Sul-Americana

Fortaleza continua voando na Sul-Americana e vence o Libertad no Paraguai

O Fortaleza construiu o triunfo no primeiro tempo e volta do Defensores del Chaco com um excelente resultado

O Fortaleza faz uma campanha histórica na Copa Sul-Americana. A força do Leão do Pici tinha ficado expressa durante a fase de grupos. E o time de Juan Pablo Vojvoda manteve o ritmo no início dos mata-matas. O Tricolor ganhou logo a ida contra o Libertad, na visita ao Paraguai pelas oitavas de final. Um gol no meio do primeiro tempo abriu caminho à vitória por 1 a 0 no Defensores del Chaco. Não foi uma apresentação tão brilhante dos cearenses, mas o time apresentou enorme segurança para evitar os riscos contra o Gumarelo, que vinha de oito partidas sem derrota. É um grande passo para a classificação antes do reencontro no Castelão.

O Fortaleza entrou em campo com Yago Pikachu, Juan Martín Lucero e Guilherme na frente, além de um meio composto por Zé Welison, Caio Alexandre e Pedro Augusto. Já o Libertad se valia de várias figurinhas carimbadas: Martín Silva, Ivan Piris, Héctor Villalba e principalmente o capitão Óscar Cardozo no comando do ataque. Roque Santa Cruz era alternativa no banco.

Fortaleza encontra o caminho do gol

Os primeiros minutos foram abertos em Assunção, com os dois times buscando o jogo. O domínio do Fortaleza se tornou mais claro a partir dos 15 minutos. Pedro Augusto deu o primeiro aviso num lance anulado por impedimento, antes que o gol saísse aos 20. Guilherme foi brilhante na jogada pela ponta esquerda, ao fintar a marcação e cruzar da linha de fundo. A bola atravessou a área, para que Zé Welison pegasse em cheio o chute. O Leão do Pici ainda teria outra grande chance com Guilherme na sequência, mas o atacante desperdiçou o contragolpe.

O Libertad assumiu o controle da partida na sequência do primeiro tempo. Lorenzo Melgarejo foi o primeiro a testar João Ricardo, mas o goleiro pegou. As tentativas dos paraguaios vinham em sequência, mas com dificuldades para se infiltrar na área. E o grande lance dos alvinegros antes do intervalo aconteceu numa cobrança de falta aos 38. Héctor Villalba buscou o ângulo e João Ricardo voou para salvar o chute, que tinha endereço. Defesaça do arqueiro.

Fortaleza sustenta a vitória

O Libertad voltou para o segundo tempo com mudanças, apostando em Nestor Giménez e Antonio Bareiro. Os paraguaios mantinham a toada em busca do empate, com o domínio da bola no campo de ataque. A defesa do Fortaleza, no entanto, conseguia prevalecer diante dos cruzamentos. João Ricardo só voltaria a ser ameaçado em chutes de longe. Caio Alexandre, por sua vez, fazia grande atuação no meio-campo do Tricolor. A primeira mudança de Juan Pablo Vojvoda aconteceu aos 19, com Calebe na vaga de Guilherme.

O Libertad não apresentava muitas ideias. O Fortaleza era testado, mas transmitia firmeza, mesmo sem encaixar contragolpes. Aos 28, Thiago Galhardo e Tomás Pochettino foram novidades. As mudanças fizeram bem ao Leão do Pici, que voltou a ameaçar em lances de velocidade. Diego Viera quase marcou contra, mas Martín Silva evitou o pior. Lucas Sasha e Machuca foram outras substituições dos tricolores, enquanto Roque Santa Cruz entrou aos 39. Na reta final, Thiago Galhardo tentou marcar o segundo e parou numa defesaça de Martín Silva. Já os acréscimos foram duros ao Fortaleza, diante da insistência do Libertad. Os alvinegros eram perigosos nas bolas paradas e quase marcaram no último lance, em falta de Alexander Barboza que tirou tinta da trave.

Quando acontece a volta

O Fortaleza alivia a pressão recente. A equipe vinha de três derrotas seguidas, até finalmente ganhar seu respiro com o Libertad. A Copa Sul-Americana inspira a temporada. No final de semana, o Leão do Pici visita o Goiás pelo Brasileirão. O reencontro com o Libertad está marcado para a próxima terça-feira, no Castelão.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo