América do SulBrasilLibertadores

São Paulo bate contra a parede e fica no empate com o Arsenal

O São Paulo continua sem engrenar na Copa Libertadores. Assim como na última semana, os tricolores tiveram dificuldades para superar um adversário bem armado na defesa. E, desta vez, a vitória não veio nos minutos finais. O Arsenal fez valer seu empenho e segurou os anfitriões, saindo do Pacaembu com o empate por 1 a 1.  Um resultado pouco útil para os são-paulinos na competição.

Jogando longe do Morumbi por conta dos incidentes na decisão da Copa Sul-Americana, os tricolores passaram por uma situação inusitada antes da partida. Ambos os times foram a campo de calções brancos e os mandantes precisaram voltar aos vestiários para trocar o fardamento. Durante a execução dos hinos nacionais, apenas Rogério Ceni permaneceu no gramado.

Quando a bola começou a rolar, o São Paulo impôs seu domínio. Os tricolores apresentavam ótima movimentação pelos lados do campo e criaram diversas chances de gol. No entanto, o goleiro Cristian Campestrini conseguia segurar o placar zerado. Quando o arqueiro não pode fazer nada, a trave salvou os argentinos duas vezes: primeiro em tentativa de Aloísio, antes de pancada de Osvaldo.

Preocupado apenas em se defender, o Arsenal teve apenas uma ocasião de gol no primeiro tempo, aos 44, com Julio Furch desperdiçando de frente para Rogério Ceni. E a bola acabou punindo os visitantes nos acréscimos: Aloísio fez grande jogada pela direita e tocou de calcanhar para Jadson. O camisa 10 soltou a bomba e a bola tocou na trave antes de entrar.

A resposta do Arsenal viria logo no início do segundo tempo. Aos três minutos, o árbitro Wilmar Roldán interpretou toque de mão de Bruno Cortez dentro da área e anotou pênalti. Dario Benedetto mirou o canto e não deu nem tempo de reação para Rogério Ceni, empatando a partida.

Ney Franco não demorou a mexer no Tricolor, trocando Fabrício por Paulo Henrique Ganso. Ainda assim, as melhores ações eram do Arsenal, que apostava no jogo aéreo e quase arrancou a virada com Benedetto. Do outro lado, o São Paulo penava para encontrar espaços na defesa adversária, limitado a chutes de longe.

A pressão tricolor começou a surtir um pouco mais de resultados nos 20 minutos finais, mas Campestrini voltou a fazer boas intervenções, enquanto Jadson carimbou a trave outra vez. Sem interesse no empate, Ney Franco colocou Cañete no lugar de Wellington aos 37. Faltava consistência aos são-paulinos, que não encadeavam as jogadas. Os únicos lances de perigo vieram em jogadas individuais de Osvaldo, mas nada suficiente para gerar o segundo gol.

O empate isola o São Paulo na segunda colocação do Grupo 3 da Libertadores, com quatro pontos, enquanto o Arsenal sai do zero na tabela. Líder da chave, o Atlético Mineiro completa a terceira rodada recebendo o Strongest no Estádio Independência. Os tricolores voltam a encontrar os argentinos na próxima quinta-feira, em Sarandí, e sem Luís Fabiano, expulso já depois do apito final por reclamação.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo