Libertadores

Sorteio da Libertadores: Flamengo reencontra a altitude nas oitavas de final

Rubro-Negro voltará à La Paz para enfrentar o Bolívar, rival do Grupo E, decidindo fora de casa

O Flamengo conheceu o adversário nas oitavas de final da Libertadores nesta segunda-feira (03). O sorteio, realizado em Luque, no Paraguai, colocou o Bolívar no caminho de Tite e companhia novamente. Um rival que já provou ser complicado, especialmente quando joga na altitude de La Paz.

Por ter sido segundo colocado do Grupo E, o Flamengo decidirá fora de casa, ou seja, é fundamental fazer o resultado no Maracanã. Pelo que o sorteio se desenhava, contudo, a realidade não foi ruim.

Tudo sobre o Flamengo no sorteio da Libertadores

  • O Flamengo reencontra o Bolívar depois dos duelos na fase de grupos;
  • Os bolivianos venceram por 2 a 1 na altitude, mas o Rubro-Negro deu o troco ao golear no Maracanã;
  • As oitavas de final da Libertadores serão disputadas nos dias 14 e 21 de agosto;
  • O chaveamento também acabou sendo interessante para o Rubro-Negro.

Dos males o menor?

Reencontrar a altitude de La Paz é algo chato para o Flamengo. A Trivela esteve na Bolívia para acompanhar a partida da primeira fase e sentiu na pele os efeitos dos 3.640 metros acima do nível do mar. Dito isso, diante daquilo que o sorteio poderia ter apresentado, o Rubro-Negro pode sair satisfeito de Luque. Como o subtítulo indica, dos males o menor.

O Rubro-Negro poderia ter encarado Palmeiras e Atlético Mineiro, protagonistas e muito fortes no cenário sul-americano, além de um clássico diante do Fluminense. River Plate e São Paulo, especialmente por decidir fora de casa, também seriam rivais complicados. Bolívar, Junior Barranquilla e os adversários do Grupo C eram os mais acessíveis.

Além do confronto nas oitavas, o chaveamento também acabou sendo interessante para o Flamengo. Se passarem pelo Bolívar, Tite e companhia vão encarar o vencedor da série entre Peñarol e o primeiro colocado do Grupo C, que, no momento, é o The Strongest, mas pode terminar sendo Huachipato, do Chile, ou Grêmio. É para vislumbrar um Rubro-Negro como favorito.

Somente nas semifinais que o Flamengo poderia ter mais trabalho, com São Paulo, Palmeiras, Botafogo ou até mesmo o Nacional, do Uruguai, pelo caminho.

Pela distância para os dois, que serão disputados daqui a dois meses, a análise pode cair por terra. O Flamengo vive excelente momento depois de golear o arquirrival Vasco da Gama, mas terá um período de muitas baixas durante a Copa América. São as nuances que estão presentes na competição mais importante e traiçoeira da América.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Botão Voltar ao topo