Sul-Americana

Borré vacila e Internacional perde chance de estrear com vitória na Sul-Americana

Em jogo duro, contra o Belgrano, Internacional teve suas melhores chances com Borré, mas o colombiano não marcou, e o 0 a 0 não saiu do placar

Em sua estreia na Copa Sul-Americana, diante do Belgrano, no Estádio Mário Alberto Kempes, em Córdoba, na noite desta terça-feira (2), o Internacional não conseguiu ter o domínio esperado. Ainda assim, teve três boas chances de marcar com Borré, sua principal contratação para a temporada, que fez o primeiro jogo como titular. Mas o camisa 19 desperdiçou, e o zero não saiu do placar na Argentina.

Com o resultado, ambas equipes largam com um ponto no Grupo C, que ainda conta com Real Tomayapo, da Bolívia, e Delfín, do Equador, que se enfrentam na quinta-feira (4), às 23h (horário de Brasília). O Inter volta a campo contra os bolivianos, na quarta-feira (10), às 21h, no Beira-Rio.

Com desfalques por lesão, Internacional e Belgrano iniciaram com mudanças

O Internacional começou com novidades em relação à equipe que disputou o Campeonato Gaúcho. Fernando iniciou na zaga, Thiago Maia estreou no meio de campo, que também teve Bruno Gomes, e, sem Enner Valencia e Lucas Alario, Rafael Borré fez seu primeiro jogo como titular. No 4-1-3-2, o técnico Eduardo Coudet mandou o Colorado a campo com Rochet; Bustos, Vitão, Fernando e Renê; Thiago Maia; Maurício, Bruno Gomes e Wanderson; Alan Patrick e Borré.

No Belgrano, Santiago Longo foi o substituto de Ulises Sanchez, que rompeu o ligamento do joelho após marcar dois gols na vitória por 4 a 1 sobre o Tigre, pela Copa da Liga Argentina, na estreia do técnico Juan Cruz Real. No 4-4-2, o Pirata começou com Chicco; Barinaga, Moreno, Meriano e Troillo; Longo, Rojas, Metilli e Lucco; Suárez e Passerini.

Internacional tem o controle da posse de bola, mas pouco cria no primeiro tempo

Os primeiros minutos de jogo apresentaram empecilhos para as duas equipes. Com o gramado muito molhado pelo sistema de irrigação, primeiro Vitão e depois Meriano escorregaram, mas os ataques não conseguiram aproveitar. O zagueiro do Inter, inclusive, trocou as chuteiras. Aos nove minutos, o Belgrano perdeu Lucco, com lesão muscular. Reyna entrou em seu lugar.

A melhor oportunidade do primeiro tempo foi de Borré. Aos 11 minutos, após lançamento para Bustos, o goleiro Chicco afastou em cima do lateral colorado. A bola sobrou livre para o atacante colombiano, mas o quique da bola o atrapalhou, e ele não conseguiu finalizar para o gol vazio.

Depois de uma primeira metade de primeiro tempo truncada, com muitas disputas, o Inter passou a ter amplo controle da posse de bola. E até conseguia chegar pelos lados, mas pecava nos cruzamentos. As únicas conclusões coloradas na primeira etapa foram de fora da área, em chutes tortos de Wanderson e Bruno Gomes.

Por outro lado, o Belgrano também não assustou. Apenas conseguiu sequência de bolas paradas nos últimos minutos da primeira etapa. Antes de uma delas, Wanderson e Barinaga se desentenderam, e receberam cartão amarelo — assim como Vitão havia recebido, pouco antes, por carrinho forte em Passerini.

Segundo tempo é mais movimentado, e as duas equipes desperdiçam oportunidades

O Belgrano voltou do intervalo com duas trocas: Heredia e Marín nos lugares de Rojas e Suárez. As mudanças tiveram efeito imediato. Em pouco mais de um minuto de segundo tempo, o Pirata criou duas boas chances. Primeiro, Marín cruzou rasteiro da esquerda e Fernando errou o tempo da bola, que sobrou para Passerini. O centroavante limpou de Renê e, próximo à marca do pênalti, chutou forte, sobre o gol. Depois, foi Reyna quem cruzou da esquerda. Fernando e Renê deixaram a bola passar por baixo de suas pernas, e ela sobrou na segunda trave para Barinaga, que chutou torto.

Em um início de segunda etapa frenético, o Inter respondeu aos seis minutos. Após erro do Belgrano, Borré arrancou cara a cara com Chicco, com Moreno no seu encalço. O colombiano adiantou demais e finalizou em cima do goleiro, que abafou bem. Os jogadores colorados reclamaram de pênalti do zagueiro, mas a arbitragem nada marcou.

Desconfortável, o Inter não conseguia ter o mesmo controle da primeira etapa, o que levou Coudet a colocar Bruno Henrique e Gustavo Prado nos lugares de Bruno Gomes e Maurício, aos 13 minutos. O meio-campista de 18 anos, formado no Celeiro de Ases, entrou bem no jogo. Aos 20, descolou belo passe em profundidade para Bustos, que caiu na área após receber contato de Reyna. Novamente, o árbitro nada assinalou.

O Belgrano, que já havia perdido Ulises Sanchez no jogo anterior, e Lucco no primeiro tempo, teve a baixa Passerini, que vinha dando muito trabalho à defesa colorada, aos 32 minutos do segundo tempo. O centroavante lesionou o joelho direito e saiu de campo chorando.

A reta final do jogo voltou a ser truncada, mas Borré teve sua terceira chance de marcar aos 40 minutos. Após cruzamento de Wesley, que havia entrado no lugar de Wanderson, a bola quicou, e o colombiano cabeceou, mas em cima de Chicco, que fez a defesa no susto. Aos 46, depois de novo cruzamento de Wesley, Chicco afastou de soco e, na sobra, Igor Gomes, que entrou no lugar de Bustos, chutou forte, de canhota, à esquerda do gol.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo