Brasileirão Série A

‘Mais gols esperados’: António Oliveira defende Corinthians na derrota para o Flamengo

Mesmo com derrota por 2 a 0, António Oliveira utilizou dados de gols esperados para justificar atuação do Corinthians contra o Flamengo

Após a derrota por 2 a 0 para o Flamengo neste sábado (11), no Maracanã, pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico António Oliveira, do Corinthians, defendeu a atuação de sua equipe. Na entrevista coletiva, o português trouxe o número de gols esperados (xG) para exemplificar que, na verdade, o problema no revés não foi a nova formação tática com três zagueiros, e sim a ausência de eficácia.

De uma maneira simples, o xG calcula o quanto cada finalização tem chance de virar gol. Ao término do jogo de hoje, o Alvinegro somou 1.85 gols esperados contra 1.37 dos cariocas, segundo o app SofaScore.

António assumiu que realmente o Flamengo teve um domínio maior, especialmente no primeiro tempo, mas tratou o jogo como equilibrado porque, na etapa final, acredita que o Corinthians teve mais a bola.

– Acho que foi um primeiro tempo de domínio territorial e de posse do adversário, com algumas oportunidades que foi criando. Faltou uma profundidade para nós em termos de plano estratégico para podermos eventualmente criar alguma dificuldade no último terço do adversário. Um segundo tempo mais equilibrado, evidente que o adversário já estava ganhando, portanto, o domínio foi maior do Corinthians, tivemos as oportunidades. A estrutura [tática] não teve nada a ver com o resultado do jogo. Repara que os gols esperados do Corinthians foi superior que o do Flamengo e não foi por mudar para linha de quatro defensores [no segundo tempo] que criamos muitas situações de gol.

Em outra fala, o comandante português novamente trouxe números para justificar a derrota, dessa vez destacando a questão dos duelos perdidos – Flamengo venceu 60 contra 51 do Corinthians, segundo o SofaScore. No fim, voltou a falar do xG, dando exemplo de jogos anteriores.

– Tivemos muita taxa de duelos perdidos. É algo que tem acontecido demais na temporada. Tivemos ausência de alguns nomes. Não tendo o Ranielle, o nosso meio-campo perde agressividade. Quem não tem cão, caça com gato. Já ganhei com uma linha de três [zagueiros]. Tem a ver com a atitude e comportamentos. Tem a ver com ganhar a bola e devolver ao adversário. Parece que o adversário esteve sempre por cima do jogo. Não foi uma razão estrutural. Tivemos chances claríssimas com Cacá e Paulinho. Como eu costumo dizer, as vitórias são dos atletas e a responsabilidade será sempre minha quando perdemos.

– Tem a ver com eficácia. Temos que trazer números. Quando temos xG de quase 2, no último jogo foi 2 e tal, tem a ver com eficácia. Se o jogador está na frente do gol e não faz, é eficácia, não é criação [de jogadas] o problema. Se calhar no último jogo não tivemos uma expectativa de gol tão alta e acabamos por fazer dois [2 a 0 contra o Nacional-PAR]. Não há jogos iguais, não é PlayStation ou Football Manager porque se não todo mundo é treinador.

Após seis rodadas, o Corinthians está na 15ª colocação com cinco pontos. Se o Fluminense pontuar contra o São Paulo e o Vasco vencer o Vitória, o clube paulista entra na zona de rebaixamento. Eles voltam a campo já na próxima terça-feira (14), em casa, contra o Argentinos Juniors pela Copa Sul-Americana.

Outras respostas de António Oliveira após Flamengo 2 x 0 Corinthians

Paralisação do Campeonato Brasileiro

– Eu não vou tecer qualquer comentário da paralisação. Acho que a CBF e os clubes chegarão certamente a um entendimento e tomarão a melhor decisão.

Próximo jogo contra o Argentinos Juniors

– Agora são 15 minutos de frustração e não há tempo para lamentar. Agora é converter toda essa frustração em energia para a nossa final que temos terça-feira. Jogamos contra o Fortaleza e o resultado não traduz o que foi o jogo, assim como contra o Bragantino, contra o Atlético-MG. Mas, enfrentamos boas equipes dentro de um processo que estamos construindo praticamente do zero.

Luta por rebaixamento?

– Você [repórter] está a falar nisso na sexta rodada já, no rebaixamento? É isso? Acho que a direção do clube não concorda com esse tipo de pergunta, portanto é evidente que nós sabemos a nossa realidade e vamos trabalhar mais para conquistar mais pontos.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo