Sul-Americana

O Bragantino detona o Libertad também em Assunção e se classifica com autoridade à final da Sul-Americana

Cuello e Artur comandaram o triunfo do Bragantino, enquanto Cleiton acumularia grandes defesas no Defensores del Chaco

O Red Bull Bragantino alcança a decisão da Copa Sul-Americana de maneira incontestável. O Massa Bruta tinha aberto o caminho na ida, em Bragança Paulista, ao vencer o Libertad por 2 a 0. E mesmo com a vantagem, o Braga conseguiu se impor dentro do Defensores del Chaco no segundo embate das semifinais. Não seria uma partida tão simples aos brasileiros, com grande pressão dos paraguaios em parte considerável do jogo e uma série de defesaças do goleiro Cleiton, que pegou até pênalti. Se de um lado os paulistas contaram com a atuação inspirada de seu arqueiro, do outro foram cirúrgicos para definir o triunfo em 3 a 1. Artur de novo se destacou, com um gol e uma assistência, enquanto Cuello foi outro protagonista da noite, com dois tentos. Triunfo emblemático do Braga em sua grande epopeia continental.

O Bragantino começou o jogo de uma maneira até mais contida, em busca dos contragolpes, mas não demorou a encontrar o primeiro gol. Aos nove minutos, Cuello recebeu na ponta esquerda e fez uma ótima jogada individual. O argentino limpou o lance para o centro do campo e, da entrada da área, mandou uma patada que desviou ao alto da meta, para tirar Martín Silva da jogada. Com isso, a pressão sobre o Libertad se tornava maior, já que os paraguaios precisavam de quatro tentos para a classificação.

O Libertad ganhou a chance de empatar logo aos 15 minutos, num pênalti cometido por Fabrício Bruno sobre Óscar Cardozo. Contudo, Diego Viera foi patético na cobrança. Chutou fraco e no meio do gol, para o goleiro Cleiton sequer dar rebote. E o arqueiro se tornaria um importante personagem, segurando o abafa dos alvinegros. Ele faria uma boa defesa em tentativa de Cardozo por cobertura. Ainda daria sorte, quando Lorenzo Melgarejo carimbou a trave aos 32, antes de voltar a trabalhar num tiro de Julio Enciso da entrada da área.

Diante da quantidade de oportunidades criadas pelo Libertad, o Bragantino se dava por satisfeito por preservar a vitória. A equipe ainda tinha alguma fluidez pelo lado esquerdo, com Cuello participando bastante, mas a grande chance de ampliar só veio pouco antes do intervalo. Após passe de Praxedes da esquerda, Eric Ramires bateu de dentro da área e Martín Silva também se provou decisivo, com uma grande intervenção com o pé. O Massa Bruta insistiria no final da primeira etapa, mas a vantagem mínima já seria um grande lucro pelas circunstâncias.

O Libertad voltou com um atacante a mais para o segundo tempo e seguiu no abafa. Cleiton logo faria sua primeira defesa da etapa complementar, mas o empate saiu aos sete minutos. Hugo Martínez realizou um cruzamento na intermediária e Melgarejo apareceu nas costas da zaga para definir de cabeça. Logo depois, Cleiton faria um milagre para evitar a virada, num tiro à queima-roupa de Cardozo que bateu em seu peito, também parando o rebote do veterano. O lance foi decisivo não apenas por conter a reação dos alvinegros, como também por anteceder o segundo tento do Bragantino, aos 12.

Homem mais decisivo do Braga nesta Copa Sul-Americana, Artur deixou sua marca também na volta. O ponta rabiscou na entrada da área e fez fila entre os adversários, passando para Cuello livre na esquerda. O argentino bateu rasteiro e anotou mais um. O tento frustrou os planos do Libertad, que perderia o ímpeto e realizaria uma série de alterações, sem efeito. Diante da situação, o duelo caiu de ritmo na sequência do segundo tempo. Cleiton reapareceria quando Melgarejo tento o empate. E a pá de cal do Massa Bruta surgiu aos 38, num grande lançamento de Luan Cândido, para Artur deixar o seu. Fim de festa num resultado gigantesco, com os 5 a 1 no agregado para os paulistas.

O Bragantino disputa uma final continental no terceiro ano de parceira com a Red Bull. Depois do acesso na Série B em 2019 e da boa campanha no Brasileirão passado, o impacto na Sul-Americana fala por si. E ressalta não apenas a qualidade na montagem do elenco, que lida bem com a perda de Claudinho e apresenta novos valores, como também o excelente trabalho de Mauricio Barbieri no comando técnico. A partida no Paraguai até mostrou carências, sobretudo no jogo aéreo, mas os predicados também são claros e pesaram para uma vitória emblemática no Defensores del Chaco.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo