinho no Atlético com a virada no fim do primeiro tempo, virou uma dor de cabeça ainda maior para Milito. Logo no primeiro minuto da etapa final, Matías Zaracho, uma das principais peças do time, sofreu uma lesão feia após Thiago Borbas cair em cima do tornozelo dele.

O argentino deixou o campo de maca e com muita dor. Para quem já tinha oito desfalques, viu Everson levar o terceiro amarelo ainda no primeiro tempo, perder mais um titular foi um golpe duro.

Sem Zaracho, o Atlético focou muito na defesa, tanto que quem entrou em campo foi o zagueiro Igor Rabello — até porque Milito não tinha meias de marcação no banco. Everson trabalhou bem, inclusive com uma enorme defesa ainda nos minutos iniciais da etapa final.

O Atlético até chegou a ampliar, com um gol na raça do jovem Cadu, mas a bola tocou na mão dele e o juiz anulou. No fim, prevaleceu a defesa atleticana, com o Braga não conseguindo assustar muito. Para o Galo, o pior foi ver Battaglia expulso já nos acréscimos, sendo mais um desfalque para Milito.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo