Brasil

Implicado em processo na Fifa, Abel está tranquilo e só deve falar após jogo do Palmeiras

Treinador do Palmeiras é acusado de descumprir um acordo para treinar a equipe do futebol do Qatar

Implicado em um processo na Fifa, com uma acusação de descumprimento de um acordo para assumir o Al Sadd, do Qatar, o técnico Abel Ferreira está tranquilo.

A Trivela conversou com pessoas próximas ao treinador do Palmeiras, que afirmaram que o português já tinha ciência de que o Al Sadd estava contestando sua permanência no clube alviverde.

Vale frisar que Abel Ferreira renovou seu contrato com o Palmeiras até o fim do ano que vem em janeiro deste ano. Mas seu vínculo com o Palmeiras já era válido até o fim de 2024.

A interlocutores, Abel confirmou as conversas com o clube catari, mas reiterou que ficou no Palmeiras com convicção, a despeito da oferta salarial incomparável.

“Fiquei e estou onde sempre quis estar”, afirmou o português, de acordo com fontes ouvidas pela reportagem.

No Palmeiras, a impressão é mesmo que Abel está tranquilo e focado. Segundo a Trivela apurou, o clube já tinha ciência do processo antes de a TNT Sports revelar a questão, na sexta-feira (17).

A tendência é que Abel Ferreira não fale sobre o assunto antes da quinta-feira (24), quando o Verdão vai a Ribeirão Preto jogar a volta da terceira fase da Copa do Brasil, contra o Botafogo-SP. Na ida, o Verdão venceu por 2 a 1.

O Palmeiras também não vai abordar o tema para além do que já disse em nota enviada à reportagem na última sexta-feira:

“O Palmeiras está ciente do caso e já vem tomando todas as medidas jurídicas cabíveis.”

Entenda o caso

O técnico Abel Ferreira assinou um pré-contrato com o Al Sadd, do Catar, em novembro de 2023, para assumir o clube nesta temporada. Ao menos, é isso que o clube de Doha alegou à Fifa, que intimou o treinador do Palmeiras a se explicar.

A história foi revelada pelo repórter Rodrigo Fragoso, da TNT Sports, e confirmada pelo Palmeiras à Trivela. O clube se manifestou por meio de uma nota dizendo estar ciente do caso e tomando as medidas judiciais cabíveis.

Segundo a acusação do Al Sadd, as negociações com Abel Ferreira começaram em outubro de 2023. No dia 15 de novembro do mesmo ano, um documento vinculante, equivalente a um pré-contrato, foi assinado. Nele, Abel teria se comprometido a deixar o Palmeiras para assumir o Al Sadd no dia 27 de dezembro.

O Al Sadd alega que Abel Ferreira descumpriu o acordo ao renovar com o Palmeiras, e busca uma compensação de 5 milhões de euros (quase R$ 28 milhões, pela cotação atual) na Fifa. Não se trata de uma multa, mas de uma retratação financeira pelo descumprimento do acordo.

Abel Ferreira já recebeu a intimação da Fifa. Procurados, Abel, por meio de sua assessoria, e Hugo Cajuda, seu empresário, não comentaram o assunto.

A ação do Al Sadd pode ter implicações para o Palmeiras. Se a Fifa determinar que Abel Ferreira violou o pré-contrato com o time do Qatar, o Verdão pode ser acusado de induzir o treinador a esse descumprimento, podendo enfrentar sanções.

E, segundo a intimação da Fifa, a conversa se desenrolou desde a época da eliminação na semifinal da Copa Libertadores, em outubro, até o começo da retomada do Palmeiras no Campeonato Brasileiro, rumo ao bicampeonato.

Em novembro, quando a imprensa estrangeira começou a noticiar o contato de Abel com os catari, a Trivela conversou com Hugo Cajuda, empresário do treinador.

Cajuda se negou a alongar o assunto, mas tampouco negou a existência de uma oferta para fazer de Abel “o treinador mais bem pago do planeta”, como afirmava na época o periódico espanhol Sport:

– Abel está e segue focado apenas e só no Palmeiras e no que resta da temporada. Há duas semanas, a especulação foi sobre Benfica e Al Ittihad, agora uma nova… Não podemos ficar a comentar, a cada duas semanas, notícias que saem, quando o foco do treinador é somente os compromissos que tem pela frente e que são importantes –- escreveu o empresário, por meio do WhatsApp.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo