Libertadores

Quando Zubeldía estreia no comando do São Paulo?

Clube corre contra o tempo para regularizar situação legal do treinador no Brasil antes da partida

Luis Zubeldía assistiu in loco à vitória do São Paulo por 3 a 0 sobre o Atlético-GO no domingo (21), pelo Campeonato Brasileiro, foi apresentado oficialmente como técnico do clube nesta segunda-feira (22) e até já conduz os primeiros trabalhos no CT da Barra Funda. Mas o treinador ainda não sabe se poderá comandar o Tricolor para fazer a sua estreia no cargo na próxima quinta-feira (25), às 21h (horário de Brasília), contra o Barcelona-EQU, em Guayaquil, pela Libertadores.

O argentino ainda precisa tirar o visto de trabalho e regularizar sua situação legal no Brasil para poder estar presente à beira do campo. O São Paulo corre contra o tempo para realizar os trâmites necessários junto à Polícia Federal, além de garantir também a inscrição do treinador, com a publicação de seu nome no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF 24 horas antes do jogo.

O clube montou uma espécie de força-tarefa para ter o seu novo treinador em Guayaquil. Zubeldía mal havia deixado a sala de imprensa, e um profissional responsável por resolver a documentação já estava em seu encalço para coletar algumas assinaturas. Além dos dois treinos que comandará no CT da Barra Funda, o treinador também terá de comparecer à Polícia Federal antes da viagem para tirar o visto de trabalho.

Mesmo que não tenha a situação regularizada, Zubeldía viajará para acompanhar a delegação no Equador – o embarque está previsto para a tarde da terça-feira, após o treino. O São Paulo tem até uma logística alternativa montada para o caso de o argentino precisar ficar um dia a mais no Brasil por conta da documentação. Neste cenário, o técnico pegaria um avião na quarta-feira (24), véspera da partida, mas ainda em tempo de comandar o último treino antes do jogo.

“A Libertadores é a obsessão de todos os clubes grandes como o São Paulo. É muito importante. Eu me lembro quando saímos campeões da Sul-Americana, o primeiro que queria era competir na Libertadores para chegar o mais longe e ver se poderia ganhar. Foi a primeira coisa que veio na minha cabeça. Nós tratamos de trabalhar para poder conquistá-la. A Libertadores é muito dura. É diferente do Brasileirão, que também é duro. Cada partida vai te exigindo mais dentro da competição”

Estreia pode ser no clássico com o Palmeiras

Caso Zubeldía não esteja com sua situação regularizada no país a tempo, o interino Milton Cruz comandará a equipe em Guayaquil – a exemplo do que ocorreu na Vitória sobre o Atlético-GO. Neste cenário, o argentino só poderá fazer a sua estreia no clássico com o Palmeiras, na próxima segunda-feira (29), às 20h (horário de Brasília), no MorumBIS, pelo Campeonato Brasileiro.

— Só posso dizer graças a Deus de poder jogar esses tipos de partida. Todas as partidas são importantes. Todas valem três pontos. Mas se sabe que temos determinadas equipes que têm uma carga emocional para a torcida que vale mais do que três pontos. Só posso agradecer — disse o treinador durante a sua entrevista coletiva de apresentação.

Como jogam as equipes de Zubeldía

A LDU de Zubeldía dominou a liga equatoriana para conquistar o título no ano passado e jogava, de fato, como um campeão. A equipe costumava construir seu jogo por baixo, com aproximações e se notabilizou por usar a agressividade de seus dois pontas pelo lado do campo. Inclusive, com uma mecânica enraizada por Dorival Júnior em 2023: a inversão de jogadas para explorar a velocidade dos extremos em espaços menos congestionados do campo no um contra um.

Trata-se de uma característica que se encaixa nas qualidades do elenco do São Paulo. Zubeldía deve usar bastante Lucas e Ferreira pelos lados do campo — assim como Wellington Rato e Erick —, para explorar esta agressividade. A LDU do treinador constrói as jogadas com passes verticais ou diagonais e roda pouco a bola para o lado. Em último caso, a equipe explorava o pivô com Paolo Guerrero. Algo que o técnico pode repetir com Calleri.

Em fase defensiva, a LDU costumava marcar em bloco médio, ocupando espaços no meio-campo. Mas o treinador também trabalha alguns gatilhos de marcação alta, com pressão organizada e mecânicas bem ensaiadas no dia a dia de treinamentos para evitar erros que peguem o sistema defensivo aberto.

— Com a LDU, o time controlava mais o jogo, porque era o time mais dominante da liga. Então, saía curto e jogava muito pelos lados, porque ele tinha dois pontas muito agressivos. E os volantes tinham boa capacidade de lançamento. Era um time bem vertical, que usava bola longa. A bola chegava ao ponta, ele já fazia a jogada de um contra um e tinha um centroavante fazendo pivô, que era o Guerrero. Ele se defendia no bloco médio. E subia pressão às vezes, nem sempre, durante os jogos. E quando subia, a pressão era bem trabalhada, bem trabalhada mesmo, conseguia recuperar a bola alto consideravelmente — afirmou à Trivela o analista tático e scout Gabriel Corrêa.

Os próximos jogos do São Paulo

  • Barcelona-EQU x São Paulo — Libertadores — quinta-feira, 25 de abril, às 21h (horário de Brasília) — Transmissão: ESPN (TV fechada)
  • São Paulo x Palmeiras — Brasileirão — segunda-feira, 29 de abril, às 20h (horário de Brasília) — Transmissão: Premiere (TV por assinatura)
  • Águia x São Paulo — Copa do Brasil — sem data e horário definidos — Transmissão: a definir
Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo